Natasha Félix. A poesía, o corpo, a pólvora e as magnolias

NATASHA FÉLIX: o corpo, a pólvora e  as magnólias

(Cando comecei esta serie de artigos divulgativos da poesía de muller brasileira, fíxeno coa convicción de que eran necesarios porque a poesía, a literatuta, brasileira é unha grande decoñecida na Galiza, fóra de tres ou catro persoas que sempre estiveron interesadas na lusofonía. E parecíame inxusto, por usarmos linguas irmás, porque a literatura, e poesía, brasileira do século XX ten unha calidade enorme, do mellor internacionalmente falando, outro día desenvolverei este argumento, e porque estou farto de que escritoras e escritores galegos se fixen especialmente no mundo anglófono e europeo cando o século pasado demostrou que, primordialmente, as novidades literarias máis interesantes chegan preferentemente da América non anglófona. De xeito que estes artigos pretendían reparar unha inxustiza á vez que me permitían/permiten ir tomando contacto coa poesía máis actual. A niña sorpresa foi que estes artigos tamén tiveron impacto no Brasil, o que me emociona especialmente.

Cada artigo nace dunha minuciosa escolla entre o que nos ofrece internet. Tanta lectura fíxome consciente de que a poesía brasileira de muller ten un nivel moi alto. Observo diferenzas entre a poesía de muller negra e a poesía de muller branca, outro día falarei diso, hoxe xa é suficiente para introducción)

Nestas, o nome de Natasha Félix e a súa poesía foron elixidas, primeiro pola calidade da escrita poética, despois por ser unha voz das novísimas, naceu en 1996 na cidade de Santos e hoxe mora no São Paulo. Natasha apendeu a escribir ensinada pola súa avoa materna, precisamente ver como o seu nome tomaba forma no papel en branco marabillouna. Este dato é moi importante, na niña opinión, porque eu non concibo a poesía de Natasha se non é como extensión manifesta do seu corpo, da súa propia personalidade, personalidade preocupada e atenta a todo o que a rodea denunciando inxustizas. Inxustizas hai moitas no mundo, e hai que denucialas, ser espectadores pasivos e inútiles é unha triste forma de morrer en vida. Inxustizas hai moitas no mundo, e hai moitas, moitas máis, se es muller. E hai moitas, moitas máis se es muller negra ( e no Brasil ) “vivir é perigoso”, que diría Adília Lopes, se es consciente do que iso significa, evidentemente.

Os comezo de Natasha na escrita poética foron, como cabe agardar, publicando os seus traballos en revistas en papel ou dixitais, estratexia que que non abandonará, que deu lugar, por sinal, ás “Consideracões sobre a higiene íntima”, que despois se poderá ler e escoitar. Ela naceu en 1996 (Santos, SP) e desde moi  nova foi deixando por aquí e por alá mostras da súa calidade literaria. No 2016 lanzou un cine (fanzine, na Galiza) que tamén se pode consultar en internet:  anemoníavulcánica . E tamén j. nao é un nome (2017, selo Manga, 2017) O seu primeiro poemario édito é Use o Alicate Agora (2018, Macondo) e tivo unha considerábel boa acollida, teño entendido que vai pola terceira reimpresión/edición, levando xa anos radicada en São Paulo. No 2019 lanzou 9 poemas (traducións ao español na Arxentina, tamén foi traducida a máis linguas). Tamén participou na antoloxóa Nossos poemas conjuram e gritam ( 2019, Quelônio)  organizada por Lubi Prates (dela e da súa poesía xa demos noticia), acompañada de Conceição Evaristo, Esmeralda Ribeiro, Jarid Arraes, Lívia Natália, Neide Almeida e Nina Rizzi. (de Evaristo e Jarid tamén nos ocupamos na Ferradura II). Tamén participa en 69 poemas e algums ensáios (2020, organizado por Raquel Menezes), unha oportunidade para que as mulheres se manifesten sobre o tema do erotismo, mesmo da pornografía, do sexo (tan importante no poemario de Natasha)…lonxe da misoxínia, do sexismo, das actitudes e pensamentos que penaliza as xentes tansfóbicas e e tamén unha loita contra os homofóbicos… do sexo e do erotismo que o capitalismo imperante nos transmite decote. Mais a primeira antoloxía en que figura, é de 2014, Movimento, que nós saibamos.

Use o Alicate Agora é un poemário que non foxe da polémica, que mesmo a procura, se temos en conta que o tema central é a procura do pracer, no que ten moito que ver, evidentemente, o corpo. Incomodar, palabra clave, é obxectivo da súa poesía. Porque de aí, do incomodo, nace a re-acción, que vén sendo ben parecido á “revolución” que os nosos tempos precisan. Unha revolución que só pode ser feminista, sen dúbida. Natasha é consciente de que escribe para minorías como é consciente do valor da palabra, da palabra corpórea (outra volta o corpo) que se manifesta cando poema se di en voz alta. Por iso, para chegar e entender ben a súa poesía, é necesario vela (tamén executa performances) e escoitala. Manifesta unha relación coa música (comezando polo hip-hop) primordial (e na que non afondaremos, porque o principal é divulgar a súa poesía).

Escollín para titular este artigo, parte dun título fundamental de Mëndez Ferrín ( Con pólvora e magnólias) porque acho que define moi ben a poesía de Natasha Félix. Ela ten dito: “Escrevo por muitos motivos. Um deles é pra me vingar. É disso que eu tiro coragem. Eu me nomeio, enfrento as palavras e com elas fico. As que eu escolho.”. Os seus versos son pólvora incendiaria, os seus poemas son incendios que nos ocupan a mente e se transmiten ao corpo. E transmítense mediante as magnolias, mediante a beleza verbal e poética desde a que se manifestan.

Velaquí o seu Facebook. Alí atoparán máis poesía, traducións e unha maneira moi acaída de coñecer a Natasha.

Para rematar, algunhas autorías moi presentes na poesía e na vida de Natasha. A listaxe non é exhaustiva, mais si bastante ilustradora: Stela do Patrocínio, Hilda Hist, May Ayim. Olga Savary, Drummond de Andrade, Pedro Lamebel, Angélica Freitas, Audre Lorde, Anne Sexton, Adília Lopes, ou Adélia Prado…

Restábame dicir que Natasha é tamén poeta-persoa moi interesada nas raíces africanas negras.

A seguir unha xeitosa mostra da poesía de Natasha, unha das voces póeticas máis interesantes e prometedoras do Brasil actual. Logo da (modesta) “antoloxía”, non perdan ocasión de vela e escoitala na ligazón que deixaremos

O amante sai de férias

red light em amsterdã
quatro corpos na vitrine
inofensivos

não ilustram a avenida
mas o reflexo mínimo
nas pupilas de quem passa
desviando

pego em flagrante
na solidão
o volume na calça jeans
não é um convite.

você pode pensar em
quanto dinheiro ainda tem no banco,
em jogos de azar
na eterna punheta dos 13 anos.

já em mim
você não consegue
é inviável
pensar em mim agora.


meus peitos nos teus peitos
laura assumidamente
esparramada em mim
essa visão
da tribo inteira queimando
panos e as espinhas dos peixes
as crianças e cumbucas –
&
o fogo é o fogo.


Trinta e três

se colocasse a pedra de ágata
na goela do porco
antes ele gritaria
como não pude gritar.


com a cabeça pousada
nas pernas da avó
a saia de brocado
pinica a orelha
esquerda.

cantarola salmos e vai à caça
distraída.

o pente-fino é azul.
as varizes na panturrilha dela também.
os dias e a toalha de mesa.

o pente-fino
atravessa meus cabelos de diaba
as crianças dizem diaba
eu nunca digo.

um pouco amansados
(não o suficiente)
com álcool e cravos
nada
enquanto a avó ajeita os óculos,
procura bichos em mim.

a mesma que estoura as lêndeas
as unhas imensas.

como se vingasse
suspeito
o que não caberia na casa.

………………………………….

na praça may ayim

pensando em audre lord e em marielle

porque temos medo cerramos as próprias

mãos porque temos medo arrancamos

os molares porque temos medo

martelamos os joelhos porque

temos medo botamos fogo nos nossos

cabelos porque temos medo atiramos os

ossinhos do tornozelo no canal porque

temos medo os dedos quebrados são justos

porque temos medo cortamos línguas

unhas orelhas, o caminho.

tiramos raspas de pele dos cotovelos

testamos a faca na jugular

plantamos uma granada debaixo da cama enfiamos

a arma do crime no queixo

porque temos medo.

cortamos a energia desligamos os resistores

porque temos medo o sol se deita

amanhã e depois porque temos medo

temos ferramentas  temos o que cerrar arrancar

martelar temos o que incendiar o que jogar

fora o que cortar porque temos medo

sabemos cuspir enganar trair porque temos medo

porque temos medo

dormimos tranquilas.

porque temos medo

somos também muito elegantes muito obrigada.

*

estira bem os braços só então amputa o que rodeia

*

ao homem que se levanta comigo

para l.

espero que as unhas cresçam

só depois solicitações, juras,

os números.

enquanto, isso.

qualquer justificativa.

espero que você não.

por favor.

mantenha a respiração acontecendo

beije sua mãe na testa, peça a benção a ela.

não olha a polícia nos olhos

se for preciso, esconda-se bem.

*

.


logo farei 22 anos.
me recuso a ir embora antes.
até lá enterrarei um filho. isso não será triste.

não vou embora sem cruzar a fronteira
enterrar esse filho
profundamente
não ser triste.

a faca\o amor

 daqui já é possível ouvir

pouco antes de atravessar o mar de alborão

buscando o marrocos seu cheiro no marrocos

deixar as cinzas em rabat

é o plano.

foda-se.

manter a faca amolada os pés prontos para correr

quando os militares.

daí você lambe a ponta

deixa a lâmina te conhecer.

……………………………………………………………….

craquelada 

tenho habitado muitos riscos.
o baiacu inchado na garganta insiste em
me competir o ar. como trepar em montevidéu 
e acordar no jaguaré: genealogia do deslocamento –
me abstenho de maiores explicações.  
li piva como quem toma chá de camomila com canela
assim descobri que o erro é um bacanal lotado de ex
marido. não dá pra ler piva antes do dejejum de uma
segunda-feira do mesmo jeito que não dá pra esperar
o baiacu sair da garganta por vontade divina. tenho 
ficado muito quieta & 
no silêncio a evidência me expõe: 
a memória das sereias do tejo, essa eu invejo; das
prostitutas da Mongólia tenho os mesmos dentes
vermelhos. não sei onde guardei as fotos da
ultima ida ao mercadão de são paulo. onde deixei
o molho de chave, onde foi parar aquele gozo na páscoa de 98, 
o jornal pra embalar os cacos de vidro, não sei onde. o 
baiacu espinha minha glote, me impede a distância. 
mesmo assim eu e o que restou das minhas
lembranças tombadas – nebulosas e uruguaias
como você – 
no ringue,
lutando contra o peixe, eu. 

………………………………………..

carta aberta aos homens de passagem

você com certeza vai
você com certeza vai lembrar de mim
quando topar com a salamandra azul 
no orquidário vai com certeza 
você vai com certeza
lembrar de mim.
do anel que foi parar no ralo 
cheio de cabelo e porra, 
você vai lembrar
dos filhos que não fez em mim
eu te disse 
era sério quando
o elevador quebrou no oitavo andar eu te disse
aquele era o nosso momento de glória
eu te disse 
pra botar no formol e você não entendeu
na hora mas acho que agora olhando a 
salamandra azul vai sacar 
eu chego sabendo que vou embora.
você vai lembrar 
a gente
com vinte anos sem vergonha na cara
nem pra comprar um cortador de unha
imediatista 
eu arrancava os excessos com os dentes.
tinha dez reais pra catuaba e um baseado no bolso
eu arrancava os excessos com os dentes. 
você vai lembrar disso
de hoje pra trinta anos isso vai ser uma lenda
você vai lembrar de mim
com certeza vai
encostar a testa no box no segundo banho
do dia 
enquanto tua mulher tira os
pentelhos da virilha e lê sobre o golpe na turquia
e eu vou estar 
em qualquer lugar longe da casa
que nunca tivemos.

………………………………………

possuir o impossível é afundar uma pedra na cara sorrindo 

a cona exposta sob o sol das sete e meia. 
acusam-me pederasta, acusam-me mulher da 
vida, acusam-me comunista. acuso-me 
trilho sem sequer uma partida. 
não levo em conta os desastres ferroviários do ultimo ano – estive
ocupada, muito ocupada. catava conchas distorcidas, nenhuma
concha intacta numa praia deserta do litoral norte.
até os suicidas estão de greve nessa manhã de domingo: não
avançam/ por isso não/ me tocam a coragem esponjosa. 
retaliada mas ainda assim a cona exposta sob o sol das sete e meia 
não me comove o sexo inflado dos homens de boa fé, não me ilustram
o corpo./ os russos / vestem nike nos pés / tiram férias em praga /
bebem corote e dizem o
séc. xxi não é pra todos. 
estive com hilda hilst me lambendo a virilha, estive sim
cansada e abortada dos filhos que
não vingaram. com a cona translucida, cinética, à espera. 

………………………………

EXERCÍCIOS



horas antes do voo 315, poltrona reclinável,
o céu colombiano.
j. arranca meus dedos fora um a um.
na cozinha, sequer pensávamos em despedidas.
j. pega o alicate digo pega o alicate agora na gaveta
isso é uma solução prática.
ele arranca meus dedos fora um a um
não sem antes lixar passar base nas unhas
remover cutículas, beijar as cabeças.
j. reúne meus dedos em conserva tampa em
segurança me confia o pote transparente antes do embarque.
não o levo ao aeroporto sou
uma mulher contemporânea.

…………………………………..

AS AGULHAS

andos com agulhas nos bolsos
porque tenho medo de esquecer coisas em lugares.
coisas importantes, coisas
que não me lembro porque
tava ocupada demais esquecendo.
me uno às agulhas
sou amiga delas.

……………………………………….

esse tumulto debaixo do vestido.

chego perto

a atrofia dos dedos

na culpa cristã

já não existo aqui —

desse ponto adiante

sou daniel aos leões

dentro

um coração de gueixa
fechado em si
recolhe os próprios cacos
ritual

impenetrável

não se deixa ver.

não movo uma peça

você parado no outro extremo

do quarto,

conto os dedos das mãos mais uma vez

para ter certeza.

conto sobre o poeta

enterrado no deserto do namibe

para ter certeza.

vigio a porta da frente

na espera do bote, os felinos.

aqui não tem tempo.

areia no sexo

suja

completamente suja
mais imunda a cada banho
o que fazer
agora

não explicam.

corpo não é despejo


diga corpo não é despejo
meu corpo não é teu aterro.
não sirvo pra ser tua menina.
o que eu quero é a orgia na romaria sacra
chupar sorvete no mercadinho
dizer Luanda
sem medo do homem que me come.
o que eu quero é esquecer
o dia em que rezei gritado
me explica por favor me explicase não apenas essas alternativas
a) a sina de ser desabitada.
b) simular o beijo, o suor, a afronta.
c) grifar só as vírgulas nas tragédias gregas.
me explica por favor me explicase sou eu quem liquida o corpo ou
é ele quem me trucida.

quem sabe

se não tivesse chegado perto demais
teriam passado em branco
as ogivas nucleares

instaladas pela redondeza &

não faria parte do vocabulário
o risco
nem a velha urgência em dizer
tenho tanto medo. n.

falariam sobre o menino
naquele dia enquanto ele

escancarava o peito no arpoador
como se velasse o sonho
aberto ao sol do meio-dia
sem cuidado algum

quem sabe
se não tivesse chegado de repente
a cidade não teria sumido
como sumiu sem aviso
saberiam endereços e pontos turísticos

não haveria o cego a luz o desejo agora
muito menos o tropeço no perigo
ainda teriam o menino
colado à vista
longa a fuga se faria nele.

………………………………..

antítese

o hospício instalado em cada céu da boca
posicionado na atmosfera ruge onde
renunciar salivas torrenciais
é mais desespero do que charme
[isso não é simples]
achar Homero um saco
aparenta não ser coisa de poeta.
por outro lado
gatos manchados e óculos vintage
fazem mais sentido.
munida de um alligator’s smile
havaianas pretas e um azulejo português
atrasando as costas nuas
caço num silêncio microscópico.
a musa que me habita é preguiçosa
o suficiente
pra não me lascar da própria voz
lazarenta, pomba-gira de ressaca
ela, toldo de circo recém sabido pelo fogo
se contorce se intercepta num quadro do schiele.
debaixo da minha axila esquerda a musa
pede abrigo tomada pelo êxito é anônima
sua cara suas cordas vocais seu pescoço
seu nirvana: navalha que é fenda e descanso.
quando quero olho em riste
com duas facas entre as mãos
recebo o poema de mim mesma
transviado, leproso, sanguinário:
lapso. desejável encosto.

………………………..

………………………………….

experimento número um

1. resposta ao piazza VIII de roberto piva

eu aprendi com hilda
& anaïs nin os meus
toques de inferno.

2. arrastão

me chega como quem pretende
apaziguar o rinoceronte sempre
à espreita debaixo do mesmo peito
esse meu peito lilás de gatuna
transviada, vulcânica Jocasta.
me despe sem desconfiar ser catatônica
a resposta do chifre dependurado mesmo
sobre o terremoto turco escala sete.

me retiro, cúmplice dos tramites que
a armadilha por si só ratifica.
farewell, mon amour – já está em tempo.
tratei de fechar as comportas
antigos amantes permanecem
deitados sobre o mesmo dia
[invariavelmente]
você se debate sobre o chifre vítreo,
esgarçado desespero sem idade,
arquiteta geometrias impossíveis e
com requeijão e cream cracker
engana sua fome de mim.

………………………………….

mantra

ninguém pode escrever como hilda hilst

o desejo segue sendo faca de dois gumes
com falta de amolador que preste.

quero que quando você pense
numa freira de joelhos roxos
no umbigo malcheiroso de deus
naquela couve num dente dianteiro ou
nos aplausos depois duma peça do brecht
na verdade você só passe a entender
que a parte desconhecida
do que resta dos setenta por cento de água
que a gente leva entre os ossos
é obscenidade e flagelo.

bukowski não cai bem usando saias:
para de insistir no erro.
minha voz pode ser baixa mas os
pulsos permanecem firmes
e ditam as leis do novo mundo
onde teu sexo é minha revolução,
meu apelo.

tem carga que corpo nenhum sustenta
ninguém deve escrever como hilda hilst.

…………………………………..

o diafragma trabalha pesado
nesse lance de sustentação.
ninguém mais diz gramofone
ninguém mais ouve jovem pan.
existem palavras frágeis & alguns
homens também (mas isso eles
botam em segredo, em
metástase.
um cara me fez gozar três vezes
enquanto calava a própria
boca
com um pano seco.
eu sonhei ontem o taco de sinuca
parecia viável arquitetura plausível
bem posicionado no rabo dum ex
namorado.
mas isso foi um sonho ontem eu
acordei aliviada. é verdade.
como se o diafragma não
precisasse mais trabalhar
no lugar do meu clitóris
blasfêmia absoluta
dizem
algumas palavras resistem
fraturam vias
respiratórias mas
em azul se embalsam
e vêm à tona como num
pico de heroína
ao solstício de inverno
em pleno carnaval na bahía

…………………………………………….

não fomos assim tão perigosas.

olhávamos a escadaria
muito preparadas
de cócoras diante do bote
punhos contra os ladrilhos do chão.

as vistas ofegavam.
mesmo depois de furtadas as
caras de felina
lembra

rompemos madrugadas e louças chinesas
é verdade.

tínhamos 20 anos e o mundo era nosso.
o salto era nosso.
o que não agarramos de imediato e o que víamos mesmo distante
era nosso.

as coisas que invadem a boca
até hoje
aos domingos santos.

calculamos cada detalhe
a fim de implodir a estrutura do edifício
com cuidado e eficiência
de quem entende o que veio
e o que está por vir.

confeccionamos bombas no parque central
os olhos por pouco infantis
inofensivas
como quem monta legos sem pretensão de muito
mas pensando um império nas mãos.

não vigiávamos os movimentos da cidade,

senão o ritmo das nossas panturrilhas
enquanto corríamos ou chutávamos ou nos imobilizavam
tudo dependia do ângulo de inclinação
dos objetos violados.

e de novo
muito preparadas
nos colocamos à prova de tudo que viria desabando pelos degraus.

assim mesmo
não fomos tão perigosas
como nos imaginávamos.

……………………………………………….

quatro poemas para o sr. hercovich

1.
cerrei o dedo indicador e embrulhei em papel celofane.
o sr. hercovich receberia o pacote em 3 dias úteis.
foi o que o carteiro me confiou
enquanto eu alisava o membro fantasma
com carinho calculado.


2.
sonhei que regia a orquestra sinfônica do estado de são paulo
na platéia pessoa alguma notava a ausência que eu dispunha
tão perto das mãos, aplaudiam e assobiavam
BRAVO,
BRAVO
!

na cena o sr. Hercovich
sentado na penúltima fileira esperava
a mão esquerda enfaixada.


3.
penso
ceci n’est pas um dedo
mas o nariz coça e eu esqueço.
passei a ter alguma dificuldade em amarrar os sapatos

(comprei chinelos, larguei o cigarro)

mamãe dizia
nessa vida tudo dá-se jeito
ao passo que eu duvidava.


4.
não duvido.
meu silêncio mais dócil reservei aos homens
que aqui sentaram, beberam, fumaram, foderam,
e levantaram-se comigo bem ao lado.
fui bonequinha russa
menina bem portada
abria-lhes o cu e a cona
beijava as pálpebras, ninava.
entre o protocolo e a porta dos fundos.
de novo meu silêncio mais dócil,
ria às piadas, limpava os vidros da sala.
eles amavam e partiam, amavam e partiam.
mas sou eu quem fico, então ficava.
tinha 5 dedos em cada mão
mais nada.

………………………………

A ESTRUTURA

1

o comprimento de uma cigarra varia entre 6 e 15 cm
……equivalente ao tamanho de uma lâmpada ou de um copo americano.

em algumas áreas do Brasil ela é chamada de gafanhoto
o que não significa que seja o mesmo inseto
o que não significa que não possa ser o mesmo inseto
……….ou outra coisa
como uma lâmpada ou um copo americano.
………………………………………………..[dependendo do ângulo de observação.

no sudeste asiático esse desarranjo não existe
mesmo se tratando de um local com gafanhotos e cigarras.

mas isso não implica a ocorrência de outros tipos de desarranjo
…..entre os animais.

também não é raro a cigarra chocar-se contra os baobás
em parte porque não é uma lâmpada ou um copo americano

em parte porque voa mal
mesmo com seus dois pares de asas
bem articulados.

2

o observador w nota uma cigarra e nomeia gafanhoto
o observador x nota uma cigarra e nomeia cigarra
o observador y nota uma cigarra e nomeia a fuga
o observador j olha uma cigarra e nomeia outro bicho

3

quando eu falo estou esperando o sol
voltar de novo ao sol mesmo que estou me referindo

quando eu falo estou esperando a casa
voltar de novo à casa mesma que estou me referindo
quando eu falo estou esperando o termômetro
voltar de novo ao termômetro mesmo que estou me referindo
quando eu falo você estou esperando incendiar
de novo o corpo mesmo que estou me referindo
quando eu falo você estou esperando recupar
de novo na mesma perda a queimadura de amanhã.

4

o observador j não é observador.
não como esperam que seja.
isso não é um poema
não como esperam que seja.
o tempo permanece estável durante a tarde
apesar das nuvens.

5

a gengiva sensível reclama a dificuldade em
mastigar determinados resíduos.

lembrete: o que não é estrutura é sedimento;
as pessoas precisam se agarrar em objetos fixos
………………………não há mal nenhum nisso
sobrevivência pede uma casa
………………………eu não tenho uma casa
sobrevivência pede     quite suas dívidas
………………………eu não quito minhas dívidas
sobrevivência pede pernas
………………………eu não tenho pernas

j. me olha demorado e me nomeia cigarra
enquanto simulamos o suor da linha do equador
ele me permite gritar
um pouco

6

j. me pede
……faz um filho comigo

pobre j.
……para isso você tem que cantar.
antes de mais nada você tem que cantar &
eu tenho que recuperar o que há entre a casa e as pernas.
o comprimento das asas e dos nomes.

…………………………..

esquina

dias perdidos nos bolsos.

alguém conta sobre o passeio de bicicleta
pelas ruas de buenos aires,

como se o país não desmoronasse
sem pedidos de desculpa anexados a planilhas.

pés velozes e elegantes
debaixo da noite.

alguém dança em um cubículo
do outro lado da fronteira.
..& pensa em um amor sem ruptura
enquanto olha para os lados

o quadril se move em silêncio
diante das batidas nas caixas de som.

aniquilados antes mesmo de terem sido.

cada um num canto da cidade
engalfinhados em seu próprio idioma.

os dois bolariam planos
como salvar-se do inimigo –
fiéis ao que não tocam.
perfeitamente fiéis.

enquanto desengorduram panelas de teflon
segurando firme nos sonhos
entre o detergente e os dedos enrugados
….calos brotam como pássaros.

*

o abalo dos joelhos,
ossatura da construção,
entre o sétimo e o nono andar
não existe nada
além do anúncio breve de uma escada
nenhuma parede.
você escolhe não pensar
no país deixado atrás de si
moribundos e felizes eles
longos
os que se fecham ao vazio
pulso que tomba.
você escolhe mordiscar as cutículas
não regar as plantas ou
desengordurar panelas
no entanto,
olhar o guindaste
o que está por ser erguido,
o que pressupõe a queda-livre
de outra coisa dentro dele mesmo –
não.
isso você não pode ver.

*

na cozinha ruídos de louça
estardalhaço de vidros
agora nenhum barulho
porque no quarto
acorda mal humorado
e é preciso que se faça silêncio
mas isso não termina bem
como nunca terminam
as coisas escondidas
muito quietos sim
os segredos se comportando feito bicho preso pela pata
se debatendo
em azul no escuro

…………………………….

CONTÁGIO

o corpo sujo é barrado no ___
mercadinho municipal na farmácia no
enterro do sobrinho na missa do galo na
reunião de moradores do bairro. no hospício o
corpo sujo é bem vindo. o meu corpo
sujo é hospício
enquanto no banho lugar de onde
saio cada vez mais imunda
porca sem rabo preso azul no entanto
a língua suja de mulher suja não se aguenta
tem nome de urubu quando fala urubu
tem nome de tesão quando fala tesão
tem nome de socorro quando fala
é suja também imunda muito a língua
quando ousa o sistema linguístico

deixa água de lastro por ele inteiro
o sistema contaminado pelo chorume
o sistema linguístico agora extraviado
do cômodo bem instalado onde habita e o
corpo sujo ainda treme e vacila os joelhos
como um fungo uma doença como
árvore de joão bolão o corpo desavisado
permanece assim mesmo
incomodando, atraso ao contrário.

…………………………………………..

Dous  poemas de 2014

Clandestina

Morrem mais quatro na favela do Jacarezinho
um fazedor de pães
uma professora sem magistrado
uma criança mirando pro alto
um cachorro desavisado
Se perguntarem, foi confronto e pronto.
Metonímia crua de um todo mais que largo.
contra fatos não há retratos
há maltrato, desamparo, caco
pingo de bala no chão, silêncio na multidão
(sem um pio, eles ouvirão)
Uma flor nasce no cantinho
entre um beco e um suspiro
Drummond bem que avisou:
tenho apenas duas mãos.

Anestesia

Dois corpos nus no divã
Nus suados
suados e exasperados
Exaltados
Eufóricos
Descontrolados

Preenche-se a vasilha
que antes, vazia, não se distinguia
diante da multidão
de vasilhas tão secas
tão ”só vasilhas”

Mas já no lençol amassado
voa sutiã, bermuda, camisa
voa alma
voa o tempo
tempo tanto que já nem se sabe
o que o tempo de fato é

Fica a inconstância
fica o desapego do mundo
O aconchego da pele
Os sussurros cantados
A valsa do desejo mútuo

Fica a anestesia da vida.

…………………………….

De 2019

Clandestina

Morrem mais quatro na favela do Jacarezinho
um fazedor de pães
uma professora sem magistrado
uma criança mirando pro alto
um cachorro desavisado
Se perguntarem, foi confronto e pronto.
Metonímia crua de um todo mais que largo.
contra fatos não há retratos
há maltrato, desamparo, caco
pingo de bala no chão, silêncio na multidão
(sem um pio, eles ouvirão)
Uma flor nasce no cantinho
entre um beco e um suspiro
Drummond bem que avisou:
tenho apenas duas mãos.

Anestesia

Dois corpos nus no divã
Nus suados
suados e exasperados
Exaltados
Eufóricos
Descontrolados

Preenche-se a vasilha
que antes, vazia, não se distinguia
diante da multidão
de vasilhas tão secas
tão ”só vasilhas”

Mas já no lençol amassado
voa sutiã, bermuda, camisa
voa alma
voa o tempo
tempo tanto que já nem se sabe
o que o tempo de fato é

Fica a inconstância
fica o desapego do mundo
O aconchego da pele
Os sussurros cantados
A valsa do desejo mútuo

Fica a anestesia da vida.

…………………………

Considerações sobre a Higiene Íntima

nunca conheci quem tivesse cabeça limpa
aliás os poucos que conheci
e talvez tivessem cabeça limpa
prestavam menos do que suspeitavam

sempre preferi aqueles cheios de bichos
escândalos baldeando de orelha a orelha

quem quebra copos
quem sabe o erro
toma para si o erro
segura escova gargareja
não cospe

testemunha perfeita do crime perfeito
quem sabe o erro assim
me inspira muita confiança mesmo

(reconhecer quem não tem cabeça limpa
alimentá-los, ser boa para eles)

olhei o tapete do banheiro sem medo dessa vez
todo um ecossistema lá
quem acreditaria?

ácaros mofo manchas de vinho
os meus joelhos nele
lembra?

os cotovelos no vaso sanitário a sua
língua entre as bandas da minha bunda
a gente ria feito duas cabras
era feriado ou algo assim
você atrasado pra uma festa ou algo assim
o azulejo português ou algo assim
quem acreditaria?
o fim do mundo ali vivendo entre
animaizinhos minúsculos lembretes
manchas impossíveis
lá bem ali

ácaro, mofo, manchas de vinho
eu nunca conheci quem tivesse cabeça limpa (x2)

eu saio do banheiro cada vez mais suja
cada vez mais suja (x4)

penso que esquecer é fácil, então eu esqueço.

ácaro, mofo, manchas de vinho
os meus joelhos nele
azulejos, o vazo sanitário, a sua língua
ácaro, mofo, eu nunca conheci
eu nunca conheci quem tivesse cabeça limpa
ácaro, mofo, manchas de vinho

olha, você pode até ser um homem piedoso
só eu não sou piedosa.

……………………………..

E, agora, a súa poesía, na súa voz, emanado do seu corpo, nestas ligazóns.

Considerações sobre higiene íntima

apneia

desossa

trama

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s