crítica de A VINGANZA DOS HOMES BOS, de Manuel Esteban

A VINGANZA DOS HOMES BOS OU A NOVELA FLUTUANTE

Título: A vinganza dos homes bos

Autor: Manuel Esteban

Editorial: Xerais

Sempre se dixo que unha novela que comeza ben é moi raro que remate mal. Moi raro. E que o dito resula certo témolo comprobado en multitude de ocasións. Hoxe outra vez máis. Porque cando un le o primeiro capítulo ten a sensación de que “aquí hai un escritor que ten cousas que dicir, que quere dicilas e sabe como facelo”, arrolado pola prosa incisiva, tematicamente rica e, sobre todo, armada nunha redacción que sabe ser complexa cando é preciso mais sempre clara e elegante. Despois mudan as tornas, mais non o suficiente como para falar dunha mala novela. Non, simplemente é unha novela diferente. É certo que se masca un chisco de decepción cando no seguinte capítulo nos asalta a linguaxe típica dun discurso detectivesco (ou negro, xa veremos). E esa mudanza léxica leva aparellado, tamén, unha mudanza no rexistro xenérico e no estilo narrativo. Volveremos afondar nisto, mais agora é tempo de ofrecer unha descrición da novela que dea unha imaxe de como é. Con este propósito diremos que se trata dunha novela estruturada en dúas partes que se entrecruzan; dúas partes, segundo a trama aconteza en Fuerteventura ou en Vigo (porque tamén é unha novela de Vigo), ou, o que é o mesmo, segundo  a trama reflicta os primeiros pasos de Carlos Manso nos corpos e forzas de seguranza…ou ben atenda ao acontecer dun Carlos Manso xa retirado, xa unicamente investigador privado.

                     A primeira parte, “León e o volcán”, parte coa avantaxe de presentarnos unha xeografía e unha sociedade para nós bastante exótica, como é a de Fuerteventura, que lembremos nada transitada pola narrativa galega. E, xa postos ben preto do continente africano, non queda atrás a denuncia do abandono do Sahara polos españois…para beneficiar sobre todo a Marrocos. Aquela espantada covarde que tantas veces se ten comentado, mais que poucas veces asoma a cabeza na nosa narrativa. Alén desa denuncia, como é de agardar, tamén aparece o nacotráfico como unha das poucas fontes económicas dun lugar remoto que non é precisamente moi rico. Mais cómpre dicir que nese narcotráfico (que está moi ben tratado, do que se dosifica a información pertinentemente, coma en todo discurso policial, naquel momento) tamén hai lugar para unha homenaxe aos libros, e cos libros á memoria histórica, porque un pobo sen memoria histórica desaparece, deixa de existir.

                     A segunda parte, “ O Kraken e o mar” céntrase xa en Vigo, e para lela é boa idea repasar as dúas novelas anteriores de Manuel Esteban: A ira dos mansos (con aquela homenaxe a José Saramago) e O meu nome é ninguén. Porque hai personaxes que se manteñen, e alusións que desta maneira fican máis claras. E, se antes podiamos falar, polo menos de inicio, de novela policial, aquí, tamén de inicio, é detectivesca. Mais,  a isto, como xa dixemos, habemos volver máis tarde, agora debemos engadir que o Vigo que aquí aparece é un Vigo sobre todo de túneles, vías de comunicación que o tempo soterrou de baixo da cidade e no esquezo. Aquí, tematicamente reaparecen os abusos a menores (xa houbera na primeira novela) e a corrupción ao máis alto nivel. É precisamente iso, a corrupción, o que se mantén constante entre a primeira e a segunda parte.

                     (Por certo, aclaramos, na novela aparece primeiro o que nós chamamos segunda parte, de despois o que denominamos primeira parte)

                     Iso e o protagonista central, un Carlos Manso que, xa de novo é un cu de mal asento, mais non por iso deixa de ser a imaxe nítida dun antiheroe, que sempre o será, cheo de dúbidas, desconfiado da vida, que parece vir “ de volta de todo” e que parece ser destinado a exercer de testemuña máis ca de protagonista que enfronta un(s) problema(s) e a súa solución. Coas súas especifidades ( é formado en Filosofía ) mais tampouco nada esencialmente novo baixo o sol. Finalmente si resolverá o caso, mais non deixa de haber certo recurso ao Deux ex machina nesa resolución.

                     E, antes de irmos ao miolo do asunto, non podemos deixar de comentar que é unha novela lexicamente rica. Aínda que hai algunhas grallas e algún castelanismo morfolóxico (“ubre” é masculino) compre recoñecer que tanto no vocabulario como na fraseoloxía Manuel Esteban traballa con moito acerto e fica ben lonxe “das novelas escritas con vistas a unha posterior tradución”. Este apartado acostuma ser rico nas novelas negras, á que cada autor fai as súas achegas case sempre en función da tipoloxía de personaxes que usa, e compre dicir que as achegas de Manuel Esteban son pertinentes e están ben logradas, ben traballadas.

                     Imos agora co aspecto central, na nosa opinión, “a narrativa flutuante” que anunciamos no título.

                     De seguro que non faltará quen a encadre dentro da novela negra, está moi de moda meter as novelas detectivescas-policiais neste xénero. E, neste caso, se o fan, aínda hai ben razóns para manter esa opción xenérica. Porén, a cousa é un chisco máis complexa.

                     Durante todo o século pasado, a narrativa detectivesca-policial e a novela negra repartíronse boa parte das predileleccións lectoras. Mais cómpre ser un chsico xustos e recoñecer que a narrativa detectivesca-policial se manifestou un chisco antes ( sen que teñamos que recorre ao XIX como orixe, non só en E. A. Poe) e que a negra tomou ar sobre todo desde  a metade do século. Todo isto ben a conto de que a novela de Manuel Esteban transita ou flutúa desde a novela policial á novela negra constantemente, transmitindo unha boa imaxe das interferencias que durante todo o século pasado se produciron, para alén de autorías clásicas ( Conan Doyle, Agatha Christie, Simenon, tamén boa parte de Highsmith; ou Chandler, Wooldrich ou Spillane na novela negra) e que levou a algúns a asimilalas nun único xénero. Nós, como é ben sabido,  preferimos falar de dous xéneros diferentes. O policial-detectivesco, no que prima a resolución dalgún caso (roubo, asasinato, corrupción, cousas así), por un lado. E o negro por outra banda, onde o que prima é transmisión do mundo marxinal, do mundo da delincuencia etc.  e que se queremos podemos retrotraelo ao mesmo Cervantes nas súas Novelas exemplares. E non só iso. Ademais a novela policial-detectivesca tende a presentar como protagonista un heroe ou unha heroína;  mentres a novela negra tende máis a estar protagonizada por un anti-heroe ou anti-heroína. De xeito que ambos xéneros reproducen a loita entre o mundo racional, o mundo gobernado pola razón, e outro mundo que podemos chamar irracional ou onde a razón se ve sobrepasada e é incapaz de gobernar o mundo.

                     Quen lea esta boa novela (porque, alén de fronteiriza e flutuante, a novela está ben escrita de cordo cos preceptos dos dous xéneros, e presenta unha galería de personaxes ben configuradas) será quen decida se é máis negra ou máis detectivesca, segundo pesen máis a reesolución do caso ou o mundo marxinal en que vive Carlos Manso. De calquera maneira, a decisón non alterará a sensación de sentirnos satisfit@s despois dun lectura que é enriquecedora ademais de cumprir tamén ben no requisito de entreternos, pois a estrutura, coa alternancia das dúas partes, está moi estudada, moi calculada, para que nunca a lectura perda interese. E, se na primeira rendía homenaxe a Sramago a través do título, nesta é a Unamuno, sen esquecer que na segunda os homenaxeados eran Orwell, Sarte e Kierkegard .

ASDO.: Xosé M. Eyré

Ryane Leão: empoderamento da muller negra, feminista e lesbiana; a poesía como arma de denuncia, autodefensa e autocoñecemento.

O nome de Ryane Leão xa non é un calquera no panorama das letras brasileiras; aínda só levando dous libros publicados, o éxito do seu primeiro Tudo Nela Brilha e Queima tivo tanta repercusión como para facer dela una poeta negra de imprescindíbel seguimento, das que hai que ler para estar ao tanto da poesía brasileira actual.

Mais, vaiamos por partes. Ela nace en 1989, en Cuiabá, e actualmente mora en São Paulo. Os seus país xa a puxeron en contacto coa poesía (comezando con Pessoa, por exemplo, ou Neruda), mais era esa una poesía na cal non se recoñecía. Realmente ela comezou a recoñecerse nas letras escritas cando accede á tradición poética negra , cunha Conceição Evaristo, Bianca Santana, Elizandra Souza, ou Jennyfer Nascimento, Mel Duarte, Elizandra Souza, Angela Davis, Bell Hooks, Audre Lorde… e acha inspiración en poetas como Gabi Nyarai, Ingrid Martins, Deusa Poetisa, Jadequebra, Kimani, Tawane Theodoro, Mel Duarte, Luz Ribeiro, Pam Araújo, Carol Peixoto, Rupi Kaur, Nayyirah Waheed. Un nome é moi importante: Rupi Kaur, pois o seu labor, a súa poesía é frecuentemente emparellado ao da poeta canadiana de orixe indú que é todo un fenómeno de vendas en inglés.

Os comezos poéticos de Ryane son nos lambe-lambe. É decir, xa de inicio se decanta pola poesía como activismo social, pois os lambe-lambe son cartazes que se colocan na rúa e portan unha mensaxe importante para a autora (ou autor). É una forma de graffitti, respectuoso coa arquitectura e co medio ambiente, e, ademais, posúe a característica de ser móbil, de poder deslocalo para outro lugar. Tampouco é un activismo que non se teña que enfrontar ás forzas de seguranza pública, téñase en conta.

Ao seu carón, hai que situar as posibilidades que desde as redes sociais expanden a obra lambe-lambe de Ryane. É do máis interesante visitar o seu Instagram. En realidade aí está a orixe do seu primeiro libro, eran textos seleccionados que ía autoeditar (mediante fianciamento colectivo) até que Planeta, na procura de alguén que nas letras brasileiras puidera asimilarse a Rupi Kaur, deu con Ryane e editou o seu  primeiro poemario, que acadou un moi importante éxito de vendas.

Posteriormente publicou Jamais Peço Desculpas Por Me Derramar (2019). Aquí poden vostedes ler parte deste título, ademais xa saben que despois desta introducción virá una pequena “antoloxía” da súa poesía. Agora é momento para indicar que a poesía e a forma que Ryane atopou para se realizar como persoa, para atopar conciencia de si mesma como muller, como muller negra, e como muller negra lesbiana. E é precisamente ese proceso de re-coñecemento, de autocomprensión e de denuncia o que ela aquere trasladar a outras mulleres negras que acolle nun obrdoiro de lectoescritura en inglés (Odara). Nótese que este tipo de actividades é moi frecuente nas autoras negras. Nótese a súa necesidade na sociedade brasileira do século XXI. Será lóxico, logo, que a denuncia do machismo, que a denuncia do racismo estean presentes no fluxo poético da súa obra. Unha escrita de empoderamento e denuncia.

Lean agora a sinopse, obra da propia autora, do seu segundo libro: mesmo na correria, eu sigo em busca das sutilezas. não posso deixar as distrações passarem batidas.
o peso do mundo não vai tomar conta de minha pele se eu me atentar às brechas, às margens. anteontem
eu vi o mar. recebi abraços apertados que me agradeceram pelos poemas que escrevo com o coração na ponta dos dedos. hoje de manhã as folhas das árvores balançaram com o vento e o barulho foi tão bonito. daqui a pouco começo a cozinhar porque vou receber em casa as pessoas que amo. quero saber de cor o que me traz paz, embora não sejam permanentes as belezas. o caos também não é. e eu estou mudando a cada minuto, então tudo bem. há algo que resiste por entre os escudos, que me relembra que existe uma coisa essencial em ser uma mulher que se reconstrói diariamente: eu sou profunda demais pra acabar.” 

Particularmente acho deliciosa a poesía de Ryane, dunha vehemencia expresiva, dunha forza expresiva extraordinarias. Domina moi ben o formato curto do poema, pois ela formouse nos lambe-lambe e iso nótase. É unha autora plenamente consciente do valor da palabra, por iso selecciona moi ben a linguaxe que vai empregar, e nos seus poemas nunca se acha unha floritura, nunca hai fogos de artificio inútiles, todo o que di ten que ser pleno, ten que manifestar a necesidade urxente de auto-expresión ( e autocoñecemento) e de denuncia. Pódese falar, nisto, de poesía sincrética, mais hai que ter en conta que a condicionante de non deixar nada por denunciar está sempre presente aínda sendo textos breves ( e tamén nos menos breves).

Tecnicamente é una poeta moi hábil no formato curto, cun sentido do ritmo expositivo, do estrofado e das estratexias de destaque verbal… que non son experimentos parciais senón una poética plena.

Véxome na obriga tamén de constatar que ela denuncia que no femismo branco non se sente identificada. Triste, moi triste, moito, esta carencia de empatía solidaria do feminismo branco coa muller negra. Porque, finalmente, todas son mulleres, e as máis favorecidas (as brancas) é lóxico que axuden as menos afortunadas. Na niña opinión.

Tamén resulta moi recomendábel seguir o seu Facebook, pois no só dá noticia de eventos, tamén hai moita poesía nos seus post.

E agora vai sendo  hora de que chegeu a súa poesía,non sen antes dicir, sendo lesbiana, foi obxecto abusos. Teño que dicilo porque parece que aquí, se dis que toda relación de parella é fonte de conflito, incluido lesbianismo, aquí na Galiza, se o dis estás a te retratar como lesbófobo, pouco menos. Velaquí, logo, esta entrevista onde o denuncia, ou este artigo.

Vai a súa poesía:

de que valerão meus escritos

se outras não falarem

não se contarem

não dançarem

não se manifestarem

não protestarem

não se erguerem

de que valerão meus escritos

se eu me esquecer de direcioná-los

para aquelas que engolem silêncios a seco

que escondidas oram ao impossível

que no ônibus às cinco da manhã

fecham os olhos e sonham rumos

que focam em tapar os vergões

que nunca soltaram do peito os leões

que estão habituadas a vestir

inseguranças

eu que agora tenho a voz audível

não falarei por ninguém

convidarei para virem ao meu lado

para não deixarem se apagar

ou desencorajar

de que valerão os meus escritos

se eu não convocá-las

se eu ignorar da onde vim

se eu parar em mim

*

você precisa ser mais parecida com a água

não tem que ser porto seguro a todo instante

pode ser correnteza e aproveitar pra levar algumas coisas embora

pode ser onda grande no oceano e afogar o que já não importa

se desfazer nas margens

em grandes pedras

ultrapassá-las

pra notar que nada te impede

vez em quando virar uma cachoeira

daquelas enormes e inalcançáveis

ou então lagoa calma mas distante

só nada quem pegar a trilha

você pode ser aquele fluxo de água que desce entre

as frestas de uma rocha

e mostra que algumas rachaduras são necessárias

para que a beleza nasça

quente ou fria

abundante ou serena

jamais peça desculpas

por se derramar

*

 tenho muitos nomes

estou em inconstante

transformação

nada me condensa

e pairo onde me inspiro

ultimamente o prazer

tem me convencido

de que ensina bem mais

que o pesar

………………………………..

Você não é uma flor
você é toda uma floresta
bonita
incomum
imensa
inesperada
e deixa seu conselho:
preste atenção em onde pisa
que as minhas raízes
continuam
a crescer

…………………………………….

vem chapar comigo
arrancar meu vestido
apertar minhas coxas
vem revolucionar seu corpo
na minha boca
vem se encharcar
nas minhas correntezas
molhar seus dedos
com meu gosto
e se perder
na minha respiração
descontrolada

te convido a escorregar
suas cicatrizes nas minhas
refazer nossas linhas.

……………………………………

eu sou um monte de
constelações
brilhando e ardendo
mas nem todo mundo
sabe ver

ou só vê a parte que arde
ou só vê a parte que brilha

…………………………………

quantas vezes minha mãe sentou na beira da cama
e me ajudou a retirar os cacos de vidro dos pés
e disse que poucos mereceriam o meu amor
que o mundo me machucaria porque eu tinha nascido
com coração demais
que eu tinha que parar de ser tão boa
ou não me sobraria nada
além dos cacos
que ela arrancava
com cuidado e paciência
plantando flores
no lugar

…………………………………….

quem soube de mim em outros tempos
já não sabe de mim agora
pois quando me quebraram
meus pedaços foram arrumando novos lugares
mais lindos e mais fortes
pra se encaixar nessa mulher que hoje escreve
com punhos firmes e nenhuma culpa
de existir como bem quer

……………………………………..

você me causa
o impacto de um bom poema

abre meu peito
de um lado a outro
e me faz imensa

……………………………………..

ela parecia
aqueles
fogos de artifício
tudo nela brilhava
e queimava
antes de apagar
e virar poeira

………………………………………..

não é para mim esse negócio
de ser imutável
eu quero é transitar
entre meus descaminhos
me transformar
reconhecer meus instintos
tô me desconstruindo

eu sou um universo
se expandindo

…………………………

a única vez que perguntei
para minha mãe se ela nunca mais se apaixonou
ela falou que o único homem em que ela confiou
a deixou em pedaços

nesse dia, uma frase me fez entender
certas feridas que meu pai causou
sangram até hoje
e me perguntei quantos iguais a ele
continuam desmoronando mulheres
por anos a fio

……………………………

da importância de encarar a si mesma

escolha seus melhores discos
e tire suas piores dores
pra dançar

…………………………….

olhe todas as que vieram
antes de nós
não há segredo
a potência de ser mulher
atravessa suas veias

somos fortalezas

…………………………….

não esqueça
o motivo
de nenhuma de suas
partidas.

…………………………..

31 de dezembro

te liguei um minuto antes da meia-noite
os fogos estavam mais altos que nós
e ficamos ao telefone
sem dizer nada

algumas despedidas
são de uma quietude
estrondosa

…………………………………..

mulher de luta

o beijo dela
tinha gosto
de liberdade

……………………………….

mulher,
padrões só existem
pra gente quebrar.

………………………………………

irônico e incômodo
conviver com as sobras de alguém
que só te ofereceu sobras

…………………………..

não foi dessa vez
ele pretendia confinar
ela pretendia viver.

………………………………………

quanto a mim
serei poesia
até o fim

……………………………….

eu quero saber
das opressões que você se livrou
e de como seu cabelo
anda cada dia mais
selvagem e lindo
quero saber da culpa que
não te habita mais

quero ouvir
tudo que te silenciaram
eu quero que você me conte
a história das suas
cicatrizes

………………………………

eu sou um monte de
constelações
brilhando e ardendo
mas nem todo mundo
sabe ver

ou só vê a parte que arde
ou só vê a parte que brilha

…………………………………

que ideia mais estúpida
achar que é melhor sentir dor
a não sentir nada

elevamos o sentir a níveis tão errados
que preferimos atear fogo em nós mesmas
a conviver com nossos vazios.

……………………………..

Aquí, os POEMAS OBSESSIVOS

crítica de A GUERRA ERA CONTRA NÓS, de Carlos da Aira, en Xerais.

LITERATURA COMPROMETIDA: LOITA E REBELDÍA

Título: A guerra era contra nós

Autor: Carlos da Aira

Editorial: Xerais

Partimos da crenza de que a literatura non debe ser nunca neutra forma de evasión verbal. Como mínimo ten que abrir portas no cuestionamento de quen le, ou pechalas. Ten que incomodar, tirar a quen le da monotonía mental que tanto lle presta a tanta xente. Presta, porque da reflexión desencadeada polo cuestionamento poden derivarse aspectos que nos fagan sentir molest@s coa inactividade á hora de non afrontar problemáticas socias que condicionan ( sabéndoo ou non) a nosa forma de vida. A literatura debe ser dun tempo e dunha terra, que dicía o outro, e unha voz social discordante co estado de cousas establecido. A literatura debe ser motriz.

                     Partimos desa crenza porque na nosa educación lectora foi moi importante a literatura comprometida, a literatura cívica, a literatura que aspiraba a mudar a realidade a mellor. Un Curros Enríquez, un Cabanillas, un Celso Emilio, unha Rosalía de Castro, un Ferrín…

                     E, aínda que somos conscientes de que a literatura dos tempos que vivimos parece camiñar polos vieiros da expresión de individualidades máis ou menos preocupadas socialmente (é unha maneira rápida de dicilo), se é que existe claramente esa preocupación, non deixa de agradarnos cando atopamos escritas coma esta de Carlos da Aira, que desde o mesmo título turra pola rebeldía, polo autocuestionamento, imprimíndonos a necesidade de loitar por un mundo mellor. Xa viviu mellores tempos a literatura comprometida; evidentemente era, cremos, máis doado escribir contra unha problemática que estaba aí, arrodeándonos, en forma de ditadura, de mortos nas cunetas, de espolio, de amodazamento, en defiitiva: de conflitividade social que nos atinxe. Non é que hoxe non haxa nada diso, mais o capitalismo do desastre logrou impermeabilizar a sociedade cunha pátina de “sociedade do ben-estar” na que parece que non podemos aspirar a algo mellor ca iso e que é unha bobada pretendelo. Iso, unido a unha falsa democracia, unido a unha falsa liberdade, e a tolerancia política da lingua falada e escrita (repárese ben en que dicimos TOLERANCIA)…e estamos como estamos. Podiamos explicitar máis esta crenza, podiamos, mais a nosa finalidade é escribir sobre o libro de Carlos da Aira.

                     E conste que, a todo o dito do compromiso social, cómpre engadir o valor literario. Porque estamos a falar de literatura e a literatura é algo máis ca un tema interesante.

                     Ben, imos co libro de Carlos da Aira, con ese título de primeiras incómodo, e que debe ser, despois da lectura unha chamada a rachar o nihilismo, o laissez faire en que vivimos intalados. Libro que foi gañador do VIII Premio de Poesía Manuel Lueiro Rey, que edita Xerais en colección poética, mais que non só contén poesía. Das tres parte de que consta o libro ( “A guerra”, “Catro armas” e “Epílogo”) só a segunda aposta decididamente pola poesía como fórmula expresiva. Do resto, hai poesía claramente na primeira parte, no comezo, polo medio e/ou no remate dos textos. Dos textos híbridos. Porque non todo é poesía. Quizá alguén se atreva a falar de prosa poética; para nós resulta excesivo precisamente porque requerimos que esa parte poética resulte convencidamente máis presente. De xeito que preferimos falar de prosas interferidas de poesía, tecnicamente. O cal, evidentemente, non discute o seu valor literario.

                     O libro comeza facendo referencia á perda de valores sociais humanos, inscribíndose na humanidade como contexto, denunciando a soidade do heroe sen guerra (expresión que temos utilizado moitas veces e cremos xustificada aquí), cunha mención especial á epífora, mención especial porque nos advirte que non debemos pechar o libro (nunca se debe pechar un libro) sen volver ao título, xa dixemos. Lembrándonos despois esa, en baoa parte mentireira, dualidade entre o rural, a aldea, e a cidade; en boa parte mentireira porque vivir nun lugar ou noutro non exime de respnsalilidade á hora de loitar, son contexto diferentes que esixen unha mesma loita; apela a quen le ( e esa apelación será constante, fuxindo da expresión egocéntrica da voz poética) e lembra que o mundo pode mudar polo que se cría unha causa/cousa menor. Evidentemente no falta a denuncia da literatura vácua, inútil, mentireira, cómoda…á vez que se expresa unha desconfianza do pasado precisamente por iso, porque é pasado e a nosa loita debe ser presente, loita polo futuro. E, de futuro falando, os textos híbridos de Carlos da Aira tamén deixan a impresión de non-futuro que a música e o cinema (tamén) popularizaron; esa sensación de non-futuro e a constatación da perda de conciencia de clase (refuxiados na impermeabilización da clase media da sociedade do ben-estar), o cal redunda nunha perda de identidade e no esquecemento de que “mesías” pode ser calquera, de que calquera pode abrir a espita do cambio social. Imos vendo como evoluciona tematicamente o libro, e nesa evolución non falta, agora si, a posibilidade recoller forzas, doses de moral, pescudando no pasado, precisamente. Advertíndonos de que cómpre fuxir dos “falsos profetas”, dos acomplexados demiúrgos dun exército de salvación mentiteiro e ineficaz, claro, pois vivimos nunha sociedade amordazada pola cultura do (pracer e consumo) inmediato, e volve esa sensación de non-futuro. O cal non deixa de ser unha mentira, unha falsidade, unha engañifa que no último medio século avanzou  e se consolidou. Nisto, rematando xa a parte primeira, vólvese lembrar o valor do exemplo dos ancestros, por moi abstracto que sexa, fronte a concreto que é, por exemplo o viño, símbolo tanto do transtemporal como da droga, do opio, que non deixa pensar.E remata esta parte tematizando a muller (non agardabamos a súa falta) e falando da “felicidade” do ser alienad@, da alienación. Alienación concepto que, sen aparecer moi explícito no texto, aparece intermitentemente ao longo da lectura.

                     E preguntarase, quen isto estea lendo, cales son esa catro armas que se anuncian no título da segunda parte. Ben. Pois aí está o valor da amizade, valor e exemplo cando desde ela se loita contra a mentira (“institucionalizada”, engadimos). Velaí volve a necesidade de loitar contra a alienación, esa dor que non doe. E velaí volve o valor da lingua como arma ( dicimos volve porque así está sendo utilizada desde o comezo) para remata co simbolismo da figueira, da natureza, coa lembranza de que “os mortos  non saben perdoar”. Para rematar, no epílogo, en prosa, coa lembranza da alienación (e do exterminio ou autodevastación a que leva) tendo moi claro que é o amor ( si, o amor, e póñanlle vostedes todos os adxectivos que queiran) o único que nos pode salvar, ou o que máis virtualidade ten de o facer.

                     E é o momento de volver ao título. A guerra era contra nós. Claro, porque primeiramente temos que loitar contra o propio amordazamento.

                     Formalmente, as prosas son prosas moi curtas e o autor sabe manexarse ben neste formato porque sempre consegue interesa a quen le no que se di. E os poemas, tanto que formen parte do texto en prosa (no inicio, no medio e/ou no remate; e, nótse, en ningún caso esa imbricación é forzada), ou sexan independentes (na segunda parte) amósannos un autor que domina os aspectos técnicos da poesía, tales como a versificación, o ritmo ou o estrofado. É este un aspecto que adoita ser esquecido (o apartado técnico) cando se fala/escribe sobre poesía, como dando por feito que tod@ poeta os domina; e non sempre é así. Cómpre salientar tamén que Carlos da Aira xoga moi acertadamente coa dimensión temporal e tampouco debe esquecer o simbolismo (non é que sexa unha sucesión de símbolos, mais cando é preciso porque dá xogo…aí está)

ASDO.: Xosé M. Eyré

crítica de O ANXO DE DURERO (Jorge LLorca, en Dr. Alveiros)

NOVELA DETECTIVESCA PRETENDIDAMENTE SIMBÓLICA

Título: O anxo de Durero

Autor: Jorge Llorca

Editorial: Dr. Alveiros

Ben, primiero de nada deamos a boavinda a un novo selo editorial, este D. Alveiros que nace na Fundación Vicente Risco, e que, polo visto a súa actvidade vai para alén da publicación dos premios convocados pola fundación. É de xustiza, esta celebración de boavinda, porque sen actividade editorial a literatura non é nada. Aínda que sexa tarde, porque este novo selo editorial xa deixou pegada en tempos pasados. E máis agora, neste tempo de desconfinamento en que aínda non temos claro como vai ser a “nova normalidade” e como vai afectar ao mundo editorial.

                     Ben, en segundo lugar digamos que O anxo de Durero gañou o XX Premio Vicente Risco de Creación Literaria. E concretemos que, malia iso, malia saír vencedor dun certame literario, isto non significa que as súas páxinas teñan valor literario. Nin agora, neste Vicente Risco, nin en ningún outro; infortunadamente nunca, desde hai moitísmo, se declara “deserto” un premio, e dáselle ao discurso menos malo, o que non quere dicir que sexa bo. Nin agora nin en ningún outro, dixemos. Mais o certo é que esta novela de Jorge Llorca non pasará á historia polas súas bondades literarias, aínda ben o contrario. Digo isto a sabendas de que este mesmo premio se declarou deserto no 2018, e era a segunda vez, se non lembro mal.

                     Non se pode dicir que o autor non ideara un proxecto ambicioso, dotado dun simbolismo revelador, dun simbolismo que convide á meditación sobre o ser humano e a creación. Polo menos. O título, que remite a unha obra especialmente misteriosa do alemán Alberto Durero (1471-1528) que deu e dá lugar a múltiples interpretacións. E o deseño da portada, con ese anxo pertencente á obra Melancolía antes mentada (de entre 1513 ou 1514), así como o cadrado numérico que lembra os “sudokus” hoxe tan populares, parece quere indicar iso. En realidade trátase de dous extractos do orixinal de Durero, máis complexo, que, segundo a nosa interpretación, parecen remitir cara ás dificultades de creación alén da ciencia exacta, da matemática, pois vivía Durero un tempo, un interregno, entre liberación de Deus a autonomía humana que producíu evidente desconcerto inicial, sempre alén da matemática. É a nosa interpretación, que pode vir a conto porque estamos a vivir tamén unha transición onde morre o mundo rural, cousa que se recolle na trama da novela.

                     Porén, fóra de todo isto, a novela presenta unha trama detectivesca convencional onde a única novidade realmente reseñábel é a inclusión do gas radón nela, un perigo para a vida certo que a literatura galega parece ignorar. Porque, do resto, salientar que o protagonista é un sexaxenario culto, especialmente nas artes visuais mais tamén ten moita presecia a música e mesmo a poesía. Que trata de esclarecer unha misteriosa morte. Nada realmente novo. Dígase, iso si que a configuración das personaxes femininas nos pareceu do mellor da novela. Mais, para ser unha novela detectivesca, a trama tarda moito en intersar a quen le. Hai moi poucos progresos na investigación e o discurso fica nun deambular do protagonista ao que non se lle albisca función que realmente axude na investigación. Polo menos, moi, moi pouco. Quérese representar ese ser humano “perdido”? Se é así non se escolleu a mellor estratexia narrativa, porque, malia o discurso estar moi atento ás descricións, tampoco estas teñen tanto valor literaio como tapar outras carencias.

                     O remate da novela, que é o único momento en que a trama “atrapa” a quen le, con esas canas de pescar inapropiadas, parece remitir outra volta ao que xa dixemos da dificultade da creación artística. Porén, resulta insuficiente despois de padecermos un discurso absolutamente desdeixado no que hai de todo, desde castelanismos (léxicos e morfolóxicos) a ausencia de letras nas palabras ou todo o contrario: letras que non veñen a conto e se introducen na palabra. A isto aínda hai que engadir escollas ortográficas erradas (“don”, por exemplo) ou dificultades co pronoe persoal átono, por exemplo. E non son dous casos nin tres, o discurso está inzado destes despropósitos que enfadan a lectura páxina tras páxina.

                     Sinxelamente, un premio literario non se pode dar a luz con semellante número de grallas, grallas que non atinxen un determinado aspecto lingüístico. Oxalá fora só un. Son moitos. E, se por riba a trama tarda tanto en interesar a quen le e non dosifica a información (clave, neste tipo de novelas) axeitadamente…toda interpretación simbólica resulta un erro porque redimensiona un discurso que en realidade tecnicamente é moi criticábel…e que por riba ten unha presentación absolutamente desatrosa, absolutamente desdeixada.

                     O simbolismo, por si só, non garante unha novela literariamente consistente, xa non digamos rica…

ASDO.: Xosé M. Eyré

Adriana Versiani, exploradora da palabra e do amor

 ADRIANA VERSIANI, DESDE A NAVALLA AO ESPLENDOR DA POESÍA

A introducción bio-bibliográfica que adoito facer nestes artigos divulgativos elaborados desde o interior da Fisterra galega, vai ser pouco convencional. Por dúas razón. A primeira é que, na rede, hai máis textos seus ca información sobre ela. E a segunda, e non menos importante, que me apetece moito escribir sobre algúns aspectos que a min, como poeta e como crítico, me atraen particularmente.

Hei de comezar diciendo que o seu primeiro libro (Física dos Beatles, 2005, colección DAZIBAO) presenta una imaxe clara de como será a súa poesía poeterior. Por exemplo, aí atopamos prosas poéticas (que nós non recolleremos na antoloxía final, coma sempre) e tamén una vontade de probar diferentes estratexias discursivas que a caracterizará por exemplo na colaboración en Diário de A (2013)., onde se aposta pola lectura gráfica. Antes xa tiña publicado tamén  o Livro de papel (2009) que, polo que eu sei trátase dunha edición de autor. Nunca é doado que @s poetas achen lugar onde manifesarse pola primeira vez, e é moi frecuente a edición de autor, tanto no Brasil como aquí. E é necesario concretar dúas cousas máis: que a edición de autor, en principio, dá meirande liberdade á autora; e que se Adriana Versiani dos Anjos chegou á poesía foi da man do seu marido (Camilo Lara, precozmente falecido e tamén poeta), ela escribía poesía desde moito antes, desde adolescente, mais foi entón cando tomou conciencia do valor dos seus poemas.

                Publica tamén Conto dos Días (2007) ou Explicaáo do Fato ( revista literaria virtual Germina Literatura, 2008, ou ) e, polo que sei  o primeiro título nunha editora convencional é Arqueología da Calçada que xunto a Farmacopeuma (plaquelle de agasallo) publica no 2018 en  2Linhas Editora. A Lámina que matou meu pai (2012), Três pedras (2014) e Chove (2017) completan a súa obra. Tamén temos noticia de O barquino pelo mar, que sería o primeiro, e Dentro pasa antes de libro de papel, que non demos ubicado temporalmente

Dito isto é hora significar que é natural de Ouro Preto (Belo Horizonte). Alí naceu en 1963 e é xeografía (tamén urbana) que será decisiva na súa obra.

Xa mencionamos a súa participación na colección DAZIBAO, engadamos agora que a palabra chinesa DAZIBAO fai referencia a un xornal mural de grandes dimensións fixado na rúa. É una plataforma de expresión cidadá propia de Revolución Cultural Chinesa. E debe ficar moi clara a constante vontade de Adriana dos Anjos para traballar coa palabra coa súa dimensión semántica, espacial e tamén sonora (pois Adriana é tamén una excelente declamadora poética). Os seus poemas teñen una dimensión sonora que apela pola lectura en voz alta.

                Adriana, que formou parte do colectivo DAZIBAO de Divinópolis, tamén foi coorganizadora da colección Poesia Orbital e do xornal Inferno. Tamén integra o consello editorial da revista literaria Ato, e é editora do xornal Dezfaces.

Mais, a nós, desta beira do Atlántico, o que máis nos impresionou é a temática amorosa. Desde sempre o amor foi tema literario. Con todo, na poesía actual non son moit@s poetas que se paran nel. Poetas de altura, non poetas afeccionad@s ou ancorad@s na expresión poética adolescente. E é un amor como una navalla. Que pode ser sublime estado interior e tamén navalla que fire, que esgaza, cando algo impide o anterior estado sublime. Polo tanto tamén é poeta de ausencias. E non renuncia, nin moito menos, á parte máis carnal, erótica ou pornográfica mesmo, pois é parte do gozo amoroso. Esa foi a nosa primeira sorpresa cando a lemos. Do resto hai que dicir que como poeta é autora que ten un especial sentimento pola palabra, pola palabra coas súas virtualidades e tamén cos seus silencios, pola palabra en todas as súas dimensión. Mesmo foi acusada de “verborreia”, mais non por abusar do uso da palabra, senón pola recorrencia temática, por non esgotar un tema e entregar outra versión súa. Precisamente iso na nosa opinión ten que ver coa palabra e a súa potencialidade semántica incompleta, que loxicamente tamén constrúe textos incompletos, plenos de poesía, mais una poesía que admite e precisa recorrencias que, todas xuntas, dean una visión máis completa do tema. De aí que teñamos a impresión, cando a lemos, de estar diante dunha poeta que sempre explora as marxes textuais. As “transalucinacións” veñen sendo experiencias neste sentido, no referente á palabra e no referente ás marxes discursivas.

Dalgunha maneira, Adriana dá a impresión de ser unha poeta entre precipicios.

E agora é tempo de deixarvos xa coa poesía desta excelente poeta, non sen antes dicir que non é formada en letras senón en nutrición:

Então, tomou-me pela cintura e manteve-me suspensa, por alguns segundos, na linha dos seus
olhos azuis.
Nossas pálpebras tremeram em suave sintonia e seu olhar pousou sobre os meus lábios que
formigavam.


Pela linha da cintura, ignorando o degrau da escada, posou-me suavemente no chão.

Era mais forte que eu.

A princípio enxerguei apenas um cavalheiro ajudando-me a descer, mas havia uma tensão na
ponta daqueles dedos que me sustentavam pela linha da cintura.

Tensão que subia da linha da cintura até os lábios e têmporas e olhos e que nos fazia tremer.

Tentei desvencilhar-me, mas

Era mais forte que eu.

Sucumbimos ao azul, enquanto lacrimejávamos.

……………………………………………………….

Amo-te, homem transparente
Ama um homem transparente
Amava um homem transparente
Posso vê-lo através do espelho
Pode vê-lo através do espelho
Podia vê-lo através do espelho
Teus grandes olhos enxergam-me por dentro
Seus grandes olhos a enxergam por dentro
Seus grandes olhos a enxergavam por dentro
Afagas minha alma e circulas por artérias, veias e paredes úmidas
Afaga sua alma e circula por artérias, veias e paredes úmidas
Afagava sua alma e circulava por artérias, veias e paredes úmidas
Nas horas vagas, no ócio, enquanto te afogas, vigio-te
Nas horas vagas, no ócio, enquanto ele se afoga, ela o vigia
Nas horas vagas, no ócio, enquanto ele se afogava, ela o vigiava

Amo-te, homem incandescente
Ama um homem incandescente
Amava um homem incandescente
Que, à noite, com tuas mãos fortes, vens me visitar
Que à noite, com suas mãos fortes a vem visitar
Que à noite, com suas mãos fortes a vinha visitar
És para mim um segredo que não ouço
É para ela um segredo que não ouve
Foi para ela um segredo que não ouvia
Sou para ti segredo que não queres escutar
É para ele segredo que não quer escutar
Foi para ele segredo que não queria escutar
Vasculhas meus cantos escuros, mas não me vês
Vasculha seus cantos escuros, mas não consegue vê-la
Vasculhava seus cantos escuros, mas não conseguia vê-la
Amo-te, homem invisível
Ama um homem invisível
Amava um homem invisível
que me ensinaste   a escuridão de amar
que me ensinaste     a escuridão de amar
que me ensinaste                    a escuridão de amar

Odeio-te, homem transparente
Odeia um homem transparente
Odiava um homem transparente
Posso vê-lo através do espelho
Pode vê-lo através do espelho
Podia vê-lo através do espelho
Teus grandes olhos enxergam-me por dentro
Seus grandes olhos a enxergam por dentro
Seus grandes olhos a enxergavam por dentro
Afagas minha alma e circulas por artérias, veias e paredes úmidas
Afaga sua alma e circula por artérias, veias e paredes úmidas
Afagava sua alma e circulava por artérias, veias e paredes úmidas
Nas horas vagas, no ócio, enquanto te afogas, vigio-te
Nas horas vagas, no ócio, enquanto ele se afoga, ela o vigia
Nas horas vagas, no ócio, enquanto ele se afogava, ela o vigiava

Odeio-te, homem incandescente
Odeia um homem incandescente
Odiava um homem incandescente
Que, à noite, com tuas mãos fortes, vens me visitar
Que à noite, com suas mãos fortes a vem visitar
Que à noite, com suas mãos fortes a vinha visitar
És para mim um segredo que não ouço
É para ela um segredo que não ouve
Foi para ela um segredo que não ouvia
Sou para ti segredo que não queres escutar
É para ele segredo que não quer escutar
Foi para ele segredo que não queria escutar
Vasculhas meus cantos escuros, mas não me vês
Vasculha seus cantos escuros, mas não consegue vê-la
Vasculhava seus cantos escuros, mas não conseguia vê-la
Odeio-te, homem invisível
Odeia um homem invisível
Odiava um homem invisível
que me ensinaste   a escuridão de amar
que me ensinaste     a escuridão de amar
que me ensinaste                    a escuridão de amar

…………………………………….

Sua letra tocaia no beco escuro.
Caligrafia armada mistura todas as palavras.

No início, havia um jeito certo de fazer a emulsão delas e quando aspirava eram vôos leves, e
quando pousava havia chão. 

Então a sua letra, caligrafia armada, abriu o livro ancestral e descobriu a mistura mágica.

Buscou-me a escuridão do espaço e extirpou-me toda razão.

Como nas bruxas, primeiro tomou-me a pélvis para depois entorpecer o resto.
Você a roubou delas e sua letra ficou condenada ao eterno beco da palavra.

Escreva-me.

…………………………………………………………

Diário esquecido na estante,
tudo transtornado.

Não preciso de nada.

Penso você enquanto olhos.

Presença no silêncio sagrado.

Prevejo perigo no meio da rua.

Num reflexo de busca, como um bebê,
inclino-me e sugo.

……………………………………..

abe aquele pontinho?
Esse de pelos grisalhos encaracolados?
Ali, periférico, dentro da circunferência?

Primeiro foi caramujo e, com o tempo, pontinho.
Quase invisível canta baixinho, em meio ao turbilhão da circunferência.

Dói tudo quando se desloca, mas ninguém sabe o que é.

Sabe, era caramujo que virou pontinho e que hoje vive na periferia da circunferência.

Vê?

……………………………………

porque não uso nem nunca usei a retórica da pedra,
planta, água, porque não, nunca para esse assunto:

molhe-me,
leia-me.

porque não minto nem nunca menti quando se trata de pedra,
planta, água, porque não, nunca para esse assunto:

amo-te,
creia-me

……………………………………..

9.10

Pérolas     Vermelhas:


Minha língua na sua palavra


Si     gni      fi      can      do 

Compulsão

Mastigou duas ou três folhinhas logo que acordou e escreveu:

Escreveu as trincas das xícaras.

Escreveu as tábuas corridas estufadas pelo tempo (tanta chuva, tanto sol).

Escreveu as histórias que lhe contaram os bons fantasmas, para sempre

bebendo vinho na varanda.

Com eles anotou o movimento das constelações e desejou a dor profunda

que o reconduziria ao amor perdido no século retrasado.

Escreveu esse amor, a carne inexistente, a dureza dos seus ossos.

No quintal, escreveu o sabor doce do coração do cordeiro. Escreveu isso

com o pedaço de carvão que lhe entregaram os piratas ingleses.

Rolou em êxtase pelo jardim de maçãs, desprovido de vestes, sentindo o

hálito do vento, massageando-se nas sílabas.

Escreveu isso na alma de vidro com a ponta do diamante.

Fez um círculo de fogo na clareira daquele bosque.

Escreveu a fome que viu na cidade secreta e o beija-flor agonizando no

vaso do jardim.

Pobre beija-flor!

Acordou com um gosto de menta na boca e escreveu.

Tudo mentira.

Código

Perdoe-me por não saber amar em outra língua.
estes versos, que me atravessam como uma rua acidentada, não os explicito.

perdoe-me por não saber cantar em outra língua.
estes versos, que me iluminam como as pedras que flatam na rua
acidentada, não os traduzo.

perdoe-me por não saber beijar em outra língua.

estes versos que se soltam e me encharcam.

……………………………………

hoje sonhei ser segredo,
seu segredo,
algo distante de mim.
aquilo que mora no pulmão do maestro,
enquanto pausa, enquanto lembra, enquanto espera o som.
sonhei ser antes da pintura da nave,
antes da tinta ou das mãos,
antes da ideia.
sonhei ser segredo,
seu segredo.

………………………………………..

ASSALTO

Sopro, arranca essa medalha do meu peito.

Seixo, fruto da extração desse som oco.

Pedra, crava nessa história o meu conceito.

Dor, aumenta essa memória do que é pouco.

Solto.

……………………………………….

FAIXA DE GAZA

O terror vinha da linha do trem

Fui tomado por grande melancolia

Quando diante daquela Teresina

E de seu Serial Killer

Não sei se foi música baiana, ou poema na camisa

Não sei se Kombi, rua, ou cúpula de igreja

Não sei se perfume talvez, ou talvez aquela brisa

O terror caminha

…………………………………………………………….

……………………………………………………..

darkness

Conheço a noite, pesadelo povoado pela Besta, terra onde ela aplica seus métodos.

Nós, de suas unhas compridas e sujas, vigiamos.

Conheço o pesadelo, noite povoada pela Besta, terra onde ela aplica seus métodos.

Nós , de suas unhas compridas e sujas, vigiamos.

Universo povoado pelas sombras,

conheço a escuridão de suas unhas.

réquiem para guiomar

Guiomar,

No dia da sua morte, cortaram-lhe as tranças.

Júlia embrulhou-as no papel de seda.

Porque é tradição jogar dentes no telhado, amarrar com fitas pequenas mechas de cabelo, carregar corpos pelas ruas em procissão, acender velas, lançar flores nas covas, chorar, entoar cânticos, levar as crianças para que não se esqueçam.

O ritual da queimação, dos corações fragilizados, dos soluços.

Guiomar,

No dia da sua morte foi assim:

Júlia agarrou-se à caixa e chorou sobre as cinzas.

no mundo das pequenas coisas

as casas de Minas têm interior

não se dá por elas o que vai por dentro

saída dos fundos opção que se estende até os becos e pedras dos muros

um dia interrompida pelo diabo aceso que arrasto

larguei o chicote na mão do inimigo

cachaça procissão, luto

porque não fui visitá-lo no seu leito de morte amigo

agora agonizo

entrei no mundo das pequenas coisas

afeto não se explica nada foi vivido tudo anda escondido

alguns perguntam o que sabe a criatura do calabouço

sentenças gavetas onde estão quardados  os indícios véus missais botões bilhetes e suas

transcrições

acostumei-me ao ritmo é este o veredicto:

essa não presta queimem seus escritos

E A ALMA QUE LHE DEI?: — ESQUEÇA, INSISTO.

ando triste às vezes choro

sei fazer samba do Sinistro

vivo pelas pontes praças precipicios

…………………………………

índia

começo assim, como quem passa o dedo na seda:

cada dedo um fio, um bicho da seda

cada unha vermelha, um pedaço da Índia

continuo assim, como quem passa a língua na seda:

cada pedaço da língua, um gosto de seda

cada sabor doce, um cravo da Índia

termino assim, como quem passa a vulva na seda:

cada toque na vulva, uma mancha na seda

cada suspiro de gozo, a solidão da Índia.

…………………………

Amigo

Te quero como aquelas que desenham na pele com a ponta da faca sentadas nos bancos do antigo mercado e bebem e trepam atrás do balcão e tremem e têm convulsões e não sentem nada enquanto olham por cima dos seus ombros.

Te quero com a língua afiada dessas que nasceram no outro século e se despiram e ofereceram seus peitos vazios de leite, enterraram fetos em terrenos baldios, castraram filhos e não tiveram vergonha de se matar.

Te quero colado à minha coxa como estão as duas que atearam fogo ao antigo sobrado e arrancaram os dormentes da estrada de ferro e se beijaram deitadas nos trilhos e queimaram cartas e saias e eliminaram para sempre todas as possibilidades.

Amigo me afogue, me salve, cubra meu corpo com as pedras do fundo até que eu não respire, até que eu não pronuncie palavra, até que meus olhos não vejam, até que eu não te queira mais.

(Pode parecer prosa poética, mais é simplemente porque os versos son tan grandes que non caben na marxe dispoñíbel)

………………………………….

dolores

Risque

Meu nome do seu inferno

Desse universo moderno

Da sua fala vazia.

[de uma música de Ary Barroso]

…………………………………….

super-herói

Meu super-herói de brinquedo tinha capa,

asas e lutava contra moinhos de medo.

Uns anjos giravam no vento e diziam:

— Fica menino, fica! Ainda é cedo.

Meu super-herói de brinquedo

tinha uma luz que brilhava dentro.

Só os anjos sabiam seu segredo.

Para Matheus

………………………..

michêmeretriz

No sinal Ele pegou

Ela mordeu com força

Ele cuspiu, falou à beça

Ela bateu no vidro

Ele torceu o braço,

Ela quebrou a unha,

Ele abriu a porta, jogou pra fora,

Ela chorou

e

Ele caiu bêbado na Via Expressa.

No sinal Ela pegou

Ele bateu no vidro

Ela falou, cuspiu à beça

Ele torceu com força

Ela quebrou a cara

Ele abriu a porta, jogou pra fora

Ela rolou no beco

Ele mordeu

e

Ela caiu bêbada na Via Expressa

Ela:

Cinderela da calçada.

Ele:

Poeta da sarjeta.

ElaNeleEleNela.

Semolhosempernasemletra

No guardanapo do Malleta

……………………………

canteiro de rosas

Ele tem o controle.

No alpendre, Vera chora ao vê-lo cimentar o canteiro de rosas: é o cheiro da infância que enterra.

(Dizia-lhe que não havia lugar para guardar as coisas; desejava abrir um negócio no galpão; os meninos já criados, era justo que descansasse um pouco; ficar mais tempo em casa cuidando do viveiro, dela que envelhecia e sentia dores; comprar linhas para que bordasse com capricho os olhos das bonecas).

Ele tem  a pá.

Vera sente que, assim como a música de Mozart, a morte faz parte.

No alpendre, seus olhos são a memória das rosas.

……………………………………………

Janelas vedadas com cera de mil abelhas

para que o sol não desperte a memória da infância.

Muro alto,

floresta negra dos pesadelos.

Uma gata no cio me atormenta.

Atravesso a rua,

chove na minha aldeia.

castanha

X

Começo a caminhar com as mulheres que se alimentam de castanhas.

Suas casas, vidraças quebradas;

no fundo, o leito seco de um córrego

; gatos enterrados no jardim.

Chamam-nas Noivas do Cordeiro e têm a pele branca e nunca mais verão a neve ou as folhas girando com o vento.

Seus homens se foram e seus filhos estão mortos.

Caminho abraçada às irmãs e planto coisas e não colho flores e jamais olharei novamente para a lua.

IX

Dia Santo.

Escorpiões atormentados guardam a Palavra envolta em musselina.

As noivas, em entrega íntima, prosternam-se diante do que em si é sagrado.

Relevo árido.

Suas pegadas são para sempre, não há vento que as consuma.

VIII

Encontra-se agachada.

Abelhas zunem e sente dores nas terminações nervosas.

Sozinha.

Perdida.

Esse é o sinal para que uma legião de vermes invada a pata do cordeiro.

VII

Agora matam seis cachorros.

Matam para beber e para comer.

Matam porque sentem sede e fome.

Usam o couro para fazer sapatos.

Fazem sapatos porque caminham.

Por esses motivos, matam.

VI

Chove e não me lembro que estou molhada.

Toda mãe é capaz do ódio.

Quando criança, juntei gravetos, mutilei insetos.

A areia é meu abrigo e ninguém me acompanha.

Ele apontou para mim e disse:

— Mulher, estás grávida, respeites o silêncio das coisas.

V

São noivas e cobrem o corpo com o barro da margem.

São virgens, água é espelho, se unem ao rio.

IV

Dia lindo!

Não ouço mais o som que vem do céu.

…………………………………….

COMPULSÃO

Mastigou duas ou três folhinhas logo que acordou e escreveu:

Escreveu as trincas das xícaras.

Escreveu as tábuas corridas estufadas pelo tempo (tanta chuva, tanto sol).

Escreveu as ardínnt que lhe contaram os bons fantasmas, para sempre

bebendo ard na varanda.

Com eles anotou o ardínnto das constelações e desejou a dor profunda

que o reconduziria ao amor perdido no século retrasado.

Escreveu ar amor, a carne inexistente, a dureza dos seus ossos.

No quintal, escreveu o sabor doce do coração do cordeiro. Escreveu isso

com o pedaço de carvão que lhe entregaram os piratas ingleses.

Rolou em êxtase pelo ardín de maçãs, desprovido de vestes,

sentindo ohálito do vento,

massageando-se nas sílabas.

Escreveu isso na alma de vidro com a ponta do diamante.

Fez um círculo de fogo na clareira daquele bosque.

Escreveu a fome que ardín cidade secreta e o beija-flor agonizando no vaso do ardín.

Pobre beija-flor!

Acordou com um gosto de menta na boca e escreveu.

Tudo mentira.

……………………………

APRENDIZADO OU A VIAGEM AO CENTRO DA TERRA


[Transalucinação de trechos da prosa de Alejandra Pizarnik]

A. pegou o pote onde estava escrito:

“Beba-me e verás coisas cujo nome não sonha o silêncio”.

A linguagem é um vácuo onde nenhum objeto parece ter sido tocado por mãos humanas.

Falo com a voz atrás da voz e com os mágicos sons da língua encantada.

Embriaga-me a luz que transforma minhas palavras em um esplêndido castelo de papel.

Permito-me visões e figuras pressentidas segundo os temores e os desejos do momento.

Sobrevoa-me a morte. Busco a saída.

Volto a mim e vejo uma dor que não acaba.

Luz estranha a todos nós. Em mim, tudo se diz com sua sombra.

Azul é meu nome.

Sou capaz de morrer por uma palavra mal pronunciada.

Os sofrimentos me dispensam de dar explicações.

Já não significa para mim a língua que herdei dos estrangeiros.

Sei bem que minha ferida não deixará de coincidir com a de alguma “supliciada”, que um dia me lerá com fervor por eu ter deixado de dizer que não tinha nada a dizer.

Eu falo a partir de mim.

Para sempre em meu ombro direito dois êxtases poéticos.

………………………………

Na Germina: máis textos seus.

………………………………………………….

As transalucinacións

SEGREDA-ME

Transalucinação uma fala de Yousef Komunyakaa

“ Você falando em outra língua enquanto me sufoca a fumaça do incenso e o cachecol de tricot.

Os dois são brancos, mas você, Você é preto.”

Eu sinto o que você precisa

meus olhos miram os seus

você ouve meu coração e

penso que ninguém me entende

Imagino um jarro de vidro e as flores

na água preenchendo o jarro,

transvestindo o vidro, imagino

Lanço flores sobre todas as pessoas

Exceto sobre as que amo

Flores são armas desafiando o ar

Sei os nomes dos que virão

Danço entre seus pés e os dedos das mãos

Entre os lábios, eu danço

Muitas vezes sigo calado na névoa das grandes cidades

Muitas vezes sigo colado aos canos de descarga dos automóveis

nas grandes cidades

Eu quero morrer como os passarinhos

Eu quero dormir junto à minha mãe em seu ninho

No mundo há mil casas

Suponho que cães escavam as paredes e borboletas encarnam suas asas

No mar, a garota nada

No nada a garota má revela-me seus segredos.

NOITE DE SOMBRAS

Transalucinação a partir de um texto de Carl Jung e photo de Nicolas Huges

Conheço a noite, pesadelo povoado pela Besta, terra onde ela aplica seus métodos.

Nós , de suas unhas compridas e sujas, vigiamos.

Conheço o pesadelo, noite povoada pela Besta, terra onde ela aplica seus métodos.

Nós , de suas unhas compridas e sujas, vigiamos.

Universo povoado pelas sombras,

conheço a escuridão de suas unhas.

Transalucinação sobre poema de Josely Vianna Baptista

RIO

A água e a dimensão do tempo.

No princípio a explosão do verbo ilumina o céu

Arraias mutantes invadem o barco( anjos flutuam

na nave central);na hora da expiração chovem

rochas em brasa nos  pulmões do caos.

As papilas gustativas desconhecem os limites da língua.

Um universo irradia o outro.

Anatomia do horizonte, janelas abertas

CISMA

O menino sufoca enrolado ao cortinado

móbiles de nuvens assombram seus olhos no convés;

tenta alcançar os fios de prata que fazem gelar seus dedos.

escapa-lhe o ar,

bóia à deriva no mar deserto onde almas líquidas

resplandecem quando tocadas pelo sol.

No meio do rio, no rio nenhum, o limite do sonho – sufoca

Nuvem de água, mar deserto, o limite do rio por um fio

RÉSTIA

Velas içadas. Quem navega o vento, o remo, o mar?

 o sol beija o madeirame da proa durante o sono das partículas

de pó que dançam inconscientes nos restos de luz

o silêncio e o balanço das águas move

 os objetos sobre a cômoda

olhos abertos secam com o sopro de ar que invade a câmara.

O fio de ouro pende um anjo do teto

A memória do espelho vela o corpo sobre o berço.

VELUDO

Cruz de cobre no colo do útero,

placenta enterrada na areia do deserto.

Sangue vivo escorre entre as pernas

e encharca as tábuas do chão.

Cacto, flor de espinho, brônquios abertos,

oxigenação.

Sete anjos nus ,sobre cavalos, respiram pela boca

Não há gravidade no limbo.

Caderno de Desenho


Transalucinação de uma nota e de um desenho de Ana C.


Represento a revolução nestes traços incertos
que insistem em matar três figuras.
Asas se movem e um baseado queima
ao som de Corcovado.

AS COISAS

Transalucinação sobre texto de Mark Strand

Sinto medo,

me abstenho

do medo.

Essa é a história:

para sempre

eu sou

a falta.

Quando eu ando,

uma parte do ar

se dissipa.

Eu movo o que

no espaço existe

enquanto  é.

Nós somos

a razão do movimento.

Eu mudo as coisas.

As coisas mudam de lugar.

BONS AMIGOS

Transalucinação de uma letra de Amy Winehouse

Eu não posso mais esperar por você

amo quem me odeia e canto

quando preciso voar

Ainda somos bons amigos,certo?

Você pressente o risco

Eu me desmancho no ar

Agora você quer um aero plano

enquanto viajo na noite

Continuaremos bons amigos, certo?

Você é Stephanie e eu Paulette

Você conhece todas as minhas caras

E é fácil fumar um, esquecer

Nada acontece entre mim e você


Nick estava lúcido quando disse:

eu não posso mais, eu não quero mais saber.

Não sei o que você tem por dentro

Como você se sente quando eu transbordo

Mas você é meu melhor amigo, certo?

Eu não gosto do modo como você diz meu nome

Você está sempre olhando para outro lugar

agora eu quero que você surfe em mim

que nasça das minhas asas

Pois sou sua melhor amiga, certo?

Você é Stephanie e eu Paulette

Você conhece todas as minhas caras

E é fácil fumar um, esquecer

Tudo acontece entre mim e você


Então nos amamos até as 4 da manhã

e não existe mais ninguém com quem eu queira estar

Agora à tarde sou a seringa e você a droga

Porque somos grandes amigos, certo?

AS UNIÕES POSSÍVEIS

Transalucinação de trechos da  prosa de Alejandra Pizarnik

Tenho visões de palavras escritas que se movem, combatem, dançam, sangram. Habitam um alfabeto de misérias e crueldade.

Aquela que devo cantar se enche de silêncio, murmura, sopra na pele um lamento.

Sou essa pequena que sorri na janela.

A boneca de tranças que nada se assemelha a mim.

Sou nome que me trás lembranças.

Disseram-me das flores. Segui olhando as flores.

Meu amor, dentro dos tímpanos, dos olhos, do sexo,

ferve a feroz nostalgia dos anjos.

Dentro dos gemidos, dos gritos

há um querer do outro que não é o outro.

Desejo um olhar que demore o tempo

de uma mão escrevendo meu nome

 em uma folha de papel.

Entrego-me, levito enquanto você me segreda a estranha ordem das coisas.

Há meses agonizo nesta espera e quando inicio o gesto tremo.

Existe amor da mesma maneira que na noite existe o vento.

Em um claro jardim ali estou dona dos meus quatro anos.

Dona dos pássaros celestes e dos pássaros roxos.

A rainha louca é minha professora de canto.

Obscenidade em alguns instantes do dia compartilhado

e da noite que é só minha.

Algo tênue como uns dedos abrindo minha memória ardente.

O peso fatal do triste e delicado perfume da açucena.

DIFICULDADE BARROCA

Transalucinação de trechos da  prosa de Alejandra Pizarnik

A consciência do fogo apagou a da terra e minha visão do mundo se resume a um adeus duvidoso e a um promissor nunca.

Tudo vive no interior, portanto um poema é incapaz de aludir à sombra visível.

Língua visceral, contadora dos fantasmas e das aparências:

Escrever não é para mim. Só de  pronunciar a palavra álcool, me embriago.

Eu, tão estrangeira, tão sem pátria, sem língua natal!

Há palavras que em certos dias não posso pronunciar.

Ah, esses dias em que minha língua é barroca e formulo frases intermináveis para sugerir palavras que se negam a ser ditas.

A pouco, quis dizer a D. :

– Se é que você morre de desejos por mim, venha, venha agora.

Porque talvez consiga com a língua do corpo dar a ele algo parecido a palavra escrever.

Então, chorando em seus braços, acariciando-o como se o houvesse ofendido mortalmente saberei que na verdade não o compenso, que na verdade continuo devendo.

APRENDIZADO OU A VIAGEM AO CENTRO DA TERRA

Transalucinação de trechos da  prosa de Alejandra Pizarnik

  1. pegou o pote onde estava escrito:

“Beba-me e verás coisas cujo nome não sonha o silêncio”.

A linguagem é um vácuo onde nenhum objeto parece ter sido tocado por mãos humanas.

Falo com a voz atrás da voz e com os mágicos sons da língua encantada.

Embriaga-me a luz que transforma minhas palavras em um esplêndido castelo de papel.

Permito-me visões e figuras pressentidas segundo os temores e os desejos do momento.

Sobrevoa-me a morte. Busco a saída.

Volto a mim e vejo uma dor que não acaba.

Luz estranha a todos nós. Em mim, tudo se diz com sua sombra.

Azul é meu nome.

Sou capaz de morrer por uma palavra mal pronunciada.

Os sofrimentos me dispensam de dar explicações.

Já não significa para mim a língua que herdei dos estrangeiros.

Sei bem que minha ferida não deixará de coincidir com a de alguma “supliciada”, que um dia me lerá com fervor por eu ter deixado de dizer que não tinha nada a dizer.

Eu falo a partir de mim.

Para sempre em meu ombro direito dois êxtases poéticos.

EXERCÍCIOS SOBRE O TEMA DA INFÂNCIA E DA MORTE

Transalucinação de trechos da  prosa de Alejandra Pizarnik

Eu estou sentada na cozinha com um fósforo queimado entre os dedos.

De novo  o medo de dar vida a um adjetivo.

Hoje à noite dormirei com minha boneca, a de olhos azuis que é linda como o poema e sua sombra.

A pequena marionete da sorte que bate na minha janela ao sabor do vento.

No inverno ela bate no vidro com seus pezinhos azuis e dança. Dança de frio, dança de alegria, dança para acalentar seu coração, seu coração de madeira, seu coração da sorte.

Ao entardecer ela ergue seus braços suplicantes e inventa a lua.

Visto tranquilamente o hábito da loucura

Encontrei um lugar solitário, próprio para chorar.

…………………………………………..


SONATA, APLAUSO, SUSPIRO

I  – TREZE CANÇÕES DE AMOR E MORTE PARA ALEJANDRA PIZARNIK

A gaiola virou pássaro, enfaixei suas mãos e coloquei sobre elas pesadas pedras.

Amordacei-as, para que você não sinta dor.

Seus dedos tocam a chuva.

A jaula virou muro, quebraram-se as xícaras e tenho um  milhão de cacos nos olhos.

Ceguei-os, para que você não sinta dor.

Chove e meus dedos tocam os seus.

Que a morte seja doce e nos vista de seda.

*

Crisálida pendurada no lustre da sala.

A luz de mercúrio não explica.

Noite adentro, asas dançam aos poucos

e vejo soar um ruflar imóvel.

*

Seu nome chão,

pai e pó.

Mãe,

seu nome.

Você chama.

Arde em mim Alejandra.

Alejandra,

Você,

Seu nome.

*

Um anjo sangra na sacada e ela,

ferida,

mergulha para dentro do sono.

Panos para sempre no varal da infância.

*

A ave sobre o banco do jardim

onde nos tocávamos.

Havia febre.

Sua ausência é essa chuva que me acompanha.

*

Ajoelhei-me para desamarrar as botas e percebi gotas de sangue no cadarço.

Chamei por seu nome Alejandra,

enquanto procurava por vestígios nas frestas dos tacos.

                                                                      *

Vidro líquido na retina

Corpo coberto de espelhos

Fogo Fátuo,

Hálito que perfuma meus pés.

*

O corpo lançado ao mar foi feito em pedaços por peixes famintos.

Nunca atraiu as românticas ostras,

que permaneceram fechadas sobre suas pérolas.

*

Um animal invade a noite trágica.

Com cólera de fera e sangue nos olhos,

rompe a margem do espelho.

*

Acabou o banquete dos mortos.

Na areia do deserto escrevo seu nome.

Alejandra,

Água viva

Sol aceso no céu da boca.

*

Punhos cerrados.

Escorre entre os dedos uma alma delicada de mulher.

*

Tenho medo de não saber nomear o que não existe.

Ela não existe.

*

Vem lua,

Vem sol e eu

jamais estive aqui nessa fogueira imprecisa.

Alejandra,

meu amor ,

me diga:

II – DE MÃOS DADAS COM MINHA IRMÃ NA MATA DAS BORBOLETAS

Espelho de ônix, meu avesso,

Reflexo do jardim da morte

onde adormeço.

Aqui, diante dos seus ossos,

reconheço-me possuída pela palavra.

Diante dessa pedra, seus cílios,

vejo olhos que piscam nas sombras.

Espelho de ônix, jardim espesso,

Reflexo do avesso da morte

Onde amanheço.

Lanternas vermelhas

escorrem do pulso,

queimam nas veias.

Estão acesas como a brasa de um pulmão.

Espelho do jardim de ônix meu endereço,

Manhã do escuro da morte

Onde me esqueço.

Vesti o colar de pedra e tateei seu fêmur.

Querubins desposaram o poema.

III – MÊNSTRUO NO LENÇOL DE LINHO

Com uma lasca abro as veias do pulso e um rio escorre e a lasca é pedra, seixo,

cascalho do rio.

longe um som de guizos entorpece o leito vermelho e acompanha a trilha que é pedra, lasca, corrente do rio.

Com os olhos fechados vejo luzes douradas no céu escuro que agora azul,é pedra,seixo, lasca no  pulso aberto do rio.

IV  – UM PAS DE DEUX SOBRE A LÂMINA DE CRISTAL DO PORTA-JÓIAS

Nem deu para sentir

Foi como uma leve fisgada

Morrer é deixar de existir

…………………………………………….

Na Germina. Poemas erótico-pornográficos.

…………………………………..

JARDIM DE TANKA

Sou pensamento.

Toco céu lantejoula eu

tronco dourado

Pulso aberto pouso

na seda bailarina

.

***

.

O balão Guignard

incendeia tela azul

e de névoa a cobre

No céu de um Ouro Preto

Homens Fel Tempos Sombrios

.

***

.

Venta sol no ipê

tapete de flor roxa

aos pés do tronco

Coloro com pétalas

as pedras do canto chão

.

***

.

Um pelicano

na rota do cardume

cintila no breu

voa sombra de um peixe meu

o sal é a pluma do mar

.

***

.

Som de janeiro

Fome de gafanhotos

apaga  a horta

No canteiro de couve

semeio cem borboletas

.

***

.

Cabeça de névoa

Música de cantaria

na Vila Rica

Nessa bateia eu sou só

Sonata perdida em dó

.

***

.

Num só poema

qualquer palavra mira

outra sílaba

Na verve de quem pena

pesa a pena da verve

.

***

.

Com pés descalços

arrasta sua corrente

o vagamundo

Lanterna da Etiópia

busca a fruta que acende

.

***

.

Inconfidente

No silêncio da cela

Ouve o chamado

Esculpe céu no verso

O cálamo estrelado
.

***

Mineral paixão

Procura a joia do rio

Seus olhos brilham

Sente sede e fome

Fere-lhe fluido cascalho

.
.

***

Palavra saga

Velocidade da luz

Som que afaga

Plenilúnio perfeito

Noites que ainda restam

***

.

Dia de São João

Vejo negro pássaro

Alma penada

Cidade assombrada

Seque minhas lágrimas

***

.

Antúrio fúcsia

em terra adubada

volve o passado

No pomar da minha aldeia

sou sumo folha viva

………………………………..

A MENOR PARTE


Que letra foi gravada em minha alma?
Qual palavra me formou?
Ando, caminho por corredores iluminados
pelos laranjas e amarelos das fotografias.
Trago as unhas escuras como as de quem procurou
por objetos na casa incendiada.

Venta sobre o mármore:

Esqueceram-me.

………………………………………

1

Apenas um reptil,

me compadeço da morte das nascentes.

Mesmo sendo frio meu sangue e eu apenas isso,

um reptil,

diante da grandeza extinta do rio,

me compadeço.

Estou sobre a terra e bebo pouco.

O sol racha a lama em losangos imperfeitos.

A vida arde no couro grosso que protege meu corpo.

Sou um reptil

E por isso não choro,

me compadeço.

2

No escuro, guardo os ovos para o próximo período.

Não sinto raiva, ansiedade ou medo.

Apenas um reptil,

fito os olhos do animal secando na areia do deserto.

Neste universo apinhado de estrelas, eu,

apenas um reptil,

me compadeço.

3

Diante da singularidade da natureza,

sou também natureza,

incapaz de pensar a minha natureza.

Trago na boca uma língua pegajosa que guarda o mistério

do último inseto.

O espaço está repleto de fantasmas

e o universo se alimenta de corpos que apodrecem.

Eu,

apenas um reptil,

não lamento o universo,

me compadeço.

………………………………….

Sinto falta de você que não existe.

Dedico esses versos a você que não existe.

Invento uma história para você que não existe.

Bebo, como, danço, sofro por você que não existe.

Mordo a boca, molho os lábios, tremo, enquanto

sonho

com você que não existe.

………………………………

ENGANOS

dias e dias e

dias, constantes,

teimosos, sem

valores, que nada

comportam…

que não se comportam!!!

…………………………………..

Non perdan esta páxina de DEZFACES, están ela e outr@s poestas moi interesantes

Aquí poden escoitala declamando.

crítica de DISTANCIAS, de Tamará Andrés & Marcos Viso, en Galaxia

O HÍBRIDO LABIRINTO DA BELEZA

Título: Distancias

Autora e autor: Tamara Andrés e Marcos Viso

Editorial: Galaxia

Hai libros que non se parecen a ningún outro, o que supón unha riqueza e singularidade que os identifican como obxecto (ou “artefacto” segundo a presentación editorial) desexábeis; e eu diría que imprescindíbeis para quen ama o libro e a lectura por riba de todas as cousas. Ben, iso había que dicilo, porque así é, mais hai que aclaralo, pois trátase dun libro ilustrado e de libros ilustrados estamos fartos de oír/ler. O que pasa é que este non é un libro ilustrado típico. Como se desprende do título destas liñas, é un libro híbrido. É un libro onde a ilustración e a poesía (ou ao revés, se queren) camiñan de mans dadas, inter-relacionándose entre si, preñándose entre si de xeito que a mensaxe xa non é só unha mensaxe ilustrada senón unha mensaxe que nace da interconexión da arte poética e a iconografía visual. Un libro atípico, pois. O cal que vén subliñado polo feito de non estar indicado para ningunha idade concreta, de xeito que calquera pode gozar desta rara beleza, desta rara beleza e a introspección desde a cal reflexionar e aprender. E non o dicimos por dicir ou porque sexa unha finalidade editorial coma outra calquera. Non. Porque o certo é que calquera, teña a idade que teña, está en disposición de ler con aproveitamento estas Distacias, que desde o seu mesmo título convida a pensar xusto na proximidade que pode haber entre dúas formas de expresión diferentes. A que emprega  a palabra como vehículo e a que emprega a cor a forma como estratexia de expresión. Poucas veces tan ben interconectadas, porque unha fai parte da outra. A poesía fai parte da iconografía, e esta axuda a dimensionar a poesía. Evidentemente, para confeccionar tal “rara avis” cómpre unha destreza maíuscula nas dúas artes, na visual e na poética, digamos isto por adiantado.

                     E tampouco, tampouco o libro está paxinado, como indicando que a lectura/visión non ten unha orde prefixada, que se pode gozar dese calquera orde aleatoria aínda que, a meu xuízo, si existe subxacente unha historia única: a da procura interna, da inrospección interna, da necesidade de explicarse. Alén diso, o libro xa se presenta en plano horizontal e non vertical, indicando a súa vontade de rachar convencionalismos. E, despois, a lectura tamén vai obrigar a unha mudanza contínua, da horizontalidade á verticalidade. Nisto cómpre engadir que a parte gráfica tende máis á horizontalidade; tende, porque en ocasións esa orientación troca pola vertical. E, no que respecta á parte verbal, a orientación é moito máis variada, moito máis libre, obrigando a unha contínua manipulación mesmo fóra dos parámetros horizontal e vertical. Outro acerto, porque os libros son tamén para iso, para manipulalos.

                     Non son versado no coñecemento das artes gráficas, non vou máis alá do simple afeccionado ou gozador das artes gráficas, por iso non me vou estender no comentario da parte iconográfica, abondando con dicir que esta se manifesta desde a dualidade branco-negro con algunhas (e non poucas) achegas do rompedor vermello. En trazos grosos, representados obxectos do cotián, ben se pode dicir.

                     E si quero determe na poesía de Tamara Andrés. Porque é xusto recoñecer que non resulta nada sinxelo, absolutamente nada sinxelo, construír poesía con tan poucas palabras. Xa quedou claro que non se trata de ilustracións acompañadas de texto. E debe ficar ben claro que ese textos (textos mínimos, armados desde a mínima presencia verbal) son poesía, poesía da boa. Poesía da moi boa, digo máis; porque cómpre un xenio poético realmente salientábel para trasladárnosla en tan pouco espazo verbal.

                     No libro, é doadamente perceptíbel que existe un punto de partida, de partida ou de saída nesta atípica viaxe que aglutina expresión gráfica e verbal na construción dunha mensaxe connotativa, rica e poderosa. Tamén é notorio o recurso á memoria, e, dentro desta, concretando, a memoria da infancia, da escola, das amizades, das “excursións” (ex-cursións), de onde rescato a xeito de exemplo: “a area non se dixire / incrústase nas entrañas”.. Dede aí chégase á conclusión de que que hai que illar a tristeza, deixarse levar, fuxir, prepararse (“preparar o padal”) para perderse no interior de nós mesm@s, enfrontarse a preguntas (por exemplo: que queda da nenez en nós?) deica recoñecerse “vella e cansa” (de onde rescato: “ de que xeito mide cadaquén as distancias?”) nun labirinto onde un camiño leva a outro. Velaí a noción de labirinto a que alude o título destas liñas. Noción fundamental onde a única seguranza é a de que hai que “virar o rumbo”. E desde ese “virar o rumbo” enténdese que continuar a camiñar no autocoñecemento.

                     Esta foi/é a miña lectura.

                     Esta é a miña conclusión: non é nada frecuente este nivel de hibridación entre o aspecto gráfico e o verbal, pois un forma parte do outro. O libro convida á reflexión, á contemplación serena, á introspección labiríntica mais iluminadora. Prohibido lelo con présas, absolutamente. E quero salientar, mais outra vez, a inmensa calidade duns textos poéticos armados desde a distancia verbal mínima.

ASDO.: Xosé M. Eyré

CARA A ONDE VAI A LITERATURA GALEGA?

Recoñezo que, a estas alturas, semella un chisco cedo  para atinar con certa precisión co decorrer da literatura galega despois do tempo de confinamento. Seremos quen de recuperar a normalidade anterior? Todo o mundo fala da “nova normalidade” e ben nos meteron na cabeza que “nada vai ser igual ca antes”. Porén hai algúns indicios que non debemos deixar pasar por alto e que nos poden dar una idea do devalar que levamos e de certas cousas que deberíamos corrixir (sob perigo de diglosia editorial ou mesmo de desaparición, lenta pero irrefreábel?)

Comecemos polo principo. Que nos saiamos, que primeiro se manifestou a cerca da deriva da literatura galega é Diego Ameixeiras.

Do seu artigo hai algo que me prace especialmente e no que moi pouca xente repara: recuperar un tempo de impacto máis dilatado dos textos literarios. Sempre botei de menos ese tempo, antes normal: como crítico e como lector permite una análise máis sosegada, menos precipitada e urxente. Porén, a que prezo recuperar ese meirande tempo de impacto? Non se me ocorre outra forma que a de ralentizar, e moito, o ritmo editorial galego; editar moito menos. El mesmo o recoñece. E iso xa non me prace nada, sería como afogarnos, habendo tanta autoría que desexa ser édita.

Conclúe Ameixeiras: “quizais haxa que armarse cunha vara de radioestesista para detectar eses libros subterráneos, sen lei nin principios, que nunca deberían camiñar sós.” E non concordo absolutamente en nada. Literatura sen lei nin principios? Iso non ten porque ser necesariamente literatura, e, por suposto, tampoco ten porque ser literatura da boa (técnicamente salientábel). Quéirase ou non a literatura si ten lei e principios, tanto a tradicional coma a máis anovadora e rupturista ( as hiperbrevidades) que teima en atopar novos camiños; poi si, tamén la ten as súas leis e principio, descritas en galego desde o Nin che conto e que revisarei non tardando.

E agora volvamos “á realidade”. Esa realidade amósanos a fotografía dunhas autorías (cada vez máis) que suspiran pola tradución ao castelán e mesmo autotraducóndose. Non son inimigo das traducións, mais tal e como se está a facer hai que sospeitar. Porque existe o perigo de escribir en galego pensando na tradución ao castelán, velaí a diglosia autorial, moito peor que a que indica o non sermos capaces de empregar una onomástica galega plena. En fin, disto, da concepción bilingüe do texto xa escribín e non vou repetirme; só dicir que hoxe, agora, máis que “concepción bilingüe” do texto preciso que se debe falar de diglosia textual, pois denota una escrita de saída en galego, si, pero condicionada e subalterna á castelá. Por suposto tampouco imos repetir a peculiar forma de escribir de Domingo Villar, á vez en castelán e galego dentro do mesmo texto.

Cada vez son máis as autorías que optan por este procedemento. Sendo aínda por riba que despois empregan as “críticas” (moitas, moitas veces só opinión particular que de “crítica ten pouco”) en castelán para “engrandecer” a súa obra como escritoras ou escritores que se supón parten da lingua galega. Por non falar de se na tradución se indica ou non o idioma orixinal da creación. En definitiva estas autorías só están a ser negocio para editorias que ven iso, “negocio” na publicación de autorías periféricas, atrévome a pensar, por riba dos valores literarios da obra en cuestión. En definitiva estas autorías bi-partitas a quen lle fan máis ben: á literatura galega ou á castelá?

Porque, se antes, hai décadas, polo menos até os comezos deste século, rara era a autoría que, de facerlle a pregunta, non respondería que escriben en galego para contribuir a diversificación e normalización dunha literatura que, coa chegada democracia, só pasou de ser “proscrita” a ser “tolerada” pero que  nunca achou a “normalidade” (entre otras cousas porque sempre careceu de apoios “oficiais”) na súa loita por sobrevivir nun mercado dominado pola literatura castelá (véxanse os espazos que nas librarías ocupan a literatura castelá e a galega, aí hai outra diglosia). Esa resposta vai acompañada das necesidades expresivas de cada autoría, e da urxencia de “comunicar” ou “conectar” co lectorado galego. Ben claro, lectorado galego. Porén hoxe son cada vez máis as autorías que se fan eco da necesidade de “que @s lean”. Pois para iso o mellor igual era o esperanto…

Nisto das traducións ao castelán tamén hai que contar con aqueles títulos que se publican en galego non polos seus valores literarios senón porque tamén van ser publicados en castelán. Esta práctica deu á luz algúns títulos en galego con escasísimo valor literario.

En xeral, vimos falando de narrativa. Mais tamén acontece na poesía, onde as novas autorías rara vez ven a luz se non é da man dun premio. Tamén falando en xeral, pódese albiscar un circuito poético onde teñen cabida unhas autorías de moito valor literario mais incapaces de incorporar novas voces ao ritmo que estas se manifestan. Aquí tamén hai “intereses” editoriais, tamén. E ao seu carón, un número considerábel de autorías (de moi variábel valor literario) que apostan por unha existencia literaria, a maioría das veces en autoedicións (en editoriais foráneas) mais que chegaron mesmo a irmandarse con autorías portuguesas. A súa é una poesía menos culta, de moi variábel valor literario (ás veces non pasan de simples afeccionados á versificación), si, mais con moita máis capacidade de chegar á xente, ao público en xeral, ao lectorado en xeral.

Nisto, cabe lembrar @s Poetas Ambulantes brasileir@s, que reparten poesía impresa ou simplemente a declaman (nunha tentiva encomiábel de divulgar a poesía, facerse notar e chegar á xente) no transporte público. Visto o visto cabe preguntarse cantas autorías, de entre as máis recoñecidas, serían quen de “facerse entender” polo público no transporte público galego? Cabe o perigo de que a poesía galega máis culta ou de máis valor literario sexa cada vez máis unha poesía para ler, e, tamén “cada vez máis” abandone a dimensión oral do texto (nisto, @s poetas afecionad@s ou menso cultos levan as de gañar, porque a súa poesía será simple mais chega noito mellor á xente).

Ben sei que isto son só indicios, porén son indicios que se van impoñendo co paso do tempo.

E agora vai a pregunta: é esta a literatura que queremos recuperar?

Pénseno.

E non deixen de ter en conta que o futuro da literatura galega está íntimamente ligado ao futuro da lingua. Cando xa non haxa lingua pode que si siga habiendo literatura, por un tempo, moi diminuída, só a efectos escolares. E o futuro da literatura e da lingua tamén está íntimamente ligado ao mundo do nacionalismo. Non me gusta nada escribir isto, mais é a verdade. Só o nacionalismo (máis ou menos independentista, sempre cos seus matices) está preocupado polo futuro da lingua galega e da literatura galega (Ben, o PP tamén, pero para afogalas, para rematar con elas). Non deixa de ser unha anomalía, porque nin autorías nin lectorado teñen porque pertencer a un determinado sector ou ideoloxía política. Non é normal, non, mais é o que hai (e o que houbo, porque a historia da literatura galega, desde o XIX, e non só desde o Rexurdiento, está directamente ligada aos sectores máis progresistas, galeguistas e nacionalistas, que foron os que turraron por ela). Pensar outra cousa é facer castelos en Hespaña, que dirían os franceses.

Do mesmo xeito que sempre fun partidario da literatura militante, da literatura comprometida cunha terra e cun tempo…agora paréceme que necesitamos con urxencia un lectorado militante ( e, loxicamente, para el hai que escribir se queremos que lea). Porque, non o esquezamos, seguimos a ser una literatura TOLERADA, non normalizada e da cal a Administración (que debería apoiala, fortalecela e axudar na súa divulgación…que é outra industria máis, carafio, e dela depende moita xente) que debería amparala…precisamente o que desexa é a súa desaparición!

E, finalmente, pensemos que una literatura é moito máis có conxunto binario de autorías e casas editoriais. Resulta imprescindíbel a crítica, resulta imprescindíbel o lectorado e resultan imprescindíbeis a libraría e a biblioteca. Algo que boto a faltar no FLIV 2020, que dito sexa de paso, agardemos que chegue para quedar.

Cómpren sinerxias. Traballar no mesmo bando e non dar balas ao inimigo. Que haxa unha conxunción entre as diversas instancias da literatura galega, sobre todo entre autorías e lectorado. Que as autorías saiban para quen escriben e por que, que saiban conectar co lectorado, un lectorado que sexa quen de verse reflectido no que le porque o que le é algo máis ca un pasatempo.

É o que penso. E insisto, debería ser á marxe de ideoloxías políticas, mais só hai unha da que podemos agardar algo positivo, infotunadamente.

É o que penso e aquilo polo que deberíamos loitar se queremos mil primaveras máis para a literatura galega.

(Eu, querer, quixen albiscar algún tipo de vieiro de futuro para a nosa literatura. Porén, primeiro, hai que saber de onde se parte e isto rematou sendo unha parcial foto de inicio)

crítica de EN EFECTO BOLBORETA, de Ana Pillado Vega

EUTOPÍA. EUTOPÍA….

Título: En efecto bolboreta

Autora: Ana Pillado Vega

Editorial: Fervenza

Sexamos claros desde o inicio. Esta non é unha novela ao uso ou á moda dos tempos que vivimos. É novela, si, non teñan dúbida, mais desas novelas que constrúen o seu propio mundo e referencialidade. Quremos dicir con isto que quen a lea non vai atopar nin unha temática típica da república novelesca actual, nin tampouco formalmente se asemella a como vimos vendo que se manifesta a novela (por moi vangardista que esta sexa). Pódese dicir, logo, que estamos diante dunha novela moi orixinal tanto no fondo como na forma? Pois pode, e conste que o dicimos a sabendas do complicado que hoxe en día resulta atopar algo que verdadeiramente resulte “orixinal”. É necesario comentar isto para que ninguén se chame a equívoco porque aquí atopamos un pacto lector ben diferente do habitual nas novelas do momento. E faise necesario lela sen présas, nun “tempus” propio onde a vertixinosidade tramática (tan habitual) debe deixar lugar a unha lectura serena e moi reflexiva.

                     De primeiras digamos que se trata dunha eutopía. Unha eutopía, rara avis, hoxe, onte e trasantonte. A autora é moi consciente diso, polo cal, desde a primeira liña propón un uso da linguaxe, un estilo narrativo, que ben se pode enenteder como barroco. Unha ampulosidade narrativa que, tamén se desprende da propia narración, está en contraposición á racionalidade renacentista. Porén, admitindo que se lle poida chamar barroco, ou precisamente por iso, na nosa opinión a  autora, Ana Pillado Vega ( que tamén é autora das ilustracións que salfiren o texto), propón unha volta á narración que se recrea, que se autoreferencia, no amor polas palabras. Antes de nada, iso. O explícito amor pola palabra, que noutros discursos non pasa de obxecto instrumental.

                     E é unha eutopía. Nun tempo proclive ás distopías, ese non-lugar que resulta un lugar, unha sociedade alternativa despois dalgún tipo de caos (normalmente resultante de tantos anos de capitalismo salvaxe), Ana Pillado non é que volva á utopía (ese lugar ou sociedade desexábeis, ideal) senón que vai máis alá e proponnos unha eutopía, é dicir, unha utopía desde o seu lado máis desexábel, desde o seu mellor lado. Si, xa sabemos que non resulta doado discernir entre eutopía, utopía e distopía, porque sempre hai algo dunha nas outras. Mais a esta lectura tan singular acáelle ben cualificala de eutopía.

                     Aquí non se presenta unha sociedade despois do caos, dun caos concreto que obriga a reformular o xeito de vida. Si hai unha resposta ao caos, mais ese caos concreto son todos eses anos de capitalismo-consumismo salvaxe que trouxeron o planeta a unha situación na cal o respecto pola natureza se perdeu (e así estamos como estamos). De xeito que o que propón é unha revolta da “bichería”; cansa de tanto desastre ecolóxico, a bichería resolve que é necesaria unha revolución que remate con tanto descoido e agresión ao medio ambiente (no cal tamén vive a bichería, polo que os atinxe directisimamente). Esta revolta da bichería (precisamente dos animais máis pequenos, como insectos, que por iso, por pequenos adoitamos ter moi pouco en conta) non conta precisamente con moitos antecedentes literarios, que nós lembremos. É certo que, nun principio, pódese pensar en Animal Farm de Goerge Orwell; ou tamén, xa no cinema, n´A rebelión dos simios (Conquest of the Planet of the Apes, 1972, J. Lee Thompson, 4º filme da saga concretamente, calquera dos outros títulos pode valer tamén), mais non deixan de ser iso: parecidos.

                     Tamén é unha novela moi colorida, o cromatismo resulta absolutamente fundamental, xa non só no desenvolvemento da trama senón tamén nun remate que apela directamente a el como síntoma dunha nova “era”. E ao seu carón non debe esquecerse o constante recurso ás artes, a única herdanza en positivo que se pode agardar da civilización que propiciou o desastre. Deste xeito aparecen abondo referencias á música (clásica, tradicional e mesmo rap ou hip-hop), á danza, o circo, e tamén, tamén á pintura (Urbano Lugrís, e non só el)…e, por suposto, á beleza creada con palabras, a literatura. Son moitas as referencias literarias, referencias que moitas veces se fan usando versos (ou parte deles, ou fraseoloxía integrada na narración, nunha integración nada forzada, que sabemos pertencente a determinados autores, vaian como exemplo Rosalía de Castro, Curros Enríquez ou Celso Emilio Ferreiro) e mesmo ás veces se citan eses autores, poucas veces (que lembremos, faise só con Cunqueiro e Kafa, para alén de Manuel María que ademais de aparecer no discurso é un poema seu o que primeiro se le antes de comezar a novela, e Luísa Villalta, que tamén encabeza un capítulo). Neste apartado das referencias literarias hai que ter en conta ese certo ar de cantar de xesta que desprende o discurso; e tamén, tamén por aí aparece a literatura medieval galega. E á súa vez cómpre dicir que a autora bota man e integra outros formatos literarios como o diario ou o teatro, como tamén hai referencias á comedia dell´arte, as lendas tradicionais ( moi ben integradas no discurso), ou o pasado celta…

                     A esta reivindicación ecoloxista non lle faltan tampouco doses de ironía nin, ben se pode colixir despois do lido, a crenza de que será a beleza quen salve o mundo do estado corrupto (ben denunciado na novela) en que nos atopamos, ao que nos trouxo o capitalismo salvaxe tan abeirado aos reximes políticos totalitarios, tamén denunciados.

                     Á súa vez non se pode esquecer que a novela de Ana Pillado tamén ten unha lectura en clave feminista que, de seguro, ha ser moi suxestiva.

                     E, xa para rematar nun discurso formalmente tan coidado, preñado de poesía (sen que por iso haxa que falar de prosa poética) e que tamén integra poesía ( e boa poesía), que nos devolve o pracer da lectura mediante un texto moi traballado…o pracer da lectura pola lectura, sen máis, pero tamén co atractivo da reivindicación ecoloxista…O único que non nos gustou foron certos calcos semánticos ( ir ao gran, tomarse un tempo…por exemplo) igual ca algúns castelanismos evitábeis (Héctor, por exemplo, ou Trikiñuelas).

                     Do resto, gocen dunha novela orixinal e reivindicativa, comprometida socialmente e comprometida literariamente cun estilo narrativo moi coidado e absolutamente infrecuente nos nosos días, que propón a escrita como lugar de reflexión mais tamén, e isto é moi importante, como un exercicio lúdico do cal disfrutar e do cal aprender.

ASDO.: Xosé M. Eyré

Mel Duarte: o futuro da poesía pasa polo SLAM, pola proximidade ao público.

Mel (Amaro) Duarte, naceu no ano 1988 en São Paulo, non chega pois nin aos trinta anos e podémola adscribir ao círculo poético paulista. Parece ser que comezou a escribir moi nova (8 anos) e sentiu de cerca a arte (seus pais, de cultura musical, levábana a museos e eventos culturais), mais fundamentalmente a arte urbana do extra-radio, da periféria urbana. Pode parecer una anécdota, con todo é máis que iso; referímonos a cando os pais a obsequian cun libro de Fernando Pessoa. Primeiro ela atopa una linguaxe en parte diferente da súa. E, despois, Mel comeza a confeccionar listaxes de palabras que rimaban (por exemplo, palabras que riman en -ar). É isto importante porque, na niña opinión, resulta como una escola ou preparación para a versión slammer da poesía na que ela se vai significar. Iso, e a participación nos Poetas Ambulantes. Poetas Ambulantes dedicábanse a achegar poesía, escrita ou oral, a utentes dos medios de comunicación públicos. En Poetas Ambulantes ela aprendeu a enfrontar o público, como interactuar ( de ser posíbel) e como chamar a súa atención.

Mel Duarte, sendo tan nova ( e sendo negra, valor engadido pola dificultade endadida) é considerada xa un dos nomes principais na renovación poética brasileira. E iso porque Mel sempre procurou atopar formas de achegar a poesía á xente. Non renuncia á poesía escrita, poesía no papel. Mais ela sabe que @s negr@s sempre tiveron un acceso á culura e á poesía máis difícil que os brancos. Entón, ela decide, porque ela sabe, que é moito máis doado chegar a ese público desde a oralidade, e será desa forma que oriente o seu labor poético. Alén de que no Brasil non hai moito hábito lector, menos entre as mulleres, a aínda menos entre as mulleres negras..

Slammer. As competición de SLAM acontecen reunindo una serie de poetas que teñen tres minutos para declamar até tres poemas da súa autoría. Teñen certo parecido coas nosas regueifas, mais só iso, parecido. No Brasil hai competicións de slammer desde 2008, importadas dos USA ou mesmo da Franza. E é importante sinalar n@s slammer a influencia da cultura rap (precisamente será una rapeira quen prologue o seu primeiro libro), hip-hop, é decir da cultura urbana marxinal.

Como poeta negra, ela recoñécese herdeira da tradición (rebelde, anti-racista, feminista) que lle chegou desde  a poesía de, por exemplo, Conceção Evaristo, de Elisa Lucinda (as dúas xa estiveron en artigos da Frradura II), Esmeralda Ribeiro, Elizandra Souza, Maya Angelou, Carolina María de Jesús (esta tamén) ou Stela Patrocínio. Na niña opinión isto é moi importante porque fala da tradición dunha poesía de muller negra fondamente preocupada polos problemas raciais e particularmente dos probelmas da muller ( aínda por riba negra). E iso, nun país como o Brasil, onde o racismo e o machismo resultan evidentes, ten un valor incalculábel.

Precisamente por privilexiar a poesía oral, non nos foi moi fácil atopar poemas escritos seus, en versión íntegra, porque fragmentos si aparecen con máis frecuencia. Con todo, vostedes poderán ler una selección dos mellores que atopei e, finalmente, tamén dexarei ligazón onde poidan comprobar a dimensión oral da súa poesía. Recoméndolles vehementemente que a escoiten.

Mais, antes, non pode faltar referencia á súa obra e eventos principais en que participou. En 2016, é convidada estrela na PLIP (Feira Literária Internacional de Paraty). E é a primeira muller negra a vencer no Rio Poetry Slam. Tamén representou a literatura brasileira en enventos en Angola E é una das organizadoras da versión paulista do Slam das Minas. En canto á súa obra cabe salientar os Fragmentos dispersos (2013), mais, sobre todo, Negra nua crúa (2016, traducido ao castelán en 2018), convertido en audiolibro en 2017. No 2019 xa optará polo formato discográfico para o seu Mormaço, neste mesmo ano participa na antoloxía Querem nos calar.

Hai dúas cousas que indican que Mel Duarte non é flor de un día. Primeira, ela ten hábito de recoñecer poesía en calquera entorno que a rodea, en todas partes; quen é capaz disto nunca deixará de ser poeta. E, ademais, que ten vontade de chegar ao público coa súa mensaxe, porque cre nesa mensaxe e procura a mellor maneira de acceder á xente, que resulta a oralidade: é moito máis fácil que moita xente te escoite á vez..que que moita xente te lea á vez

            Antes de deixalos xa coa poesía de Mel Duarte, poden vostedes consultar nesta ligazón unha análise breve de Lorena Barbosa da Negra nua crua.

Velaquí, pois, a súa poesía en versión escrita. Despois non perdan a versión oral na que ela se move tan ben, virá a continuación.

Meu nome é doce mas não se iluda

Em tempos de guerra é preciso convocar seu Buda

Astuta sigo na labuta

Ta bom! Você quer espaço?  Eu chego pro lado, não precisa de disputa

Sigo a minha intuição, vozes por vezes sussurram em meus ouvidos

Pois na rua qualquer movimento suspeito é identificado como perigo

Quando vejo homens abusando do livre arbítrio,

Enquanto irmãs fraquejam sem um ombro amigo.

Nessa selva de pedra, meu teto é de cinco

Sou atleta, exército minhas palavras para acertarem seu íntimo

Um tanto quanto inquieta quando a vida impõe seus labirintos

Preta.

Poeta.

 De raro instinto

Não quero festa cara, nem roupa de gala

O que eles gastam em um dia é o mês que minha mãe trabalha

Não sou ambiciosa meu sonho não é riqueza

Eu quero invadir escolas com histórias negras!

Pois durante anos fomos silenciadas, amarradas

Abusaram das nossas, as convenceram de que não eram nada

Só que a minha geração não fica mais calada,

Hoje minha boca é meu escudo e minha espada.

A sociedade não espera pelo revide

Enquanto eles pedem por intervenção militar

É hora do levante e não haverá reprise!

Pois feminicídio agora é palavra nova

Que uma classe reacionária nem sabe usar,

mas mesmo assim, estampam cartazes e na avenida paulista saem com ela para desfilar

Esse tipo de coisa me causa ânsia de vômito,

Pois mais de 400 mulheres morrem ao mês, sendo 60% delas negras

Só que esses dados sempre são omitidos.

O machismo mata todos os dias!

Mas foi-se a época em que nos escondíamos

 Pois hoje já posso avistar,

no horizonte um batalhão de mulheres em punga

Prontas para atacar

Agora já é tarde, estamos espalhadas

Temos um legado a retomar

Por hora, 40% de mulheres,

Empoderadas

Mas venho pra dizer que essa estatística vai mudar

E quando menos esperarem,

Racistas, machistas

Vocês terão que se curvar

………………………………………….

Verdade seja dita
Você que não mova sua pica para impor respeito a mim.
Seu discurso machista, machuca
E a cada palavra falha
Corta minhas iguais como navalha
NINGUÉM MERECE SER ESTUPRADA!
Violada, violentada
Seja pelo uso da farda
Ou por trás de uma muralha
Minha vagina não é lixão
Pra dispensar as tuas tralhas

Canalha!

Tanta gente alienada
Que reproduz seu discurso vazio
E não adianta dizer que é só no Brasil
Em todos os lugares do mundo,
Mulheres sofrem com seres sujos
Que utilizam da força quando não só, até em grupos!
Praticando sessões de estupros que ficam sem justiça.

Carniça!

Os teus restos nem pros urubus jogaria
Por que animal é bixo sensível,
E é capaz de dar reboliço num estômago já acostumado com tanto lixo

Até quando teremos que suportar?
Mãos querendo nos apalpar?
Olha bem pra mim? Pareço uma fruta?
Onde na minha cara ta estampado: Me chupa?!
Se seu músculo enrijece quando digo NÃO pra você
Que vá procurar outro lugar onde o possa meter

Filhos dessa pátria ,
Mãe gentil?
Enquanto ainda existirem Bolsonaros
Eu continuo afirmando:
Sou filha da luta, da puta
A mesma que aduba esse solo fértil
A mesma que te pariu!

……………………………………

Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar
Por baixo
Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar
Por baixo

Você quer a vitória?
Então dê o primeiro passo
Mas saiba que é difícil
Nem pense que vai ser fácil
A vida cobra muito
São muitos obstáculos
Nem pense em desistir
Não abrace o fracasso
Amigos poucos tem
Na hora do vintém
Você vê quem é quem
Quem quer seu mal quem quer seu bem
E sem dever a ninguém
Eu não serei refém
Meu pensamento é livre e
Movido a ginseng

Poucos estendem a mão procurando ajudar
Muitos querem seu fim querendo te derrubar
Na beira do abismo não tem chão para pisar
Não dá pra confiar só tem mão pra te empurrar

Por isso vo aos pouco
Desviando dos pipoco
Tô passando mo sufoco
Mas eu vou no meu esforço
Dinheiro trás conforto
Mas também trás ilusão
Rimas não vem da nota
Saem do meu coração

Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar por
Baixo
Pense grande, sonhe
Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar
Por baixo

Essa é pra aqueles
Que não desistem de lutar
Que buscam algo grande
E almejam alcançar
Vida não vale nada sem motivo pra lutar
O que vale a intenção e algo em que acreditar
Pra estar no topo
Tem que escalar
Um degrau de cada vez
Mas saiba onde pisar
Do mal se esquivar
Não pode recuar
Porque a luz no fim do túnel
Poderá se apagar
Enquanto tiver ar preenchendo
O meu pulmão
Enquanto tiver sangue bombeado
Coração
Eu vou seguir em frente com muita
Disposição, muita disciplina e responsa na missão
Ela tem um sonho
E sonha em ser alguém
Ele tem um sonho
E sonha em ser alguém
Sonhar não vale nada se você
Não for buscar
O sonho é só um sonho
Se você não acreditar

Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar
Por baixo
Pense grande, sonhe alto
Pra estar por cima tem que começar
Por baixo

(Tem que começar por baixo)

………………………..

Menina Melanina:
Passou por incertezas
Momentos de fraqueza
Duvidou se há beleza
No seus olhos escuros,
Seu cabelo encrespado,
Sua pele tom noturno,
Seu gingado erotizado.

Algumas por comodismo não se informam, nem vão atrás
Pra saber da herança que carregam, da força de seus ancestrais!
Preferem acreditar que o bom da vida é ter um belo corpo e riqueza
E que chegará ao ápice de sua carreira quando se tornar a próxima Globeleza.

Preta:
Mulher bonita é a que vai a luta!
Que tem opinião própria e não se assusta
Quando a milésima pessoa aponta para o seu cabelo e ri dizendo que ele está ‘’em pé’’
E a ignorância dessa coitada não a permiti ver…
Em pé, armado,
Foda-se! Que seja!
Pra mim é imponência!
Porque cabelo de negro não é só resistente,
É resistência.

Me aceitei, quando endredei
Já são 8 anos de cultivo e paciência
E acertei quando neguei
Esse padrão imposto por uma mídia de uma sociedade que não pensa.

……………………………………….

Não é de hoje que calam meu grito
Abalam meus instintos, ambos pela dor
Por ter nos olhos esse brilho
Essa herança bem quista dos genes de meu bisavô
Não é só pela preta cotista, a casa própria da diarista
Ou qualquer outra conquista
Dos que fazem parte da história de uma terra que você usurpou
É ver o espaço ocupado, a mulher preta, pobre no doutorado
Retomando seu legado, sem dizer: Sim, senhor!
Nos querem supérfluas, apáticas, sem senso crítico
Nos moldam em estéticas, inépcias, estratégia sádica orquestrada por cínicos
Eu rejeito teus dogmas e mantenho a perspicácia no meu raciocínio
Ainda observo bem atenta os que compactuam com a tua lógica ilícita de extermínio
Senhores em seus altares, disputando egos maiores
Supremos, palácios, planaltos, pra que possam se sentir superiores
Influentes na arte da intolerância
Não sei como se cria tanta mente ambiciosa, tolhendo anciã sabedoria
Nos oferecem uma mídia abastada
Interesseira e interessada apenas na morte mas não em quem mata
Como será que um corpo suporta tanta violência inescrupulosa?
Como é possível dormir com as vozes em minha cabeça de tantas irmãs mortas?
Nossa almas pedem por socorro e ninguém nota!
Eu só peço a Oyá que me guia
Mantenha-me longe dos senhores fardados do mato e sua milícia
Me diz, o que te assusta?
A farda, a gravata ou a luta?
Perceba que nessa disputa, conheço teu caráter pelos heróis que cultua

……………………………

Delitos

Fim de noite, fim de festa, nosso começo
Toques sem pressa, vontade de se despir sem anseio
Dançar sem ritmo certo, passo a passo seus movimentos eu aprendo
Suor escorre do rosto, suas mãos alcançam meus dedos, eu me rendo…

Sem regras e horários, só o momento
Eu, você, um certo lugar, tanto faz o contexto
Já é tarde, a música para, eu recomeço
você me abraça, oferece peito, eu adormeço

Juntos, nos afogamos num mar de devaneios
minhas rezas, suas preces nossos receios
Os corpos fervem e as bocas já não possuem freios
Seu santo é fraco e você se perde entre meus seios

E entre tantos delitos e declarações
Abusamos de nós, como provam os arranhões…

E quando menos esperar, vou invadir seu quarto
Arrancar os teus lençóis sem perguntar se posso
Sussurrar, te fazer estremecer…
Possuir. Corpo, pele e ossos.

……………………………………………

E velaí vai ligazón para escoitar a Mel Duarte declamar, para aversión oral da súa poesía.

crítica de O QUE NON SABÍAS, de Elba Pedrosa.

OS AMORES FRUSTRADOS

Título: O que non sabías

Autora: Elba Pedrosa

Editorial: Xerais

É infrecuente que no discurso narrativo non ande o amor polo medio, disto xa falamos aí atrás e hoxe volvemos reincidir a propósito da novela O que non sabías, primeira novela en galego de Elba Pedrosa, édita á vez en galego e castelán. Porque se trata, outra vez, de amores infortunados. A novela, na súa primeira parte, até mediado o discurso (máis ou menos) sorprende pouco, e iso, que pode parecer unha eiva, tamén é, polo menos neste caso, unha asideira lectora que teime en turrar de quen le. Un adolescente que namorisca dunha rapaza (filla dunha familia de clase social por riba da do mocete), unha nai que suxire unha infortunda historia amorosa, unha vila (mareira) onde os indianos subsidiaron a construción dunha escola (a onde agora acode Roberto, o adolescente namoriscado), a desaparicíón misteriosa do pai de Roberto (mais liberadora para a nai), as trasnadas típicas da rapacería, o “bo” médico ou médico do pobo, as enerxías renovadas de Marisa ( a nai de Roberto, e Patricia, a súa irmá, máis vella ca el)… Todo contado ou desde a voz de Roberto, nos capítulos, ou desde a voz de Marisa, nas cartas que acompañan e salfiren o texto situándose no remate de determinados capítulos. E en capítulos breves, cun certo ar folletinesco, tanto pola extensión como polo tema e o seu tratamento. Pouca novidade, unha pouca novidade que tamén serve para asentar a lectora ou lector nun discurso novelesco que non agacha certo pouso costumista, ler o reler aqueles ambientes que xa coñeciamos tamén é un atractivo, tamén, para certo lectorado que gusta da (re)construción epocal..

                     No eixo espacial, non hai ningunha localización precisa  (aínda que se menciona Baiona), e tampouco parece habelo desde opunto de vista temporal. Parece, porque o eixo temporal máis adiante ficará fixado ao incluír no texto referencias “ás cancións de Mari Trini”, pois Mari Trini  non se fixo popular até que grabou “Amores”, en 1970; polo cal o eixo temporal da narración ten que ser posterior a 1970, mais tampouco cremos que moito. E tamén, nese eixo temporal hai cousas que sorpenden a quen le, como pasar de marzo nun capítulo ao verán no seguinte, un verán que se supón é o marco estacional da trama co namoriscamento de Roberto nas vacacións estivais. E non é esta a única vez que nos imos ver sorprendidos, en realidade parece como se o discurso (e aquí referímonos ao dos capítulos) viñera á lembranza de Roberto dese xeito  pouco preciso nalgunhas cousas que ten o memorialismo. O anterior contraste entre marzo e o verán, sobre todo tan próximos, non resulta nada afortunado.

                     Na segunda parte, xa cunha Marisa con novos folgos, animada a emprender un proxecto de vida novo cos seus fillos, gaña en emoión lectora. Mais ese positvismo do novo clima da novela resultará truncado, non diremos a razón. E debe quedar constancia de que un acerto da novelsita é a personaxe de Celso, primiero primo e despois curmán de Marisa, a quen remite as súas cartas. Unha personaxe enigmática que lle senta ben á narración e que será a que desvele finalmente os misterios, misterios que teñen que ver coa vida e fortuna amorosa de Marisa e que, por suposto, atinxen tamén aos fillos. Aí cadraba ben o remate da trama, porque é o punto climático do discurso. Os capítulos (pouquiños) posteriores non teñen moita xustificación a non ser amortecer o impacto das revelacións de Celso…

                     Quizá o aspecto máis positivo estea na gradación da información do tema amoroso relativo a Marisa, aínda que o remate non sorprenda moito.

                     Do resto nótase certa inestabilidade do pronome persoal átono, como o uso de obxecto indirecto cando verbo rexe obxecto directo en galego. O mesmo unha onomástica deturpada (Sandrita, por exemplo) que chega a ser moi pouco afortunada, como no caso da familia Molinera. Seguramente se aducirá como razón o querer reflectir a diglosia socialmente existente, mais isto é literatura, creación ficcional, e, curiosamente, é  o texto quen resulta diglósico.

                     Sendo esta a primeira novela da autora, cabe agardar posteriores entregas máis traballadas, literariamente máis ricas.

                     Dito isto queda o crítico matinando que, alén da diglosia lingüística, hai que ir pensando na diglosia editorial. Porque iso é o que acontece cando un texto ve a luz en galego porque tamén se publica en castelán, como razón máis poderosa.

                     (E, por certo, moito dano está facendo do cionario da RAG na rede; obra máis dano que beneficio; que quede ben claro)         

ASDO: Xosé M. Eyré