Valeska Torres ou a denuncia do realismo brutal

Hoxe tamén, tamén divulgamos a poesía dunha autota da que só coñecemos un título, de 2019, iso si, un título revelador, O coice da egua (7Letras). E hoxe tamén, tamén é poesía favelaria, entendendo por iso a poesía dunha muller que nace nunha favela do Rio de Janeiro, e é consciente da súa orixe favelaria e o que iso significa. E tamén, tamén é poesía dunha muller que, un día, descobre que o sistema educativo en que foi formada responde máis ao eurocentrismo branco e excolonizador…que á realidade dunha muller de pel negra no Brasil actual. Son constantes que se repiten, como a progresiva toma de conciencia e posterior afrocentrismo. Son constantes que se repiten, e iso quere dicir algo, significa, e non debe pasar despercibido.

Non vou repetir, iso si, que as autorías de pel negra teñen a liberdade creativa condionada, non son de todo libres como as brancas, cando a cor da súa pel lles esixe tratar unha temática determinada. Mais tampoco quero deixalo no esquezo, sería mentir.

Valeska Torres é unha autora nacida no 1996, aínda ben nova, e que publica o seu primeiro libro no 2019, porén o seu nome asina poemas en revistas wwb moi variadas, de xeito que poderán ler unha selecta bastante significativa

Do seu poemario, O coice da egua, tamén non quero escribir cousa, porque achei este estudo de Helena Zélic, outra poeta que tamén divulgamos nestas páxinas, outra poeta nova e loitadora, imprescindíbel no actual panorama da poesía brasileira e que aquí demostra unhas aptitudes para a crítica literaria moi salientábeis…está comezando, mais tamén, se persevera, ha de ser unha unha crítica destacada.

Fíxense tamén na valentía da voz poética, non só á hora de denunciar, tamén á hora de ofrecer resposta a ese mundo brutalmente inxusto, unha resposta que non esconde a compoñente emotiva. Parécenos moi importante isto, nun tempo onde a razón está aínda valorizada en exceso e a compoñente emotiva tantas veces é desprezada por non obedecer á razón; o cal non é certo, porque emoción e razón non entran nunca en dialéctica contraditoria, pois calquera delas pode nacer ou desencadear a outra. E ningunha delas debe ser borrada do mapa.

Porque, o que motiva esta presentación é que, cando lin a súa poesía veu á niña mente o realismo sucio que, décadas atrás conquistou o panorama narrativo galego. Realmente non se pode falar de realismo sucio aplicado á poesía de Valeska Torres desde os parámetros que definían este movemento importado do mundo anglosaxón. A poesía de Valeska Torres tamén é realista, mais o seu é un realismo brutal. Brutal no sentido en que denuncia situacións que, desde este lado do Atlántico e desde calquera conciencia limpa, non deixan de significar momentos onde a humanidade amosa a súa peor cara. No ronsel destas reflexións immaxinei como sería a poesía galega se tamén nela se instalara unha sorte de realismo brutal á maneira de Valeska Torres. Porque o necesitamos. Moito. Con seguranza, de se facer un estudo con este motivo, aparecerán cousas, nomes e títulos que se poden adscribir…mais falta por facer.

Insistindo no realismo, a mesma Valeska confesou que ela só dá forma ao poema, de xeito que a súa é unha poética de recolección de experiencias, de escrivivencias ( C. Evaristo) que ela vive ou que ela olla na sociedade e sente a necesidade de denunciar. De denunciar porque é un deber moral e porque é unha necesidade que a conciencia non permite ocultar. Deste xeito, a denuncia devén nun proceso de autocoñecemento (de si mesma, e de si mesma nun contexto hostil) que tamén é unha poesía do coñecemento, do coñecemento imprescindíbel que se quere partillar.

Creo que xa o dei xei ver, a poesía galega precisa tomar boa nota da poesía negra de muller…precisamente por iso, porque tamén nos tamén habitamos un contexto hostil. Se na poesía de Valeska ten moita importancia o contexto político hostil do conservadurismo atroz, nós, na Galiza, a pesar da “autonomía” levamos vivindo nese conservadurismo atroz dede a norte de Franco. Si, houbo momentos nos que gobernaron políticas non conservadoras, mais o ambiente sociocultural divulgado polos mass media seguiu sendo belixerantemente conservador e belixerantemente inimigo da nosa literatura.

Alén diso, porque estas presentación queremos que sexan breves, non deixen de reparar na calidade poética de Valeska, perceptíbel nun coidado extremo da versificación, mesmo incluíndo exemplos da comunicación abreviada que os novos medios parecen querer imponer simplemente porque son máis rápidos, e que se manifesta desde a selección verbal, á disposición sintáctica ou o moi coidado ritmo.

Como sempre, verlaquí o seu Facebook.

E tamén este , maís actual. Non deixen de seguilos.

Imos coa súa poesía

(Na Acrobata)

INDOMÁVEL

Eram três canhões de cimento estacionados
na via expressa
sob os cirros cinzas que cruzavam a América do Sul.

Eram barris de pólvora. Eram sapatos enlameados.
Eram as suásticas estampadas nos peitos;
a selagem da égua indomável.

Na curvatura da coluna,
mais próxima a testa ficava do chão.

Catávamos hinos da boca do outro,
sem saber que o outro é ruína também.

Os rodos que limpavam a cidade,
eram das mesmas mãos que soltavam granadas.
Batíamos continência,
onde antes fora ringue de galo.

(((((((((((Campo minado))))))))))

[dentro:
um cachote virado ao avesso
donde sai um cão imundo
fede.]

]fora:
a cera empapando o cotonete
de marrom
cor de absorvente sujo do últimos dias.[

A justiça sob os olhos deles,
seguros de que a vida,
agora extinta,
lambia a lâmina do coronel
quatro estrelas detrás,
o vidro fumê,
o estreitar das tardes, o mesmo sol abóbora
das épocas sangrentas.


MIJADA

a rolha explode contra a minha testa
de calcinha bege clara mijo escorre entre as minhas pernas
o liquido amarelo metálico: uma mulher suja.
nas tentativas em segredo, enfio os meus dedos entre
a goela quando eu,
enfiaria entre os lábios da minha buceta se me fosse permitido gozar,
se me fosse permitido …………………………..

uma penca de banana com granola,
arrebenta
o zíper da minha calça quando devoro uma penca de banana com granola, comendo banana (baixinho para que ninguém ouça minha língua empapada de saliva)

tenho vergonha de ser uma mulher suja e que gosta de comer bananas pelos cantos
mastigando baixinho fazendo papa debaixo da língua
não quero que ninguém me veja
que ninguém me ouça

comendo na poltrona puída do caxias x méier
nem que me perguntem porque mijo nas calças quando uma rolha explode contra a minha testa
não quero que vejam meus pêlos debaixo do sovaco que raspo
todososdiastodososdias
raspo os pelos dos meus sovacos
sem nenhum rito
sem nenhuma falha
limpo os pelos feios e sujos da mulher suja que sou.


REINO DOS BICHOS E DOS ANIMAIS NÃO É O MEU NOME

para Stella do Patrocínio

ouço o chacoalho zunindo no meu ouvido
o barulho da cisterna
tampada com uma espessura de sete cm de concreto

quando perto,
penso em afogamentos em sufocos claustrofobia

por desencargo
pego ratazanas pelo rabo que se contorcem
como as contorcionistas no circo
afogo-as devagarinho até que o chiar borre a água de vermelho escuro
são essas as cores do arco íris

piso em besouros esmigalho cada couraça que usa para se defender
já rendido
coloco entre dedos a gosma verde esmeralda tão bonita

joaninhas inchadas nem todas vermelhas com pintinhas pretas
pressiono contra o mármore com o mindinho

havia uma barata entre meus lençóis quando criança
dessas cascudas que só se encontra no mato
rastejou até o meu ouvido
zunindo coisas que só no reino dos bichos se podem ouvir

“não quero” disse abafando o travesseiro contra o inseto

desde o assassinato
recebo os bichos para executa-los

me dizem fofocas
esgueirando-se na mortadela na comida estragada
as patinhas miúdas fungando a merda
o reino dos bichos e dos animais não é o meu nome

mosca parruda que posa na manga
jorrando o verme
seu filhinhos miúdos espeto na grelha
labareda lambendo as asas finas
o corpo mole

nas autópsias que fiz
rasguei de uma só vez os colhões dos bichos
sussurrei a profana das mulheres

o maçarico
queima queima queima
o torresmo que como nessa manhã.

reino dos bichos e animais é o meu nome


……………………..

(Na Escamandro)

(Insira uma frase de Eva Perón)

do bico do peito

os que mamam em grandes tetas

o pingo de leite
branco
sobre a hispano américa amedrontada

sobra-nos:
1. os farelos,
2. o chupar de dedos,
3. pedaços de alfajor caídos sob o tapete do vizinho.

aos que não tomam leite
– esses que infestam a cidade com cartazes de desaparecidos –
restam-lhe
o café preto amargo

trepamos sobre essa cama, mas não nos lambemos
tampouco
partilhamos nossas línguas
falta-nos salivas

a cerveja o matte dividimos no poema após um pancho entre Catarmaca y Sarmiento

da goela
o pollo descendo abaixo
até o engasgo
yo soy soy yo
a balsa que atraca no Rio Paraná
a faca que corta o pão massudo
dentro
salsicha temperada de salsa crioulla

§

Nós dois cantando Sidney Magal no karaokê da Feira de São Cristóvão
Para o Fernando

Estação da Penha
desemboco perdida na linha de fuga, percebo
– como se percebem os furos de tatuí na areia de Grumari –
o grão de purpurina no fim do carnaval,
são quatro por dois isso que inflama o meu peito.
Não chupo a espinha do peixe,
não como mocotó,
mas ainda sonho em me bronzear sob o sol de Ramos
me banhar no piscinão
ao seu lado
com as mãos entrelaçadas as suas
bebendo itaipava.

Sou mulher de gostos caros, digo a você enquanto
rasga meu sutiã
gasto
por amaciantes.

Picho na murada do prédio
seu nome  o meu
para que você saiba o quão merda eu sou
quando apaixonada.

Meus pais me apontam dedos disseram para não me perder demais
¡perigo águas profundas, correnteza e redemoinho!
É tarde,
depois de meia noite
nossos horários são verões.
É tarde e estou fudida
porque a foda tem o gosto do meu homem
e disso
os meus lábios não cansam.

…………………..

(Na Caliban)

Sem título

Dentro de um videocassete Toshiba
o VHS rebobina
entre as fitas magnéticas: Farenheit 451.

Homens de preto amolecendo à querosene
aquilo que tencionava os dentes arreganhados.
Tempos porosos
que penetravam o coador do macabro coveiro
caso fosse encontrados livros.

O objeto declarado como perigo,
suas guardiãs marginalizadas margeando antigas ferrovias
forasteiras vagando entre as fronteiras
de uma guerra das centenas guerras
ínfimas.

Considerando cada lâmia de capim
cada meteoro formado e deformado à medida das ampulhetas
cada pálpebra que projetou seus olhos sobre uma folha em branco
costurou a tempestade em alguma ilha ao norte do oceano pacifico.

Considerando a memória ancestral das cordas vocais dos anciões das anciãs
as pessoas solitárias que guardam as páginas encardidas em seus armários empoeirados
o vendaval que destrói o trabalho de uma vida.

Diante disso,
são ínfimos tão ínfimos os desejos,
carbonizar o perigo.

Trotamos, seja em luz ou escuridão
à espreita de um cubículo para que como uma Fênix
seja possível ser estação.

Contemplar uma carruagem de aguapé espichando
na beira do rio
que em seu ciclo uma cabeça d’água arrancará suas raízes
e servirão de alimento ao cardume dos onívoros tetra neon negro.

Saber que nas impermeáveis cavernas os rastros de antigos bisões povoaram
os mesmo terrenos que agora são vendidos a lote por uma rede imobiliária.

As labaredas que desfarelavam as interrogações,
não subordinam as mentes que bradam pelas provocações.

Me deparo com as barras coloridas
frame por frame em minha memória o filme permanece
vou de encontro aos livros em minha estante
intactos,
sussurram ao pé do meu ouvido:

Agora, vamos subir o rio — disse Granger. — E nos concentrar num só pensamento: não somos importantes, não somos nada. Algum dia, a carga que estamos carregando conosco poderá ajudar alguém. Mas, mesmo quando tínhamos os livros à mão, muito tempo atrás, não usávamos o que tirávamos deles. Continuávamos a insultar os mortos. Continuávamos a cuspir nos túmulos de todos os infelizes que morreram antes de nós. Durante a próxima semana iremos encontrar muitas pessoas solitárias, tal como no próximo mês e no próximo ano. E quando nos perguntarem o que estamos fazendo, poderemos dizer: estamos lembrando. É aí que, no longo prazo, acabaremos vencendo. E algum dia a lembrança será tão intensa que construiremos a maior escavadeira da história e cavaremos o maior túmulo de todos os tempos e nele jogaremos e enterraremos a guerra. Agora, em marcha. Primeiro, construiremos uma fábrica de espelhos, e durante o próximo ano não produziremos nada além de espelhos, e daremos uma longa olhada neles. (BRADBURY, 1953, p. 197)

Sem título

Folhear com espanto os clarões da palavra
Em uma página áspera
Apertar contra o dedo o caruncho
Antes que atravesse a capa

Palavra borda espaço-tempo
Investiga sujeito antes mesmo do sujeito
Tomar pelas rédeas
Narrativas impressas em cartucho preto

Entalhar pedra cascuda
Diante do segundo milênio
É informar em meio ao mar da desinformação
Nem chave de fenda, nem picareta
Há de trazer à toa a palavra embrulhada
Feito presente enlaçado
Dado por avó

Dentro de um metal encapsulado
Abundantes são os olhos a observar as telas touch screen
Pipocam as propagadas, o amontoado de palavras,
As selfies de 5,5 polegadas.
Barganham,
Vencedoras diante da enluarada noite ofuscada.

Como conter uma enxurrada numa cidade submersa
Quando o alerta é tempestade?
Como não empalidecer diante da nova palavra
“Infodemia”?

Digo, como permanecer sóbria,
Renovar a fé
Quando se é preciso todososdiastodososdiastodososdias
Carimbar palavra como ofício?

Aos que bradam e brindam seu amor ao ódio
Digo: — não obedeço.

………………….

(Ma Opiniães)

…………………

(No EsquerdaDiario)

1. DOIS FILHOS BANTOS

Miro o arco e a flecha
cai
sobre o peito daquilo que já foi um índio
que agora segura o fuzil
aponta a bala daquilo que já foi um escravo,
a preta aponta um facão daquilo que já foi um branco,
de tudo aquilo que já foram restaram a dor de uma vingança que
nunca mais será.

Do nunca resta o que já foi um dia,
nós antes de nós selvagens naquilo que já foi dito nada.
E da vida que surgiu naquele dia,
nenhuma morte há de nos salvar.
E da morte que surgiu naquele dia,
nenhuma vida há de vingar.

O ronco da moto atravessa varado feito bicho do mato
ferido.
Acuada, fecho o cenho e
o punho firme,
vou de encontro ao corpo que me aponta o calibre.

Dois filhos bantos,
da mesma raça
celebrando o ódio
lascando a pedra já lascada.

Dois filhos bantos,
de ventre preta que se esfolam
pela mixaria.
E rindo,
caminha entre eles um velho inimigo.

Carrega um charuto envolto num chicote,

batendo as botas

são olhos de maçarico.

Sai de dentro da mata atlântica,
junto a ele uma virgem.
Pele dela é feito a minha,
ele ralha
cabocla cala a boca e se veste boazinha.

Capataz,
saltita em passos largos,
encarando a ferida.
Não entende o banco
dentro dos olhos
das vítimas.

Entre o corpo calibre e o punho firme
não se intromete
pelo o que está feito daquilo que lhe foi
incumbido.

São dois filhos bantos,
que cantaram sob o sol ao som do berimbau,
se matam hoje em Manguinhos,
ao troço do capital.

2. INHACA

“Nada ocupa mais espaço que o amor”
CAROLINA TURBOLI

pescoço virado
de galo decepado em encruzilhada
um homem os olhos arregalados
pra minha bunda
grita

carne avulsa
açougue vendida em miolos
paleta acém peito fraldinha e músculo
vendida na feira livre
embolodasvozesnoengarrafamento

chorosa mijo na cama
estragado uma maçã podre
quando você se desfaz de mim como de seus lixos
quando você larga um tiro em mim quando ama outras mulheres me
diz não me ama como amava antes de outras mulheres
quando você trela em mim me olha os olhos vazio como sacola
voando por entre os fios de um poste
quando você some do whatsapp, do Facebook, do Instagram e nunca
me diz o porquê das coisas se realmente há alguma coisa que ainda
resta em você.

além do homem branco barbudo sem míngua nem casa musculoso
com o pau duro dizendo quanto excito com o meu abraço que pra
mim é só um abraço quem sabe ali poderíamos selar nossas almas
quando você nada mais nada mesmo que um homem me diz que
precisa ficar sozinho longe de mim eu falo demais eu amo demais
grito cuido demais
ser de menos já é demais
quando você é um homem nada menos que um homem e quis o meu
corpo eu queria sua alma contou essas coisas obscenas para os seus
amigos sobre como é transa comigo dar um 👍 nas fotos de biquíni

nas estantes da sala bukowski fala de putas
que poderiam ter sido eu e minhas irmãs
escritas na memória de um velho
que batia punheta vendo meninas 16 anos
com roupas de escola

o amor
está entranhado feito inhaca no sofá da minha casa
por homens que cresceram sobre minha sombra
esgueirando-se querendo ser grandes em cima de mim
aqui dentro de mim
até eu mesma
não ser

3.NÓS DOIS CANTANDO SIDNEY MAGAL NA FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO

Para Fernando
estação da Penha
desemboco perdida na linha de fuga, percebo

- como se percebem os furos de tatuí na areia de Grumari –

o grão de purpurina no fim do carnaval
São quatro por dois isso que inflama meu peito
não chupo a espinha do peixe,
não como mocotó

sonho em me bronzear sob o sol de ramos
me banhar no piscinão
ao seu lado
com as mãos entrelaçadas nas suas
bebendo itaipava

sou mulher de gostos caros, digo a você enquanto
rasga meu sutiã
gasto
por amaciantes

picho na murada do prédio
seu nome ❤ meu
para que você saiba o quão merda eu sou
quando apaixonada

meus pais me apontam dedos disseram para não me perder demais
¡perigo águas profundas, correntezas e redemoinho!
é tarde,
depois de meia-noite
nosso horário são verões
é tarde

estou fudida
porque a foda tem o gosto do meu homem
e disso os meus lábios não cansam

4.TRÊS POEMAS PRA MATAR PORCOS FASCISTAS

PARTE I – FOGO

carrego comigo rolos de papel higiênico, fósforos
que acendo
mato porcos fascistas
taco-lhes fogo sempre que posso
reviro o(s)lhos
lambo os beiços quando incinero os malditos
o bacon não como
distribuo entre entes queridos
são muitos
os porcos os porcos
malditos
à caça
com um martelo
atiro na mira
cuspo sobre a cadeira elétrica
incinero os porcos de merda
estapeio o que for mole
e sugo sugo sugo sangue do cretino
abato
URRAM
ESMURRAM
URRAM
quero meter a grito
com murro
goela adentro esses porcos fascistas
a papa debaixo da língua dente a dente vingo
minha pátria querida
lalalalalalala lalalalalalala lalalalalalala lalalalalalala lalalalalalala lalalalalalala lalalalalalala

………………………

(Tamén na Escamandro)

Carne Moída

Torrando no meio fio do Ceasa,
homens armários me olham de esguelha,
sabem que ferida aberta é lugar para mosca botar ovos.

Abobrinha carne moída arroz feijão
no tribunal
vencem
os mais fortes
de pele
de olhos
de cabelos
de sacos
no cemitério de Inhaúma
um atrás do outro

pretos acumulam cargas,
dentro de caminhões baús
o burrinho sem rabo empena
no sol à pino
dá gargalhadas
ri de mim
ri de todos
menos
das sungas maiôs

Búzios. General Osório. Zona Sul.

Praias e praias com gente miúda na quarta-feira
o dólar está em alta magra sexy salto 15 saindo da boate um escândalo
na bolsa da mulher foi baleado um garoto correndo entres os carros na avenida
Nossa Senhora de Copacabana, onde a Senhora se escondeu?

Pintei minhas unhas
de vermelho
nas ruas de São Paulo
o gongo em colapso nervoso grita comigo,
não sei revidar.

Acumulam-se inacabados:

cinco ou seis projetos arquitetados que estão a essa hora do dia remendados com fita crepe.

dois ou três possíveis relacionamentos que nunca disseram a hora ou o lugar de encontro.

um quebra cabeças, duas costuras no rasgo de minhas blusas e 46 horas mal dormidas.

Depois de velha e pelancuda o que me resta é ser comida pelas traças
em mim cabem
vigas aço concreto camisinhas cacos estiletes balanças dedos esmalte absorvente fígado queijo nojo

§

Corações de Alcachofra

corações de alcachofra em conserva de óleo
mastigados depois do jantar
sobre a mesa
os pratos, os talheres, os corpos usados

abutres miúdos e vesgos
rasantes
afiam suas unhas no amolador de facas

arrancam as peles gorduras
jogam na vala atrás de minha casa
desfiguram a carne putrefata

explosões sucateiam o ferro
agora corroído serve de mordaça

a cidade dorme como se nunca houvesse
amanhecido. na madrugada
forra-se o tapete infestado
de ácaros

odor de alho na sola dos pés
caminhando sobre as ruas
os velhos não usam sapatos

deus não anda entre os meus
sobrevoa em helicópteros
arranhas céus
onde dorme em colchão de penas

……………………….

(Na Mulheres que escrevem)

Chorume gosto azedo na ponta da língua morta

praça xv derramando óleo lubrificante nas meias velhas infestadas de carrapatos

rostos carcomidos
fagulhas subindo do chão oco
no banco definham mendigos
inclusive eu,
aceitamos nosso próprio breu

morte,
inimiga de longas horas
em frente as barcas
braço direito
nas sacolas as compras não cabem
fungos
crescem em tempos úmidos
bengalas quebram corroídas por cupim

a cebola
de rodela em rodela
rasga a pupila dos meus olhos

saquarema turva pela maresia

muriçocas sugam meu sangue
ao azeite e fermento

ervas daninhas florescem
até que o pão,
um dia farto
se torne escasso
e a seca, um dia cheia
se torne rachaduras
em nossos pés

…………………

(Na Ruído Manifesto)

EM UMA GALÁXIA TÃO TÃO DISTANTE …

há anos luz ☄

criou-se um buraco

negro tão preto e profundo

que é

confundido

com a

desova

lá do

morro

que

cava

m

mais uma cova mais uma cova mais uma cova mais uma cova mais uma

                                                  cova

de um vagabundo.

………..

NO ESTREITAR DAS TARDES

em movimento curvilíneo, agarravam-se as rédeas: homens, de carapuças brancas

no estreitar das tardes

bicavam com os pés pontiagudos o asfalto até que do ralo descesse o rubro

tambores graves vinham de outros quarteirões e a novena escapava pelo fio de nylon; cada miçanga era bijuteria velha.

os pescoços enlaçados pelo tronco de madeira

no estreitar das tardes,

a celebração de uma nova ordem.

cá fora no horizonte: o sol extrapolado feito gema de ovo. em contraste, o avesso de mim.

no estreitar das tardes,

quem anda comigo é a minha sombra que se esgueira entre o poste o emaranhado dos fios

um delírio

REBANHO

Seis horas da tarde,

uma porca indo pro abate, uma multidão de porcos.

Uniforme: cinza e azul, bandeira do Brasil, unidade pública de

ensino. Uma porca bem vestida.

Sistema público de ensino e um bando de porcos

pretos tentando aprender

que Jesus tem olhos azuis

é branquelo,

um bronze tem que passar pasta d’água.

Sistema público de ensino de que adianta saber

contar, se no fim do mês não sobra nada

para a porca que trabalha para pagar boletos? Sustentar um lar?

Fim de um dia de trabalho, início de

uma noite de pasto a barriga no fogão

uma espingarda com cano ainda

quente meto a bala na cara do

canalha

faço jus ao meu salário.

……………………………..

(En Macabea Edições)

……………………

(Na Saccades)

NÓS DOIS CANTANDO SIDNEY MAGAL NA FEIRA DE SÃO CRISTÓVÃO
Para o Fernando

estação da Penha
desemboco perdida na linha de fuga, percebo
– como se percebem os furos de tatuí na areia de grumari –
o grão de purpurina no fim do carnaval
são quatro por dois isso que inflama o meu peito
não chupo a espinha do peixe,
não como mocotó

sonho em me bronzear sob o sol de ramos
me banhar no piscinão
ao seu lado
com as mãos entrelaçadas nas suas
bebendo itaipava

sou mulher de gostos caros, digo a você enquanto
rasga meu sutiã
gasto
por amaciantes

picho na murada do prédio
seu nome ❤ meu
para que você saiba o quão merda eu sou
quando apaixonada

meus pais me apontam dedos disseram para não me perder demais
¡perigo águas profundas, correnteza e redemoinho!
é tarde, depois de meia noite
nossos horários são verões
é tarde

estou fudida
porque a foda tem o gosto do meu homem
e disso os meus lábios não cansam

……………

DA TESTA LARGA

restaram o gosto do suor salgado em que o beijava pelas ruas de bonsucesso
restaram as coxinhas massudas e oleosas que secavam no escorredor sujo com pedaços de
frituras queimadas
restaram a paçoquita moída na embalagem fechada
sobraram os chupões estampados no pescoço
e o varar das noites
você, enfiando com doçura amor
com doçura
sua piroca sem que seus pais pudessem ouvir

amar pode ser longo demais para alguém como eu,
você disse
que deixo botijões de gás abertos
pincelo blush nas maçãs das minhas bochechas pinto meus lábios com batons fortes
chupo paus e engulo a
porra

um perigo eminente seria demais amar por tanto tempo o perigo

uma hora – nunca se sabe qual hora – pode ser às 13h ou às 2h45 da madrugada–
mas nessa hora é preciso cerrar bem forte os punhos
esmurrar o estômago do desgraçado
até que então, purifiquem
os beijos

Deixar unha resposta

introduce os teu datos ou preme nunha das iconas:

Logotipo de WordPress.com

Estás a comentar desde a túa conta de WordPress.com. Sair /  Cambiar )

Google photo

Estás a comentar desde a túa conta de Google. Sair /  Cambiar )

Twitter picture

Estás a comentar desde a túa conta de Twitter. Sair /  Cambiar )

Facebook photo

Estás a comentar desde a túa conta de Facebook. Sair /  Cambiar )

Conectando a %s