Mariana Botelho, a suavidade da revelación

MARIANA BOTELHO

Lin que a poesía de Mariana Botelho ( Padre Paraíso, Minas Gerais, 1983) foi/é considerada minimalista por ela se expresar con brevidade. Iso é entendíbel no contexto brasileiro, onde os poemas moi frecuentemente son máis longos. Aínda así, eu non participo para nada da denominación “minimalista” aplicada á poesía: primeiramente porque só é posíbel que se refira á poesía actual ou contemporánea, e aínda así esa denominación deixa fóra, por sinal, a quen escriba sonetos (que hai quen os escribe e moi ben), ou  é que os sonetos tamén son minimalismo?; e en segundo lugar porque o “minimalismo” sempre se entende de mans dadas coa “economía de recursos”, outra denominación que tamén non é moi feliz aplicada á poesía. Simplemente, quen escribe (sexa prosa, sexa poesía) ten que saber exactamente cal é a dimensión do que quere contar/dicir/expresar. Facelo en máis extensión da requerida difumina, desdebuxa, apaga a mensaxe principal do que se quere transmitir. Facelo en menos extensión da debida tamén leva ao fracaso, pois non se consegue exponer o tema cabalmente.

Vista a súa poesía desde este lado do Atlántico, non estraña a súa dimensión espacial.

Posibelmente o feito de que ela nacera e se criara nun núcleo urbano pequeno (Padre Paraíso anda sobre os 20.000 habitantes, máis ou menos) e fóra da influencia de centros como Belo Horizonte, São Paulo ou Rio de Janeiro, posiblemente ese feito axudara moito a que Mariana Botelho lograra unha expresión moi propia e singular dentro do  panorama poético brasileiro.

Desde a máis tenra adolescencia leu a Pessoa, Vinícius de Moraes ou Neruda, mais quen foi fundamental para ela é Ana Cecília de Sousa Bastos. Outr@s poetas importantes para ela son Carlos Drummond de Andrade, Augusto dos Anjos, Cecília Meireles, Mario Quintana, Emily Dickinson, Ezra Pound, Cummings, Lorine Niedecker, Yeats, Juan Guelman, Adília Lopes ou Adélia Prado.

Mariana Botelho concibe a poesía como unha revelación íntima. É importante entender que a revelación non ten porque ser de algo espectacular, grandioso, epatante. Ou pode que si, en todo caso a poesía revelación de Mariana Botelho pasa primeiro por  unha demorada convivencia nos seus adentros( sensibilidade, conciencia, cultura, sentimento, razón…) para despois expresarse como tal revelación mais xa na categoría de revelación íntima. Esa convivencia nos adentros da poeta ( ela sente necesidade de esmerar o poema, de dicilo para si, de controlalo totalmente), tamén pode explicar a brevidade.

En todo caso, Mariana foxe da contundencia na revelación. Non pretende deslumbrar, senón ensinar, amosar, indicar… e faino con delicadeza, cunha delicadeza que convida a quen le a partillar a mensaxe: interiorizala, reflexionala e despois partillala. Esa é unha das cousas que máis me atraen da poesía de Mariana Botelho, que sempre logra un ton confidencial no que quen le se acha á vontade.

De Mariana sei que publicou no 2010 O silêncio tange (Ateliê Edditora, un título co que logrou chamar a atención de crítica e lectores), en 2015 K (Clãdestina Cartonera), mais non coñezo o terceiro, que dedeu ver a luz hai pouco.

A crítica, polo que lin, sinala como características temáticas súas as referencias á natureza (nomeadamente á auga) e ao propio corpo. Pola miña banda, a emoción reflexiva que consegue inocular nos seus poemas, e a delicadeza coa que o fai, é o que máis me interesa

Mantén unha bitácora, o blog Suave Coisa mais é só para lectores inscritos.

De todos xeitos, eu aconsello moito seguir o seu Facebook

Imos coa súa poesía:

 ( Na Ruido Manifesto)

a distância entre nós,

amor

o sangue jorrando

avião que parte

de nossas cabeças

para o planalto central

eis aqui o tão longe

para onde venho –

magra como meu passado –

chorar a voz

do meu antigo nome

*

estou farta

de pessoas

que não vêm

esperar os filhos à mesa

esperar que tudo dê certo

esta casa está em desordem

e não há sequer um canto

para abrigar a paz

escrevo com muito medo

de que os homens saibam

que a mesa não está posta

e eu não limpei

o leite derramado

*

de novo

dia

alma de hortelã

e névoa

o silêncio perdoa

meu corpo

magro

perdoa o homem

que se foi

é setembro

basta uma oração

e é manhã de novo

*

Nascente

córrego

cachoeira

ribeirão

eu choro

pra pertencer à paisagem

(Emmanuel Mirdad)

afinação

Mariana Botelho

há que se aprender a tirar silêncio

das coisas

quando uma coisa produz silêncio

ela está

pronta

——–

cesariana

(para Pedro)

Mariana Botelho

seus pequenos olhos

cor de aurora represada

ainda que um dia se afastem

ficarão

nessa pequena cicatriz

——–

náufragos

Mariana Botelho

nossas bocas

nossas mãos

pequenos afluentes de silêncio

submersos

nem nas palavras que calamos

nos encontramos

——–

estação

Mariana Botelho

tenho um outono no corpo

de onde as

coisas

caem

vejo doçura nas roupas

espalhadas

pelo chão

——–

nascente

Mariana Botelho

córrego

cachoeira

ribeirão

eu choro

pra pertencer à paisagem

——–

“meu pai me deu esse olho de pássaro

pra mim o

tempo

voa”

“porque a palavra me pega de dois jeitos:

de um jeito que não basta sabê-la

de um jeito que me come

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem

esperando a sede

enquanto ouve a palavra água”

“no corredor o vai vem das

saias onde eu me

agarrei

(…)

no canto da sala a cadeira da minha

avó onde um dia

a dor

me esperará”

……………………

( En Poesia.net)

ABSTRATO

eu nunca beijei um poema.

no entanto ele está aqui
roçando leve minha
boca

nas horas dos
mais
doídos
silencio

ATO

um poema me deixou um sismo na carne
me arqueou o corpo
e traçou em minhas costas itinerários de espuma.

com um gosto de cor
na boca
deixei cair pulsante
um
longo beijo
morno
 



RESISTÊNCIA

um pote cheio
do furor que escorria dos teus olhos
guardei

porque gastamos todas
as nossas mãos

e restou inteiro
esse sentimento
enrugado

que não
passa




INTIMIDADE

um pequeno itinerário de passos
uma claustrofobia acariciada
gente que todo dia me bate
à porta e entrega-me os
cílios meus que encontraram
na calçada…

o dedinho de uma linda preta
com quem dividir os cílios caídos
com quem dividir o medo
de não sobreviver e de sofrer
a violência das crianças na escola.

aquela voz grave todas as manhãs
todas as manhãs
aquele cheiro só
aquele cheiro de capim chovido
os olhos negros do meu pai
e uma cidade íntima
soluçando dentro de mim.




CESARIANA

               para Pedro

seus pequenos olhos
cor de aurora represada
ainda que um dia se afastem
ficarão

nessa pequena cicatriz




[OS OLHOS DE MEU PAI]


os olhos do meu pai fincaram em mim duas colunas de óleo negro
buscando retalhos de amanhecimento

em vão

nada digo
que seja digno de claridade





 

ÁGUA

Água.

fui sentir o cheiro de
terra molhada.

ficamos ali
eu e meu corpo,
cantando a plenitude do mato
depois da chuva.

Água.

me amei.

[TUDO O QUE ME RESTA]

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem de
                                                       [ um rio
esperando a sede.

porque a palavra me pega de dois jeitos:
de um jeito que não basta sabê-la;
de um jeito que me come.

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem
esperando a sede
enquanto ouve a palavra: água





[TANTA COISA]

tanta coisa que fala no corpo

cala

na pequenina poesia




COISA QUE ME OCORREU DE REPENTE

a poesia se derrete nas mãos do poeta
como gato que ele afaga

a poesia queima nas mãos do poeta
como um fogo que ele alimenta

a poesia afoga as mãos do poeta
é um copo do oceano que ele mesmo inventa

o poeta é um mar de si mesmo.




[O SILÊNCIO]

o silêncio tange o
sino de tão
leve ninguém
escuta




PERSONA

                    o poema
                    essa estranha máscara
                    mais verdadeira do que a própria face
                             Mario Quintana


não é isso o que somos mas é assim que resistimos
porque fingimos que fingimos

empurramos nossos barcos contra as marés da aurora
para que a noite não passe

e continuemos despidos
 



ESTAÇÃO

tenho um outono no corpo
de onde as
coisas
caem

vejo doçura nas roupas
espalhadas
pelo
chão

……………………

(En Tudo é poema)

navegar o centímetro do gesto
no mar infinito do verbo

é teu o que te for dado:
o olhar cansado preso à teia,
o medo já domado da fera,
o beijo.

tudo o mais
entrega

eu te quis em meio a essas violentas
portas enquanto
o amor se confundia em
minhas pernas se perdia
entre as frestas
inundava meus vãos

INTIMIDADE

um pequeno itinerário de passos
uma claustrofobia acariciada
gente que todo dia
me bate à porta e entrega
cílios meus que encontraram
na calçada

o dedinho de uma linda preta
com quem dividir os cílios caídos
com quem dividir o medo
de não sobreviver e de sofrer
a violência das crianças na escola

aquela voz grave todas as manhãs
todas as manhãs
aquele cheiro só
aquele cheiro de capim chovido
os olhos negros do meu pai
e uma cidade íntima
soluçando dentro de mim

os olhos do meu pai fincaram em mim duas colunas de óleo negro
buscando retalhos de amanhecer

em vão

nada digo
que seja digno de claridade

………………………

( En António Miranda)

a poesia esqueceu-se numa casa de Minas
o cheiro de manga em dezembro

há cana cortada em cubinhos
doce para o mel da lembrança

lágrimas, um pouco de sal
para o tempero da memória

a avó não abre mais os olhos

a poesia esqueceu-me numa casa de Minas

…………………..

( En A mulher e a poesia)

…………………………

(na Escamandro)

CAVALO I

intempérie
assolou o quintal

devorou alface
(sonhos
do sol
sobre as folhas
às quatro da tarde
com café novo
no bule)

– não é fácil
respirar –

rasga meu sono

põe as patas
no meu peito

me aperta entre
vida e morte:

por cima
sem cuidado

por dentro e
através

§

a força
do esvaziamento

presença
excessiva
do corpo
no corpo

– do corpo
no chão –

como que plantado
na queda

a “mói” de um trator
sabe explicar
todas as ruínas

um fio na chuva, –
se tivesse
ainda
outro lugar por
onde chorar

chorava

§

é como estar debaixo d’água

em transe
numa casa
de vários quintais:
o amor

família inteira à espera
(araras
no cerrado
às seis da tarde) –
talvez
para jantar –

à luz de um sol

(talvez dois)

dos olhos mais
bonitos
que já vi

§

um corpo cai

nem as feridas atestam a veracidade
do que parece sonho

inaugura todos os dias
uma nova vertigem
para a mesma viagem:

um trem de ferro que passa
ao largo
de nossa morte

………………….

Na Germina, hai poemas inéditos 

…………………………

(Na Linha de vida)

permanece na língua
o sabor de lima

e é doce –
como diz a memória

essa fruta
colhida
fora do tempo

……………..

(En Modo de Usar& Co.)

fotograma

ela na copa
macacão de operário

ele na sala
sentado no sofá
o  homem de Rodin

eu aguardava no
batente da porta
vestido verde de crochê
três pérolas no busto

o momento
de pedir colo
depois de quebrarem
o lindo
telefone azul

§

a manhã nos obriga
a chorar
sempre

esquecer
a tosse noturna do filho

a urgência
do amor

o verbo
nosso pai
o silêncio
nosso filho

nosso rito diário
de esquecer

§

não sei verbalizar
o abismo

sei cair
dentro dele
como dois olhos que eu avisto e temo

e o chão se demora –
amor –
a tocar meus pés

§

te amo
de bom sono

acorda
o que tenho
de melhor
entre as pernas:

o pensamento



§

é uma cidade muito pequena
para tanta distância

é preciso
ir devagar
com os cuidados, meu pai

devagar com os cuidados

é uma cidade muito pequena
para caber tanta dor

§

I.

acredite pai
como dói esse braço de mar

muito mais que sua ausência

II.

nunca foi boi
nunca te doeu
um pasto na alma

são estas coisas —
muito mais
do que seus olhos

§

aprende
a hora
das coisas

a certa altura
elas têm boca
mãos incríveis –

tu te sentes uma harpa

a certa altura
as coisas têm olhos
que tu nunca
vais esquecer

…………………….

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s