Vanessa Rodrigues, a poesía vital

VANESSA RODRIGUES

( Unhas notas aclaratorias antes de comezar. Neste artigos divulgativos ofrezo unha mínima información bibliográfica. Son completamente inimigo dos currículos e dos prólogos, nunca deberían figurar no comezo senón no final da obra. No inicio convidan a formular hipótesis de lectura falsas, porque o escritor ou escritora escribe o que quere. A mínima información bibliográfica ten como obxectivo que quen lea saiba de quen se vai divulgar a poesía. Sempre é poesía de muller, e preferibelmente de muller negra; porque son sabedor das dificultades de divulgación da poesía brasileira, e moitísimo máis se é negra. Cando comecei tiña pensado uns 12 nomes de poetas que me interesaba divulgar; despois uns nomes foron tirando doutros e aquí estamos. Na niña etapa de formación académica nada me dixeron da literatura brasileira (un bocadiño da portuguesa e algúns nomes lusófonos), é por isto que a literatura brasileira para min é unha descuberta heterodoxa e casual e persoal. Comecei namorado de Machado de Assis e Clarice Lispector, do CONCRETISMO (que revisito prediodicamente), de Paulo Leminski, Cecília Meireles etc…E podo dicir que, desde a perspectiva de crítico literario, a brasileira é una grande literatura, moi grande, que creo que no propio Brasil se subestima. Ah, se @s brasileiros se souberan “vender” tan ben como fan os arxentinos…! Cunha avantaxe, na Arxentina todo xira a redor de Buenos Aires, o Brasil é moito máis variado -aínda que do do oeste atopo menos información.

E tampoco renuncio, nestas introducóns, a ofrecer a niña opinión crítica. Para iso, teño en conta outras críticas lidas, porén só a nivel informativo. O meu criterio crítico está baseado nas lecturas que eu fixen. Sei que é un comentario feito desde unha perspectiva a miles de quilómetros do Brasil, mais quizá iso proporcione ou axude a proporcionar un horizonte de lectura máis completo ou un tanto diferente.

Cando remate estes artigo entón será o tempo de divulgar a poesía galega no Brasil. Usamos linguas pertencentes a un mesmo diasistema, mais vivimos de costas uns a os otros. E iso é moi triste, moito)

Pois ben. O nome que hoxe propoño para reler e divulgar é o de Vanessa Rodrigues (ollo, non confundir con Vanessa C. Rodrígues, 1984; tamçen hai unha pintora con ese mesmo nome), nacida en 1980 no Rio de Janeiro, comezou a tomar conciencia poética na cidade de Cabo Frio. Que eu saiba ten publicado só un libro, Simplesmente livre (2013, Chiado Editora) mais a súa presencia na rede é moi intensa, constituíndo internet a principal plaforma divulgativa da súa poesía.

Aquí teñen un currículo da súa actividade, que tamén podería estar un chisco máis actualizado, a verdade. Debe terse en conta que dos xuízos críticos que ai se deixan, non participo moito. Tamén aí se poden ler bastantes poemas seus.

Filla e neta de escritores, a devoción pola escrita vén o seu ADN. Mais, o  primeiro que sorprende é que non se trata de poesía vangardista ou simplemente de formas e temática acordes coa actualidade. Non, a súa é unha poesía que presta especial atención ao SENTIMENTO (mesmo diríamos ao sentimento básico: amor, odio, desamor, sufrimento, vinganza, incomprensión). O sentimento, iso que que tantas veces fica acalado, enmudecido, entre un río incesante de palabrería que non vén moi a conto. Pasa iso na poesía brasileira, na galega e en calquera outra, ollo. Evidentemente a temática non é criterio suficiente para falar de boa poesía; non, mais desde el resulta moito máis fácil chegar ao público, a quen le. E si, formalmente ás veces dá a impresión de ser poesía doutras décadas pasadas esta de Vanessa Martins; porén tamén é certo que ás veces chega a expresións poéticas salientábeis, sobre todo cando se contén, cando concentra a súa expresión en pouco espazo, en pouca palabrería.

Tamén foi acusada de caer nun existencialismo un tanto a deshora, tardío e quizais por iso menos interesante. Non é a niña opinión. Para min, o existecialismo nunca está de máis, sempre é pertiente e necesario. No seu Face pode lerse, por exemplo, un poema (“Dor”) que por suposto lembra a Rosalía de Castro (“O cravo”); Vanessa non chega o nivel de Rosalía de Castro, mais para quen non coñeza a poeta galega ese é un poema ben arranxado e interesante. Particularmente, dos seus poemas existencialistas o que máis me prace é a serenidade expresiva, a serenidade reflexiva…porque precisamente desde aí interpélase moi ben a conciencia de quen le, lonxe do espírito exaltado e visceral.

A sinceridade desde a que paece que se expresa a voz poética, tamén ten como efecto unha máis grande proximidade do púbico/lector co texto. Non é unha virtude poética, iso non fai mellor a súa poesía, porén si que fai máis próxima e por iso máis digna de atención.

Así, pois, na escolla de Vanessa Rodrígues para divulgala hoxe, hai certa dose de provocación, e tamén de chamada de atención, de alerta.

Esta é a súa bitácora, desde onde se pode seguir moi ben a súa poesía.

Porén eu recomendo o seu Facebook, porque aí a súa poesía é máis concentrada, brilha máis ao dispoñer de menos espazo, hai máis calidade expresiva. Ás veces, as publicións no  Face son partes extractas doutros poemas,( moito) máis longos, publicados na súa páxina web.

E van os seus poemas:

Enfraquece em meus olhos,
Como as vestes desbotadas pelo uso,
O que já foi reluzente,
Hoje ofuscado, deteriorado,
Um dia tão iluminado, agora opaco brilho.

Finaliza em meu rosto,
Como a juventude que nos reside momentaneamente,
O que foi belo e sereno,
Hoje desmotivado, desestimulado,
Um dia ecoante, agora ausente sorriso.

Adormece em meu peito,
Como os amores que ultrapassam os anos,
O que dantes fora apaixonado,
Hoje acalantado, munido dos dissabores da vida,
Meu tão valente, agora aposentado coração…

Transpiram meus versos como se fossem gotas cristalinas,
Escorrendo de forma macia até o clímax da minha inspiração.
Deslizam por florestas selvagens às margens dos rios límpidos,
Desviam-se de abismos, precipícios, vales encantados,
Ora alusivos e nocivos à singela paz do meu coração.

Debatem-se vorazes, sedentos da liberdade que lhes foi arrancada,
Como se fosse crime serem livres, desregrados, incontidos e desleais.
Anseiam por seus espaços tolhidos por compromissos e cerimônias,
Clamam serem ouvidos, criticados, admirados, inesquecíveis enquanto vivos,
Desejam seus gritos eternos, infindos, suaves, precisos em seus instintos naturais.

Transbordam de minha alma sobrecarregada de amor,
Lançam-se ao vento, ao tempo, firmes e decididos.
Não viverão contidos, aprisionados em corações amargos e infelizes,
Explodirão em pequenos fragmentos multiformes,
São acordes transformando as canções dos poetas atrevidos…

…………………………………….

Tens o brilho do mar eterno sereno no olhar,
Tens a força da correnteza, tua natureza é me navegar,
És um pedaço pequeno dos sonhos que desejei,
Realização da minha alma, amor perfeito te entreguei.

És uma parte de mim, na tua veia meu sangue corre.
Ensinar o que aprendi, minha missão: plantar tua sorte,
Redescobrir minha força e lutar por tua vida,
Recolher meus medos e consagrar cada despedida.

És uma ferida latente em minha alma,
Uma eterna saudade que me acalma,
És o melhor de mim, razão do meu sorriso,
És minha própria fé, eu moro em ti, meu filho.

…………………………………………………….

Sob meu semblante atordoado de desejos
Habita tua alma repousada no meu colo,
Deixando-me a saudade de um tempo tão remoto
Vivido em meu delírio e teu sóbrio devaneio.

Sob os meus gestos de carência e leveza
Habita o teu corpo, que dantes fora minha morada,
Tornando-me ao fim uma eterna desabrigada
Que acorda nas lembranças e adormece de tristeza.

E bate em meu peito essa ferida interna,
Acorrentando minha alma à lembrança tua,
Sangrando minha carne que se dilacera.

E mais um dia revivo essa infinita espera
Dessa estrada que, de incerta, tornou-se curta,
De viver, por tua culpa, essa saudade eterna.

…………………………………………

Tudo passa e, tão logo, vira história
Na memória que repousa em falsa paz,
Já que tudo que acontece vem da aurora
Que outrora foi de glória, ação fugaz.

Tudo passa, nada fica,
Além das letras que distorcem o amanhã
Como se ontem fosse mais viva
Essa ferida que domina a mente sã.

Tudo acaba, nada é eterno,
Além das crenças que acorrentam os pensamentos,
Sendo tormento seguir o império
Que eu renego, quando vivo o meu momento.

…………………………………………………………….

SOLO ESTÉRIL 

Faz tanto tempo que caminho em solo estéril,
Por intermédio dessa triste maldição,
Que fiz império no reinado da escória
Da vã memória que habitou meu coração.

Quão violentos os desejos da minha carne,
Invalidada no desuso do meu corpo,
Fui dissipando na ferida que se abre
Em cada frase que auferi num gesto morto.

E foram estorvos que colhi no meu caminho,
Ouros mesquinhos de enorme falsidade,
Onde cravei incessante meus espinhos,
Acorrentando em meu peito a liberdade.

Até que um dia percebi que era tão tarde.
Todos meus atos de extorsão cobraram um preço
Que eu paguei me condenando a mocidade,
Quando cavei e não achei um recomeço.

……………………………………………………………..

ENCANECER 

Decompõe-se cada vinco da minha face
Na idade que não quero aparentar,
Ocultando em bases, cores multiformes,
Os inconformes que se formam em meu olhar.

Redescubro em minha pele uma estrada
De caminhos mal traçados e recobertos
Pelos anos, que desabam em grandes marcas
Que se alastram pelo flácido império.

Os meus passos mais cansados, menos firmes,
Se confundem e tropeçam nos caminhos
Que passei a vida toda, em declive,
Sendo triste e fiel aos meus espinhos.

Minhas mãos já não seguram as certezas
Que, de incertas, invalidam meu futuro,
Desabando em minha frente a fortaleza
Na beleza que outrora era meu mundo…

………………………………………………………..

SANGRENTOS PRESSÁGIOS 

Em seus braços, eu chorei a saudade que previam meus anseios:
De perder para sempre os abraços que acalantam minha alma,
E deixar de viver a verdade desvendada nos segredos
Dos instantes mais profundos e sutis de nossa estrada.

Esta noite, revesti meu ventre do amargo sabor do adeus,
Revelado na lágrima incerta que rolou de seus olhos.
Senti que sofria a saudade futura, assim como eu.
Não me deixe jamais sem seus braços, meu amor, eu imploro.

De agora em diante prometa que não vai mais partir,
Sem levar-me a seu lado, não importa qual seja o destino.
Me reviva para sempre e não deixe jamais de sentir
A essência incontida que brota dos meus beijos sofridos…

……………………………………….

DEIXA-ME

Vai, mulher ingrata,
Sai da vista desse teu escravo.
Crava as feridas nesse peito inválido,
Segue tua estrada sem olhar pra trás.

Vai, maldita alma que amei,
Corre esse mundo, sente-te livre,
Ama como um bicho que não é mais triste,
Deixa para mim o que te arranquei.

Deixa-me os espinhos de tuas asas,
Deixa-me as crias que não soubeste amar,
Deixa-me teus vultos pela madrugada,
Deixa os fantasmas pra me assombrar.

Deixa-me a miséria, que esta já foi tua,
Deixa-me a tristeza que já sentiste, eu sei,
Deixa-me marcado pela saudade crua,
Deixa-me na rua onde te encontrei…

……………………………………………………………..

OS QUATRO VENTOS 

Ofereço meu amor aos quatro ventos:
Que todos levem uma parte de mim.
Ofereço meus olhos ao firmamento,
Que firme em meus versos o que prometi.

Ofereço minha admiração ao universo,
Pois este é infindo como sempre quis ser.
Ofereço meus sonhos ao submerso,
Para que não morram no amanhecer.

Ofereço meu corpo à natureza,
Que toda sua beleza saberá cultivar.
Ofereço minha alegria à correnteza,
Que findará tristeza por onde passar.

Ofereço minhas lembranças ao anoitecer,
Pois todas viverão no sorriso meu.
Ofereço meu coração a você,
Que este sempre lhe pertenceu.

…………………………………………………………….

BEIJA-FLOR

Era tão lindo o pequenino,
De gestos precisos que me encantou,
Vinha bailando nas flores,
Sugando os amores,
Que o tempo plantou.

Era tamanha a beleza,
Suave destreza com que ele pousou,
Mas foi veloz a partida.
Fiquei tão sentida,
Querendo ser flor.

O esperei na surdina,
Banhada de mel,
Com os olhos de amor.

O meu calor exalava
O cheiro de fadas,
Que o alcançou.

Toda manhã ele vinha
Provar da saliva que o viciou.
Mas na amarga injustiça,
Um dia minha vida perdeu o sabor.

Ele esperava calado,
Os gestos sonhados de ter-me, sua flor.
Mas o meu ego ingrato
O fez viciado num falso sabor.

Já não me tinha ao seu lado,
Chorava abafado um pranto de dor.
Com fome, vagou cansado,
Sonhando acordado… Morreu de amor.

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s