crítica de ESTADO INTERMEDIO, de Rexina Vega, en Galaxia

O TÚNEL E A MEMORIA

Título: Estado intermedio

Autora: Rexina Vega

Editorial: Galaxia

A última novela de Rexina Vega ten un título extraordinariamente claro respecto ao contido da trama; é o que vén sendo un título ideal ou  o que máis e mellor se aproxima ao que se contará despois. Sen pretender dar moitos datos sobre a trama, non pode deixar de dicirse que esta presenta un morto (que é un pai) nese estado anterior a  acceder ao máis alá. Ao alén que haxa despois de que finalizara o tempo de vida dunha persoa. E, paralelamente, a filla que pretende desfacerse de todo canto lle lembre o sei pai, co cal tivo unha relación traumática en vida e que, curiosamente, esa relación traumática non rematará nin desfacéndose das cousas materiais que lle quedaron en herdanza. Na nosa cultura occidental, ese estado do pai antes de ingresar no Alén ven sendo representado por un túnel ao final do cal existe unha luz; ou, polo menos é a máis común porque, evidentemente, ninguén volveu do Alén para dicirnos como é a cousa.

                     En si, a novela é un exercicio de memoria que enlaza a vida do pai coa vida da filla. Un exercicio de memoria traumática, pois a vida do pai non deixou nunca de selo ou de estar inserida no trauma. De xeito que, nin cando era mozo e apuraba os goces da vida desaparece esa situación traumática pois atopámonos en pleno franquismo e nun contexto social que fai contrastar a boa vida, a vida luxosa do madrileño barrio de Salamanca coa máis dura das pobrezas, coas vidas máis vulnerábeis a causa das carencias para levar unha vida digna, como é o que acontece no tamén madrileño Pozo do Tío Raimundo. Despois, o pai terá un vivir marcado sempre polo conflito entre o que el desexaría e a realidade que lle toca vivir, que o levará por unha costa abaixo, que o levará vivir nunha contínua degradación, sen exercer nunca de pai, ou do que se agrada que sexa un pai. Unha degradación vital inxustificábel, covarde e lesiva para oa demais. Nese estado se atopan os dous, o pai e a filla facendo balance, a avaliación final. No caso do pai, é ese estado intermedio do que vimos falando; mais tamén o será no caso da filla, esa é a sorpresa que nos agrada no remate e da que, evidentemente, non queremos desvelar máis.

                     Polo medio, na reconstrución da vida do pai repásanse momentos históricos do medio e tardofranquismo. E tamén dos primeiros anos despois da morte do ditador. Do contraste traumático entre a vida desafogada e luxosa coa pobreza, xa falamos, agora queremos salientar o conflito obreiro vivido en Vigo, aquela folga xeral do ano 1972, pola súa importancia histórica, que marcará tamén un punto de inflexión na vida do pai, facendo que esta se degrade moralmente aínda moito máis. Lembran aquela canción, “Libertad sin ira”, que trataba de propoñernos unha vida nova na que non houbera conflito coas esgazaduras vitais (e igual é moito eufemismo) da ditadura? Pois non, non é posíbel vivir sen que  haxa conflito, sen que haxa trauma, así aparece a vida nesta nova novela de Rexina Vega, unha novela  (xa que falamos de música) moi atenta ás cancións que foron marcando o paso do tempo, igual que as formas de vestir, poñamos por sinal.

                     A novela está maioritariamente contada en capítulos breves, que confiren dinamismo á lectura, mais tamén son moitas as enumeracións (un recurso moi usado), de xeito que o mesmo contar da novela reflicte a dialéctica, o impase en que se atopan as personaxes. Porén, nada disto é a auténtica novidade que presenta Rexina Vega na novela,  pois esta consiste na “introdución” de conceptos budistas á hora de entender o tránsito entre a vida e o Alén. Dese xeito a novela cóntase en dúas partes: “Chikhai. Estado transitorio no momento da morte”e “Chonyd. Estado transitorio da realidade. Esa, a cocepción filosófica budista do paso ao outro mundo, é a auténtica novidade, non querendo dicir isto que non haxa referencias á relixiosidade católica que nos foi imposta.

                     Para rematar, diremos que, e isto sempre nos acontece cando lemos a Rexina Vega, non nos abandona a sensación de que a proposta narrativa mereceía unha máis demorada exposición.

ASDO.: Xosé M Eyré

Zainne Lima da Silva: da actualidade máis potente na poesía brasileira.

Prometo non repetir argumentario: por moito que as condicións para unha poeta negra non mudaran en nada, hai cousas que temos que admitir como inherentes á condición negra da poeta, mais que tampoco deben quedar no esquezo porque son condicionantes absolutos á hora de escribir. Lembrarei, pois, mais só lembrarei, a carencia de liberdade dunhas autorías condenadas a escribir e reivindicar tanto sobre a súa condiicón de persoas de pel negra, como da súa condicón de mulleres de pel negra plenamente conscientes do que iso significa. Lembrarei, mais só lembrarei as “escrivivencias”, que diría Conceição Evaristo, esa afortunadísima expresión. Mentres non haxa otras condicións sociais e políticas, esta é a situación de partida para calquera autoría de pel negra. É dicir, o corpo é territorio político de disputa.

                E feminista, naturalmente, que tampoco hai que esquecer.

                Mais hoxe queremos salietar que a de Zainne Lima da Silva é unha das voces poéticas máis potentes e convencidas que a actualidade brasileira nos depara. De feito, tanto Pedra sobre pedra como Canções para desacordar os homens (que nace en formato e-book) son títulos de 2020. Zainne naceu en 1994, en Taboão da Serra, poboación (auténtica cidade) da perifeira paulista onde, se os nosos datos non erran, a poboación branca supón máis do 60%  mentres a xente de pel negra non chega ao 9%. Este dato debería ser intrascendente, mais nun país tan racista como o Brasil resulta decisivo, de maneira que estamos a falar dunha poeta consciente da súa condición de muller negra e da periferia.

                Hai razón para explicar o impacto e a esperanza que se desprenden da obra desta novísima poeta, negra e feminista, brasileira. Eu voulles ofrecer as miñas. E quero comezar porque a súa poesía reflicte un intenso traballo formal previo. A “inspiración”, “eclosión” ou “revelación” do poema pode ser nun instante, indeterminado ou preciso, do momento ou que volve á memoria, mais é poeta moi esixente, moi auto-esixente, á hora de elaborar os textos. Iso é algo que se percibe moito na lectura dos seus poemas.

                Como é muller e poeta moi nova, é de agardar evolución tanto formal como temática co paso do tempo. Se cadra máis formal que temática, se temos en conta o inicio destas liñas. En todo caso, comprobarán que en Zainne hai unha excelente poeta non só no presente senón que que representa unha moi agradábel e consistente esperanza de futuro. Un futuro esplendoroso que xa comezamos a disfrutar.

                Da selecta que a continuación lles presentarei, gustaría que se fixasen en certos motivos temáticos nela presentes, como  a noción de “inferno”, como a noción de “odio” ou como a nocións de “silencio”  ou “berro” (implícito na gorxa) ademais do valor da palabra neste contexto temático. É unha maneira de tomar posición na vida, de significarse, porque a vida é só @s que a viven e toman partido, non para espectadores

                Para remtar esta breve presentación quero convidal@s á lectura do seu Facebook onde atoparán máis poesía dela. De feito, un dos poemas da selecta provén de aí.

Imos coa súa poesía.

(En Cabine Cultural)

Infernópolis

queria escrever um poema

a calcular quanto pesa a menos

um corpo pisoteado dentro do caixão

o poema ficou intragável

e ao invés de terminá-lo

chorei as lágrimas do absurdo:

amargas, mudas e irrecuperáveis

diante do ser negro e favelado no Brasil

amanhã tampouco o poema

desceria goela abaixo

nem depois de amanhã –

no próximo dia de qualquer dia

o luto coletivo se renova

ainda mais insuportável.

Falar do ódio

este, que eu esquento com a comida

e ponho na língua a ponto de queimar

ódio que compõe meu corpo como água e sangue

falar do ódio como fala-se do amor

da filosofia, da religião, da transcendência

falar dos livros, poemas e teoremas

construídos essencialmente a partir do ódio

falar do ódio que cresce e lota a minha cabeça

que me dá o lampejo de vida após a crise suicida

falar do ódio que me molha para a masturbação

do que me leva ao sentido legítimo da vingança

falar do ódio, essa música muda

essa linda música muda

humanizar o ódio

usá-lo como ferramenta para a revolta

e para revolução.

Astral

meu signo trabalhador, exausto

escolhe a dramática-expressiva

a partir de ruínas

ergue alguma construção

monumental

apenas com as pontas dos dedos

a sua inimiga, embaciada

confabula com bulas e cartelas

reclusa-silenciosa

arranca as portas de toda a casa

convida o suicídio

toda vestida de amarelo

às tempestades dos copos

venceu o trabalhador

até quando mais um dia?

Borges

amo tua cama hasta o último pó

lembro do lodo preso nas paredes de teu alugado

líquen; musgo, verde como grama de desenho de criança

verde como a planta que eu crio para você

às escuras

sonho com teus vizinhos, arroz doce

não vejo teu rosto

lembro do lodo preso dentro de mim

falta de visitação

não me acomodo no tempo

desde que teu ser me adentrou

eu sou um velho alemão sentindo frio sentado na estação de trem sem saber que destino tomar nem o caminho de volta para casa.

 [sem título]

lhe desejaria um cancro se ser amado por mim não fosse mais terrível que isso

este peso da minha caneta

que se não mata

rouba e destrói

eu não sou o diabo

ao contrário, te sou deus

e te faço barro de ânimo

com papel e tinta

quê pode ser pior a um homem

que a eternidade da palavra?

……………………………………..

(En Escrita Droide)

Carne de cabra(l)

escrever é minha faca só lâmina
me corta profundo
não sangro
não sei se dói
o corte
a imagem perfurada seca
ou o espelho que a faca é
me mostra o poema
maturado andando sozinho
encima de mim.

A duplicada


eu

visto permanentemente uma máscara
de pele mais escura e resistente
com a identidade de zainne lima da silva
tenho duas faces de moeda sem valor
tenho duas de mim
uma tenta a vida no tempo agora
a outra inventa o momento seguinte
e o anterior
não me acomodo no tempo
estou entre desver e transver a poesia
transcrever fauna e flora para a língua universal
e ser uma mini deusa negra
como minha avó e minha neta
que não existem
mas que estão prontas na supermassa da oleira
que sou toda vez que escrevo
ou quando digo não
para um verbo de estado.





[sem título

escrever o poema
como se aria uma panela velha
até que de seu ferro
se extraia um espelho
em que se veja no branco do olho
a lágrima dele escorrida
no dia anterior.

………………….

(En A Casa de Vidro)

Uma canção de puro ódio que

Jamais será cantada mas que

Certamente deveria

o mito da mulher que sou

repousa no absurdo

de achar que não tem olhos

nem destino a seu caminho

que as pirâmides egípcias eram

imaginárias

que não há sensibilidade em seu corpo

nem coração em seu peito

de achar que há algum edifício a pular

depois ainda de um suicídio.

II

eu não perdôo as memórias racistas

projetadas para mim

nem as dissonâncias irresolúveis

encrostadas em minha alma.

III

de confundirem certa noção de justiça

com vingança

pegaram o pretinho menor de idade

furtando quatro barras de chocolate

pela terceira vez, no Ricoy

amordaçaram o pretinho

chicotearam suas costas

pela terceira vez, torturaram

o pretinho, quase nu

os homens não confundem nada

– na verdade, há uma alva definição

no desejo quase sexual de ser

um senhor de engenho

:

idiotas racistas sentem-se deuses com

armas nas mãos

*

menstruação de aniversário

seco-me

do papel, uma gota de sangue

cria rastro em minha mão

miro a víscera nas linhas da palma

descubro, aterrorizada

de todas as mulheres de minha casa

sou a mais viva

*

ovulação

o fio que me invade

e me arremata no cio é

puro cerol.

…………………………

(Na Acrobata)

agradecimento

choro quando ovulo
todo mês fecundar
filho de ninguém
décimo quarto dia
enlutada, gozar
em cima de dedos tristes.


Hija de Yemayá
a Annandra Lís

tu vem me arrastando como onda brava
achando que o amor é isso, um joelho ralado
uma queda engraçada pra gringo rir
tu vem me arrastando
e nem liga se eu estou conseguindo respirar
se perdi meu biquíni no tombo
se engoli ou não a água suja do mar usado
se terei virose por quinze dias seguidos
tu vem me arrastando
com essa voz de sereia amuada
eu nem quero ir, já lhe disse
que o rio teme o desembocar
mas tu mostra as asas, os dentes, os seios
tu me quer, eu te quero (apesar de não querer)
tu vem me arrastando como quem deseja que me afogue
como quem satisfaz as próprias vontades, irredutível
tu vem me arrastando como a morte no oceano
imensa, linda, límpida, viva e feroz
tu me ama, eu te amo
(ainda sem saber o que é amar).


Reentrâncias

amar as mãos e os pés do homem negro
saber quantas de suas canelas
fugiram de polícias milícias
quantas vezes seus ombros caíram
em mãos atrás da cabeça
amar suas impressões digitais
debaixo dos calos de trabalho
e música
amar suas cicatrizes
de skate cerol e bala perdida
amar seu sobrenome
sem pai
amar seu corpo estirado no chão
vivo ou morto (sempre morto)
amar seus traumas suas neuroses
amar suas contradições
amar sua ejaculação precoce
sua ejaculação retardada
sua impotência
diante dos absurdos da vida
amar as canções que ele ama
amar os poemas que ele odeia
escrever sobre sua percepção de mundo
respeitar seu silêncio
exercitar sua paciência
despertar sua delicadeza
perceber a minúcia
atrás da couraça protetora
saber arrancá-lo à força de seu pesadelo
pôr-se à beira do precipício
que é amar um homem negro
ser gentil na queda
esquecer a colisão.

……………………….




A educação pela pedra ou A educação pela noite

de madrugada eu trabalho
eu e os pedreiros construindo
em frente à minha casa

erguemos obras de tijolo e cimento
a cada rabisco da caneta
ajunta-se um reboco de parede

eu também sou arquiteta popular
com algumas pedras noturnas ergo
a minha poesia.

…………………………

(Na Pixé)

II_ANATÔMICO EVOLUTIVO

ver-como
o corpo se comporta quando nu
onde dobra onde alonga onde enrijece
as cores que o pintam os pelos os poros
as ranhuras estrias celulites
os caroços as pintas as cicatrizes
de catapora de vacina até de violência doméstica
onde é úmido onde é seco onde é encharcado
e por que
o sangue a pele a unha o cabelo o cílio a sobrancelha
fungos bactérias inflamações putrefações obturações
sons de espirro tosse riso choro engasgo gozo
contrações expulsivas
corte e costura
ver-como
o corpo se comporta quando nu
ao nascer
ver-como
o corpo se comporta quando nu
ao transar
ver-como
o corpo se comporta quando nu
ao morrer
ver-como
o corpo deixa de se comportar
quando pó
 

III_MEMÓRIAS DO CÁRCERE

amei homens
cujo prazer era gozar o silêncio
principalmente quando deviam explicações
para eles silenciar era uma escolha
um repouso para quem o direito do dizer
esteve sempre e sempre garantido
 
eu descobri o poder da garganta
para quê calar se estive muda nos corpos
de minhas tetra tatara bisa avó
se estive quieta em Eva e em Maria
se meu único som legítimo fora o gemido
de choro dentro de um navio negreiro
 
o silêncio para mim é cárcere
não fico quieta não ficarei
gritarei cada vez mais alto em prateleiras públicas
forrando os livros com os meus nervos
de aço sim mas humanizados e raivosos
furiosos desvairados excelentemente polidos
no uso poético de cada palavra minha
 
se um dia me calar será em fogueira de papéis
censura aniquilação do pensamento da expressão
ainda depois de morta
estarei cá em meus livros a falar
sobre memórias de libertação.

……………………..

(Na Germina)

…………………

(No Face de Lendo Mulheres Negras)

tenho um par de homens
que se propõem a deitar comigo
(se não se propõem, os seduzo)
e que depois fogem de meu perigo
de exaustos ou de assustados.
os escolho pela cor do corpo
por vezes, pela textura do cabelo
para conformar este curso, que é recôncavo:
inclinam-se em negras cores
em cima, atrás, embaixo de meu sexo
gritam e gemem como fêmeas
em redes de pesca, queimando nas areias
enfim, se desfazem no oposto –
num ápice, como leite derramado
profundo e caudaloso lago
(ou, quem sabe, alegre banho de chuva)
margeando o mais próprio e mágico em mim:
o sussurro do atrito em meu lado de dentro.

………………………….

Do seu Face

CASA AMARELA

este poema é uma palafita

com quintal de árvores que dão flor

madeira brilhante de peroba

tanque de amolar peixeira de baiano

aqui, nunca é baixa a maré

e a casa está sempre alagada

cadeiras de pé para cima

todas as portas de contenção

uma vela que nunca se apaga

para Santa Luzia dos olhos

que a totalidade veem

o leitor, que desenfreadamente entra

neste terreiro sem terra

que molhe só as pontinhas dos pés

nesta água tem cobra enfeitiçada

e não vai querer se encantar

ficar sempre preso neste alagamento

que é a minha poesia

ouve, leitor: apenas as pontas dos pés.

crítica de DICIONARIO IRREAL PARA UN PAÍS IMPOSIBLE, de Xavier Seoane, en Xerais

 A CABEZA NON PARA…

Título: Dicionario irreal par aun país imposible                         

Autor: Xavier Seoane

Editorial: Xerais

Quizá o título destas liñas poida parecer un tanto prosaico, porén dalgunha maneira cómpre describir a intensa actividade intelectual de Xavier Seoane, sempre unha actividade na procura da beleza xa sexa en forma poética (contei 18 títulos) ou narrativa; e dentro da narrativa velaí están os títulos de ensaio e, o que máis nos interesa, os aforismos…por iso de que os aforismos combinan a reflexión e a beleza verbal- a este respecto lembremos os Aforismos do riso futurista escritos con Francisco Pillado, ou a máis recente A póla branca, haikus que tamén convidan á reflexión pois dela e da contemplación nacen. A este respecto é de considerar que Xavier Seoane sempre tivo como unha das súas angueiras intelectuais o devir social, cultural e mesmo político da Galiza. E de aí nace este Dicionario irreal para un país imposíbel, como unha forma de dar cabida nun único título ás preocupacións autoriais, manifestándose estas en prosas que xunguen a expresión didáctica propia dos dicionarios (despois comentaremos máis) coa creación tanto en prosa como en forma poética, que dos dous casos se poden atopar exemplos, exemplos manifestados desde a pericia escritural a que Xavier Seoane nos ten habituados, de xeito que o libro resulta unha auténtica miscelánea (que pouco se usa hoxe esta palabra) non só do saber senón tamén no relativo ás formas literarias.

                     Ben, volvamos sobre o didactismo. Non cabe dúbida de que calquera dicionario persegue iso, ensinar. Porén este é un dicionario “irreal” porque en realidade non se trata do que comunmente se entende por tal, senón unha forma, unha estrutura editorial que lle permite dar cabida non só ao relativo ao “pensamento” ou reflexión senón que tamén lle permite ao autor introducir diversas formas escriturais ( como xa vimos)  de maneira que se ofrece unha ollada panorámica sobre a cultura, sobre a sociedade, sobre a Historia…con todo o que iso ten de político. Neste “pensamento” ou reflexión, hai moita ironía, hai moito humor, retranca e mesmo sátira e xogos verbais, o cal proporciona unha lectura que tamén xungue o desenfado coa distancia analítica que proporcionan as figuras antes mentadas. Cousa curiosa é que esa distancia analítica representa en realidade unha comprensión fonda do concepto pertinente, e permite un achegamento lectoral máis efectivo, fondo e á vez divertido que promove a reflexión de quen le.

                     As “entradas”, os conceptos de que se ocupa Xavier Seoane son de natureza moi diversa, e van desde a denuncia (por sinal, véxanse os conceptos “feísmo” ou o da romaría dos Caneiros) á reivindicadión (por sinal, véxase o relativo a Seminario de Estudos Galegos ou o futbolista Fran) pasando pola análise de tópicos (non podía faltar o dos galegos e as esclaeiras, por sinal), como de feitos históricos (por sinal, os naufraxios na Costa da Morte), escritores e creadores plásticos (Celso Emilio, presente en varias entradas, por sinal, Laxeiro ou Urbano Lugrís…) e onde non faltan reflexións sobre sobre aspectos da nosa Historia e cultura que presentan déficits ou son mellorábeis.

                     A concepción do libro como dicionario permite unha lectura que non ten porque ser contínua, que pode adiarse en calquera momento e ser retomada sen perder nada do contido, e que tamén pode ser aleatoria ao permitir ler entradas de diferentes letras sen que teñan que ser consecutivas…o comezar por onde nos praza. Isto ademais de poder dar entrada a forma literariaa diversas, como xa vimos.

                     Fermosamente ilustrado por Ramón Trigo, este Dicionario irreal para un país imposíbel non só constitúe unha moi agradábel lectura desde o punto de vista literario, senón que tamén é unha boa ocasión para reflexionarmos sobre nós mem@s, sobre o pasado, sobre o presente e sobre o porvir, cousa que sempre é tan necesaria, que sempre é tan imprescindíbel. Xavier Seoane, auténtico mestre humanista ao que nada lle é alleo nin do mundo das ideas nin do mundo do pensamento, déixanos outro título que non debe faltar en calquera biblioteca que se prece do noso IMPAÍS, que driría Xavier Alcalá.

ASDO.: Xosé M. Eyré

crítica de SILENCIO, de Agustín Agra, en Galaxia.

LITERATURA CONTRA OS DOGMATISMOS

Título: Silencio

Autor: Agustín Agra

Editorial: Galaxia

Dende O recendo das mimosas (2009) non lembro ler nada de Agustín Agra dirixido a adult@s. E, como se di na presentación editorial da contracapa, “pagou a pena a espera”, e moito, porque os oito relatos desta Silencio están construídos coa pericia do ourive que pretende que as súas obras sexan únicas aínda que ás veces garden certa continuidade á hora de argallalas. Comezarei por explicarlles o título, pois non en van preside e dá sentido único ao monllo de relatos, mais xa lles adianto que procurarei non identificar as personaxes centrais dos relatos porque precisamente a administración desa información é un elemento clave, fundamentalísimo, a pedra mestra, dos relatos de Agustín Agra. Pois ben, o título, ese “Silencio” refírese a un retrato de Charles Darwin onde parece a súa faciana cun dedo sobre os beizos, actitude de pedir silencio. E agora que mentei a Charles Darwin, xa non é segredo ningún se lles digo que a temática dos relatos está concebida para ilustrar como ao longo do tempo a ciencia loitou contra os dogmatismos imperantes no momento. “Atrás deben quedar a ignorancia, a superstición e o dogmatismo milenario “ (136). No seu lugar aposta por “valores como a universalidade do coñecemento, o respecto entre as diferentes culturas, os dereitos humanos ou a democracia, esa vella e desvirtuada palabra, baleira xa nos nosos beizos do seu significado orixinal” (136).

                     O libro ábreo un relato onde Cristina Goettsch (Mittermeier), xenial e imprescindíbel fotógrafa mexicana, se adentra nunha xeografía inhóspita mais tamén unha xeografía non cartografada polo ser humano. Esta viaxe (non ten importancia que saiban o nome da viaxeira) é a presentación dun volume onde se reunirán relatos de xente que desafiou a hostilidade de dogmatismos históricos que impedían o progreso da humanidade. Unha anunciación metafórica e tamén un xeito de reivindicar o papel da muller (e non será a única vez, pois hai outro relato no que tamén acontece o mesmo) nun mundo que historicamente as relegou ao rol de acompañantes case anónimas de homes que levaron o mérito, un mérito onde non se recoñece o seu traballo. E, igualmente, o derradeiro relato tamén é máis que o relato reivindicando a figura dun dos nomes imprescindíbeis á hora de falar da Xeografía moderna, porque ten o seu de metaliteratura e, por sinal, se explica que este sexa un libro de relatos en lugar dunha novela. O relato volve estar contado por unha muller, que fala do seu fillo ( e debemos entender que matofricamente ese fillo tamén é libro que teñen nas mans) e lle aconsella que “é tempo de crear, de descubrir, de soñar” e “que o abraio mova o mundo” (137).

                     Mais volvamos aos relatos tal e como se presentan. O segundo tráenos unha sorte de cruzamento teórico entre Isacc (Newton), Nicolao (Copernico), Tycho ( e non lles direi o apelido), Johannes (Kepler), Giordano (Bruno) e Galileo. Digo cruzamento de opinións porque o relato, fragmentario, consiste na sucesión de fragmentos dedicados a eles, ás veces en alternancia. E, posto que aquí non me quedou máis remedio que citar os protagonistas, non lles direi nada sobre a trama porque, sabendo quen son os protagonistas seguro que vostedes poden enxergala axeitadamente. E, como xa lles dixen, non volverei identificar os protagonistas dos seguintes relatos, non, porque precisamente o autor xoga moito con esa información, de xeito que só se revele o nome completo do protagonista central ao remate. De todas maneiras, quen le ben pode imaxinar quen son sabendo o contexto científico en que se moveron aínda que todo está moi coidado para menter a tensión até o final, ofrecéndonos unha visión desa personaxe na que está moi presente o contido humano. Hai aquí un evidente apelo a que quen le amose unha actitude participativa, e non nunha actitude pasiva, á hora de ler. Só lles adianterei que a seguir aparecen os “pais” da Química moderna (e aí se volve reivindicar o papel da muller, xa lles dixen), da Xeoloxía, da Bioloxía ou da Botánica…

                     O libro, en cada un dos relatos e máis perceptibelmente nos fragmentos ou relatos menos breves, mesmo hai que dicir que está contado con elegancia, cunha elegancia que se amosa tan discretamente como efectivamente. Ao que hai que sumar un traballo estrutural, para crear e manter a tensión narrativa, moi loábel que se manifesta xa desde a mesma concepción do relato e da voz que nolo conta. E tamén que se literaturicen pasaxes da vida destes ilustres que agrandan o seu perfil humano, como dixemos.

                     O resultado é un libro non só de moi agradábel lectura, senón que tamén esa lectura resulta unha homenaxe a “científicos” que se atreveron a desafiar dogmatismos imperantes durante séculos, de xeito que a humanidade puidese progresar. Naturalmente, tamén é un libro semente, un libro semente desde o momento en que o remate convida a seguir loitando polo progreso da humanidade nun momento como actual, especialmente crítico.

ASDO.: Xosé M. Eyré                                      

Lívia Natália: a contundente elegancia da ética negra

Escribir para presentarvos a poesía de Lívia Natália hoxe constitúe para min un compromiso ético ( a miña posición ética sempre estivo do lado dos máis vulnerábeis e perseguidos, porque eu, como nacionalista galego sempre se sentín así e porque creo que é o único moralmente aceptábel), estético ( é unha brillante poeta, volveremos sobre iso) e tamén repetir parte do argumentário que xa comentei a porpósito doutras autoras negras.

                Por exemplo, sempre que divulgo poesía de poetas negras debemos ter en conta que se trata dunha escrita feita nun contexto de carencia de liberdade, porque se se é negra e consciente do que significa ser muller negra nun país como o Brasil, estás obridada a que esa temática estea presente na túa obra. E así sucede na poesía de Lívia Natália. Se lle aplicamos a ela o concepto de “escrivivencias” de Conceição Evaristo non imos errar nada, porque en realidade toda escritora negra precisa facer fronte ao poder branco desde a escrita coraxosa, valente e subversiva da súa alteridade negra. E tamén non é novidade que recorra á africanidade como elemento distintivo social e literariamente falando, o afrcanismo centrado que aquí tamén nace e  se expresa desde unha relixiosidade propia e diferente.

                E se engadimos a ser muller e negra ser tamén feminista, a necesidade do activismo político e social é innegociábel aínda máis.

Esta carencia de liberdade, no caso de Lïvia Natália manifestouse moi claramente na censura dun seu poema. Si, estamos no século XXI, mais a censura segue existindo. O poema é este:

“Quadrilha”

Maria não amava João. 

Apenas idolatrava seus pés escuros.

Quando João morreu,

assassinado pela PM,

Maria guardou todos os sapatos.

            Parece ser que o poema atentaba contra a honorabilidade da Policía….

                Censurar a arte é censurar á expresión máis elaborada de humanidade. Censurar a arte cando denuncia é a expresión dun fascismo intolerábel para calquera persoa consciente e non alienada. Aínda que só fora por iso, divulgar a poesía duunha autora censurada xa sería para min motivo máis que xustificado para facelo unha e mil veces.

                Cando Día Bonito para Chover foi considerado pola APAC (2017; Associação Paulista de Críticos de Arte que é é a máis tradicional institución de críticos do Brasil) representou unha auténtica sorpresa para a autora, non polos seus innegábeis valores literarios senón por ela ser negra.

                Cando a crítica sinala a presenza da auga na súa poesía (xa desde os títulos se ve, como comprobarán), Lívia Natália responde con palabras de Ruy Espinheira “Todo escritor escribe con aquilo que le é”. A este respecto quero lembrar o que xa escribín sobre Angélica Freitas e a poética da chuvia.

                Demoraía inmenso escribindo sobre a poesía de Lívia Natália, unha poesía que, por difinila con poucas palabras, eu digo que é contundentemente elegante, na selecta que hoxe lles presento poderán comprobalo.A súa é unha poesía moi elaborada, moi traballada, que toca con elegancia a fibra sensíbel de quen le, con elgancia e con toda contundencia. Mais estas presentación quero que sexan breves, o importante é a poesía. Imos pois exponer a obra poética da poeta nacida en Salvador de Bahia no 1979:

2010 – Água Negra – EPP Publicações

2015 – Correntezas e outros estudos marinhos – Ogum’s Toques Negros

2016 – Água Negra e Outras Águas – EPP Publicações

2017 – Dia Bonito pra Chover – Editora Malê

2017 – Sobejos do Mar – EPP Publicações

       Esta é a obra que lle coñezo, e, sinceramente, cústame moito traballo decidirme por algún título en particular. No referente á autoría individual porque tamén participou en É agora ou nunca – Antologia incompleta da poesia brasileira contemporânea, organizada por Adriana Calcanhoto e édita na Cia. das Letras.

                Pouco máis quero engadir, que a calidade da súa poesía foi recoñecida desde o primeiro título (o que non salva do silencio nun país tan racista e machista como o Brasil) e, sobre todo, que nas referencias literarias imprescindíbeis para Lívia atópanse tanto nomes brancos como negros. É toda unha lección, a beleza non coñece color de pel. Vexamos algunas das súas referencias:  Conceição Evaristo, Landê Onawalê, Cecília Meireles, Clarice Lispector, José Carlos Limeira e Drummond, Bandeira…Carolina Maria de Jesus, Pessoa…

Este é o seu Facebook, seguilo é ben interesante

Agora celebremos a beleza da súa poesía. Esa beleza contundente e por iso máis preciosa.

(No blog e Emmanuel Mirdad)

Sina

Todo mês eu sangro.
Diversa de mim,
atravesso Águas brutas,
oceanos que me povoam bravios.
Expulso o que em mim excede
e, do que sobra,
algo se move lívido
pulsando nas sendas de meu ventre.

Quando sangro,
o animal onde moro troca de pele
por dentro,
expurgando entranhas.

Todo mês eu sangro.
Todo mês eu singro este mar,
em que me banho.


——–


Assombro

Num dia como este
de chuva uterina,
meus pés dançam belos
no equívoco dos sapatos novos.

Esta sou eu, em ledo engano:
enfeitando o mal, o errado,
e as ausências do mundo
com meus pés pouco delicados.


——–


Buscâncias

Precisa-se de estrelas que brilhem
nos vãos do corpo,
que poluam com seu tom luminoso
a dobra opaca de que toda sou.

Paga-se bem:
em fartas moedas de silêncio,
com dores sem cura,
com sangue duro e vivo de entranhas.

Preciso de alguma luz estranha e calma.
D’algum clarão vivo e verdadeiro.
Algo que negue este estreito
onde moro em solidão.


——–


Anatomia


Meu corpo se dobra na curva dos dias,
as ondas passam prenhes de pássaros, peixes e maresias
o mar bebe o mundo com sua língua de onda
e meu útero permanece vazio.

Desconsolada,
engoli naufrágios inteiros
com pescadores e navios
e meus sonhos ganharam pele de peixe.

(Ando com esta barriga murcha,
recolhida no labirinto das entranhas.)

Meu útero bebeu a tinta das letras,
comeu papéis e teclas,
guardou-se debaixo do travesseiro, para o quando,
guardou-se no bolso, numa caderneta fina, para se.

Tudo vão:
Meu útero apenas ganhou guelras
e respira submerso.


——–


Filosofia da composição


Um poema me invade e nada me resta
senão o silêncio branco da página
que é o negativo de escrever.

Mas, no alto das brumas novas,
onde as nuvens se fazem brancas
como a página virgem
não há mais consolo
que neste inferno que é a palavra.

Todo corpo de artista é também uma espécie de inferno.
Zumbe o mundo em brasas na cabeça do poeta.

A mim,
me sangra é entre os dedos da sapatilha,
e minhas mãos flanam no alto,
no contra-luz do palco,
desta cena em que sou vista.


——–


“O que rima
quando tudo se finda
é um retrato perdido,
uma porta fechada para o inútil
e as tramas delicadas das cortinas
desvelando,
no paladar das horas,
aquele instante em que o trinco
permanecerá imóvel.”


“O mar se deslembra homérico do que passou.
No seu infinito de profundezas
tudo o que do mundo guarda,
é apenas rastro do perdido.”


“Enquanto espero, tudo é horizonte
e adivinho seu rosto antigo
na anatomia das pedras.”

……………………………..

(No Escritablog)

QUADRILHAS

Maria não amava João.
Apenas idolatrava seus pés escuros.
Quando João morreu,
assassinado pela PM.
Maria guardou todos os seus sapatos.



ÁGUA NEGRA
Chove muito na cidade.
No asfalto betumoso um sangue transparente,
ora de um rubro desencarnado,
ora encardido de um cinza nebuloso,
é vomitado em cólicas
por toda a parte.
Das paredes duras vaza um mais escuro que,
imagino,
seja a água mordendo as estruturas.
A água é assim:
atiçada do céu,
infinita no mar,
nômade no chão pedregoso,
presa no fundo de um poço imenso:
a água devora tudo
com seus dentes intangíveis.
                   


OSUN JANAÍNA


Descobri que, para mim,
ser mulher basta.
Para puxar véus,
levantar saias
pintar as unhas de vermelho feroz –
mesmo que seja só para dizer: para.
Ou para ver a dança des-contínua do seu corpo
sobre o meu (o meu oposto)
pelo espelho que se emancipa
das paredes deste quarto
e desta tarde delicada.
Mas sempre ser mulher basta:
posto que é inteiro e vão,
onda que bate na pedra e despedaça
apenas para voltar inteira
– afogada –
num mar de (in)diferenças
onde cada gota solitária e única
forma um discurso descomposto,
cambiante,
plural:          
mesmo quando me atiro sobre esta pedra,
que me rechaça.




ODISSEU


Seu corpo cresce em puro júbilo de ser.
E só.
Sobre a cabeça, dança uma juba arisca
alimentada pelo vento e pelos sonhos
com que embala o mundo.
Seus gestos firmes cortam o tempo,
inscrevendo,
na pele crua da memória,
seu rastro.
Sua voz,
saltando frenética sobre os átimos,
devassa as franjas silenciosas que embainham
o mundo.
Mas quando seu corpo ressona nos lençóis,
onde o espero,
é meu o seu silêncio
e a calma do depois.
É no meu corpo que escreves
sua narrativa mais primeira
e definitiva.

…………………………

(En Algumapoesia. com)

SOMETIMES

Às vezes é um vento mais forte
e ele vem de longe, tangendo as colinas
E as tardes se emancipam de mim,
como se fossem feitas de puro desejo.

Um azul intenso devora meus dedos
e os olhos, inteiros, são de oceano e vão
e eu estou perdida: não há portas
mas as chaves persistem,
pendendo de minhas mãos.

Um vento que me fala em uma outra língua
e, ainda assim, toda me devora,
e não há apelo,
e não há distância que o coloque de volta:
entra pelos meus cabelos
e faz deles sua mais perfeita morada.

Um vento, e eu de todo exilada.
Um vento, e eu desfeita,
calada.
Um vento e, pobre de mim,
sou toda feita de Água.





ORI ASÈ

Quando a quartinha canta,
prenhe de água absoluta,
um suntuoso aquário se tece
no breu de suas bordas.

Na sua voz de metafísica e nada
ouço a água doce e fria
de que está plena e emprenhada.

{Sua casca barrosa se limita
com o chão líquido do Orum
onde dançam Deuses de pele translúcida.}

Quando a quartinha estala a sua língua
saveiros dobram seus ombros nas docas
o mar respira, bebendo a si mesmo,
enquanto as ondas coçam as costas das pedras.

Onde canta o estalido
da quartinha
um Ori se planta no profundo.









ESQUECIMENTOS

               Para minha Mãe


Se doer mais um pouco,
de minha boca sairão pedras
e tochas acesas devorarão minha carne.

Se doer só mais um pouco,
as palavras brotarão de meus poros
e minha boca se demorará em silêncios.

Se doer ainda mais,
nascerá um sangue bruto entre meus dentes

e meu útero perderá seus segredos de vazio.








O CASO DO VESTIDO


           De tempo e traça meu vestido me guarda.
                             Adélia Prado


Meu corpo não respeita as estações.
Chove grosso em cada dobra da cidade
E eu trago comigo um vestido de verão intempestivo.


Meu corpo não cede e, vivo, arde no ligeiro das rendas,
nas maresias que lambem o ar.
Meu corpo não cede.

E o vestido que me desveste neste calor temporão
é todo bordado na minha pele:
por dentro.





ORISA DIDÊ

Arranca as percatas de seu cavalo
e nele galopa com os pés no chão.
Solta um grito que se espeta no alto
e,
repetido,
saúda a terra com a majestade de sua presença.

Dança sem a calma das horas,
pois seus braços se erguem para fora do tempo.

Caminha com sua carne de mito
e, quando vai, não parte.
Apenas se banha em seu próprio mistério.

………………………………..

(En LierAfro)

Poema-ebó (pelo 20 de Novembro)

Dono das encruzilhadas,
morador das soleiras das portas de minha vida

Falo alto que sombreia o sol:
Exu!

Domine as esquinas que dobram
o corpo negro do meu povo!
Derrama sobre nós seu epô perfumado,
nos banha na sua farofa
sobre o alguidá da vida!

Defuma nossos caminhos
com sua fumaça encantada.
Brinca com nossos inimigos,
impede, confunde, cega
os olhos que mau nos vêem.

Exu!

Menino amado dos Orixás,
dou-te este poema em oferenda.
Ponho no teu assentamento
este ebó de palavras!

Tu que habitas na porteira de minha vida,
seja por mim!
seja pelos meus irmãos negros
filhos de tua pele ébano!
Nós, que carregamos no corpo escuro
os mistérios de nossas divindades,
te vemos espelhado nos nossos cabelos de carapinha,
nos traços fortes de nossas faces,
na nossa alma azeviche!

Mora na porteira de nossa vida,
Exu!
Vai na frente trançando as pernas dos inimigos.
Nos olhe de frente e de costas!

Seja para nós o que Zumbi foi em Palmares:
Nos Liberta, Exu,
Laroiê!



……

Negridianos

Para Cuti, Limeira e Guellwaar Adún
Há uma linha invisível,
lusco-fusco furioso dividindo as correntezas.
Algo que distingue meu pretume de sua carne alva
num mapa onde não tenho territórios.

 
Minha negritude caminha nos sobejos,
nos opacos por onde sua luz não anda,
e a linha se impõe poderosa,
oprimindo minha alma negra,
crespa de dobras.

 
Há um negridiano meridiando nossas vidas,
ceifando-as no meio incerto,
a linha é invisível mesmo:
mas nas costas ardem,
em trilhos rubros,
a rota-lâmina destas linhas absurdas que desenhas
enquanto eu não as enxergo.

………………….

nde o espelho?

Para minhas irmãs negras
Este cabelo que lhe vai liso sobre a carapinha,
é o simulacro infeliz do que não és.
(Ao vestir-se com a pele do inimigo
o que de ti silencia e se perde?
Quantos animais conheces
que assim o fazem senão para reagir?)

 
Este cabelo pesa desfeito sobre sua carapinha.
Veste-a como um manto impuro
abafando o preto caracolado
sobre si dobrado:
filosófico.

 
Os fios se endurecem como cavalos açoitados,
e bradam da morbidez desta couraça
que te mascara branca.

 
Este cabelo requeimado e grotesco
sepulta o que em ti há de mais belo.
A dobra também é uma forma
de Ser.

a propósito de A CONSTRUCIÓN MEDIÁTICA DO CONFLITO. O CASO RESITENCIA GALEGA,

A MANIPULACIÓN INFORMATIVA SOBRE O INDEPENDENTISMO GALEGO

Título: A construción mediática do conflito. O caso Resistencia Galega

Autora: Helena Domínguez García

Editorial: Axóuxere

Vivir é un compromiso, téñoo dito moitas veces, un compromiso cos demais (non serlles un estorbo, axudar no posíbel) e cun mesmo (que a historia non pase por riba de ti, ser consciente en todo momento do teu rol nela, aceptalo e procurar facelo o mellor posíbel) que ten tanto unha dimensión sincrónica (no momento que vives) como diacrónica (saberte herdeiro dunha sociedade construída ao longo do tempo). Esta característica última é máis politicamente comprometida, a meu ver, pois require un posicionamento fronte á Historia que nos chega como relato imposto a mellor “comenecia” duns poderes (económico,militar…) que non dubidaron en falsear datos con tal de “crear” ese relato que os favorece e perpetúa a través do tempo. Como galegos conscientes do relato que nos impoñen á vez que negan e combaten o que nos é propio, distintivo e identitario fronte a eles…temos unha responsabilidade, non afrontala é de covares ou seres alienados ( é dicir, espectadores dunha Historia na que só participan como iso, espectadores irreflexivos que se poden manexar a antollo).

                     Na creación e perpetuación dese relato imperialista que nega e combate as realidades históricas á vez que trata de sometelas e integralas ( despois de desartellalas), ten unha especial importancia a visión que dese conflito trasladan e impoñen os medios de comunicación, na súa condición de testemuñas históricas e tamén de creadores da realidade desde o momento en que só existe o que eles contan e como eles o contan. Como galegos conscientes estamos abondo afeitos a que se combata a nosa lingua (escuso poñer exemplos), que se minimice e afogue no silencio a nosa cultura, que os nosos recursos naturais sexan explotados por empresas estranxeiras (mermenado e impedindo o beneficio propio), que sexamos tratad@s como man de obra exportábel e utilizábel vantaxosamente…que lles vou contar que non saiban xa!

                     Unha das últimas tentativas de demonización do nacionalismo galego consistiu no argallamento dun grupo armado independentista galego, de nome Resistencia Galega, que mantivera vivo o perigo terrorista en Hespaña unha vez que ETA deixara as armas. Non é, na miña opinión, casualidade que o Aparello do Estado escollera Galiza en lugar de, por sinal, Catalunya, non, non é casualidade porque aquí, na Galiza, contaban/contan cun medio de comunicación escrita hexemónico (La Voz de Galicia) entusiastamente favorábel ás súas teses e non só iso senón que tamén contaban/contan con que os medios de comunicación alternativos teñen unha escasa difusión fronte a LVG (e outra cabeceiras locais que tampouco dubidarían), un partido político (PP) tamén hexemónico, que tamén se aliñaría nas súas teses, e todas as instancias que controlaban politicamente (Delegación do Goberno, Xunta da Galiza, aparello xudicial…). Ao que hai que sumar as achegas mediáticas desde a propia capital do Reino dos Borbóns, neste caso Helena Dominguez céntrase no diario ABC por ter corresponsalía na Galiza.

                     @s que lean sito seguramente xa terán poucas dúbidas de como o caso Resistecia Galega foi instrumentalizado polo Estado e/ou polos intereses máis resesos do nacionalismo español (tamén foi utilizada Rsistencia Galega para atacar o goberno do PSOE) coa finalidade crear un clima de terror desde o cal impoñer un relato criminalizador de toda inicitiva nacionalista, non só no ámbito político (con BNG e AGE como albo principal) senón tamén no social e cultura (velaí as accións exercidas en contra de A Gentala do Pichel ou mesmo contra a Rede NASA) nunha expresión de violencia que só os medios alternativos se atreven a criticar abertamente. Neste sentido, traballos como o de Helena Domínguez constitúen literatura “académica” desde a cal se demostra canto vimos dicindo, ao demostrar primeiro como se crea, como se constrúe un conflito desde a prensa ou os media, como isto aconteceu/acontece na Galiza e finalmente, como o caso Resistencia Galega serve para  ilustrar o tecido teórico anterior.

                     “O tratamento do fenómeno Resistencia Galega amosounos, á fin, o normalizadas que están as prácticas de manipulación nos medios de comunicación galegos. E se a existencia de institución mediáticas plurais e independentes se adoita tomar como un indicador das sociedades maduras e avanzadas, non nos queda máis remedio que admitir que na Galiza padecemos certo déficit democrátco. E os medios de comunicación que temos son, ao mesmo tempo, causa e consecuencia desta situación” (238).

                     Como este son moitos os salientados que fun facendo na miña lectura. Mais, para rematar sen desvelar máis do devido  contido do libro, quero recordar que esta manipulación informativa é expresión dunha violencia contra a cal @s xentes de a pé estamos absolutamente indefensos, pois por ter ou transportar unha bombona de gas xa te poden considerar terrorista. O papel da Audiencia Nacional nisto tamén se pode comprobar na lectura do libro.

                     Quédame por dicir que o prólogo vén asinado polo prestixioso e recoñecido Carlos Taibo, un d@ss pouc@s poitólog@s que non teñen cancelas ideolóxicas balizadoras do seu discurso.

ASDO.: Xosé M. Eyré.

Luana Claro: ler é un hábito da escrita

Comezamos novo ano e queremos facelo tamén cun nome novo, un nome novo que é promesa e realidade na poesía brasileira actual. Con estas esixencias, o de Luana Claro parécenos un dos máis axeitados. Entre otras cousas porque a autora é moi consciente de que a súa poesía nace e asenta sobre lecturas previas. Nesta altura, encetando 2021, é sumamente complexo querer escribir algo que non se teña escrito xa alguna vez nalgún lugar. Ademais a poesía  de Luana Claro (São Paulo, 1994) lembra que escribir sen ler é cousa que só fan @s inxenu@s que cren posuír un mundo interior tan rico e excelso que por si mesmo é novidade. E non. Para nada. Nada se fai sen a lectura. A lectura previa resulta absolutamente imprecindíbel

 De Luana Claro coñecemos Diadorim, publicado pola Patúa en 2017. Xa nos ten pasado con anterioridade divulgar poetas cun único título publicado, e mesmo temos divulgado sen a existencia dese primeiro título en papel. Ben, no 2020 foi secleccionada por Urutau para un libro de colaxes e poesía: Construção, así que en puridade non é autora dun único texto.

De primeiras, a poesía de Luana Claro pode que non a entendamos na súa totalidade. Non a entenderemos na súa totalidade a menos que nesa lectura contemplemos con moita atención o plano estético, o plano formal da súa escrita porque é algo que para Luana ten especial importancia. Só entón podemos acceder ao significado completo da súa poesía. A súa poesía que, finalmente, é un modo de ser. O cal significa que non escribe poesía, vive esa poesía antes de escribila e tamén despois. Velaí o sinal que indica para unha autoría moi a ter en conta porque nunca deixará de ser poeta. Mais iso non significa que para ela a poesía tamén sexa revelación, revelación puntual dun verso, dunha idea, dunha poisibilidade a desenvolver; de xeito que a súa tamén é unha poesía evolutiva, que non se disolve únicamente no pre-mundo das lecturas previas. Nomes importantes para explicar a poesía de Luana Claro son a portuguesa Ana Luísa Amaral, a brasileira Angêlica Freitas ou o “hebreo” Amos Oz…e queda claro que non só le poesía, que o seu mundo é a literatura á vez que o seu propósito sempre é a comunicabilidade, por iso ilustra ela mesma os seus libros e reforza o que xa dixemos: o plano formal, o plano estético resulta fundamental, fundamental aínda que por veces pareza que a escrita non logra comunicar todo o que a autora pretende e por iso bota man da expresión plástica…e aínda así non hai garantías de que todo fique expresado.

Por iso, repito, lean a súa poesía con suma atención, demoradamente. Degústena na súa totalidade, lean e volvan reler. É fácil vivir cos ollos pechados. A poeta e a súa poesía conseguen que os abramos a cousas que poida que nos pasaran desapercibidas de primeiras.

Tamén cómpre dicir que Luana Claro é unha persoa que escribe desde o compromiso social. A xente é política, fai política en calquera das súas manifestacións vitais, sempre. Ela, como muller lesbiana e representante do colectivo LGTBI+, é moi consciente diso e esa é outra dimensión que  non debe escapar na lectura dos seus textos. Uns poemas que, se se fixan, moitas veces recorren á seriación, van unidos un aos outros como procurando un macrotexto semánticamente máis completo e complexo.

Este é o seu Faceboook

Agora quedamos coa súa poesía.

(Na Ruido Manifesto)

o homem dilacerado caminha

a passos sofridos estende

o jornal e não lê, chora

tremelica suplica

não sou filho não sou pai

só quero morrer já fiz de tudo

todas essas palavras são inúteis

à noite o homem dilacerado sonha

com suas mãos encolhidas

que ainda vive e com rostos

que não são o de minha irmã

*

de repente ele começou a falar uma língua estranha. ninguém

podia compreender que diabos. uns sons frágeis e pequenos e sem forma,

*

certo dia ele sumiu. por onde saiu, não se viu. pudera: estava tão pequeno

que mal podia enxergá-lo,

*

é difícil acreditar, mas acho que ele voltou. diferente,

ele não é mais o homem de antes. agora ele cabe dentro

de uma gaiola, continua a emitir os sons frágeis,

*

pardal-de-java

pássaro-do-arroz

olhos familiares

*

convencionou-se abolir as gaiolas

concordou-se que eram demasiado

desumanas

assim estabeleceu-se a rotina do homem

fitar o ambiente com estranheza

emitir eventualmente seus piados

mais comunicar-se com os olhos

de cabeça de alfinete do que com a língua

da qual gradualmente tornou-se um estrangeiro

*

o que importa, entretanto, é em qual língua ele sonha,

*

num raiar de agosto notou-se constatou-se

o desaparecimento total do homem

acredita-se que ele pode ter continuado

a diminuir até o fim

acredita-se, especialmente, que ele voou

para o mar do qual nutria imensa saudade

acredita-se

acredita-se

*

e despeja teu canto genuíno

como se o último fosse

uma vez que não se sabe

toda palavra é por sua vez

ela mesma última

…………

Anuário

falar dos falecimentos

e dos acidentes

sobretudos dos falecimentos

que são resultado dos acidentes

graves

o inverso pouco interessa

*

certamente o conhecimento prévio

poderia nos salvar desse

ou daquele acidente

naquele ano nenhum avião grande

caiu na cidade ou no país

o toninho sofreu um acidente de carro

por sorte nada lhe aconteceu

tão somente por sorte

embora houvesse conhecimento prévio

do risco

a filha do português enlouqueceu

uma grande tragédia

mas não um acidente

seus gritos ecoavam pela rua

enquanto seu cérebro era comprimido

de dentro para mais adentro

mais do que um acidente

má sorte

e para esse mal não há mesmo

conhecimento prévio que preste

*

nem todo acidente é simultaneamente má sorte

nem toda má sorte é simultaneamente acidente

existem acidentes

que não passam de uma questão de perspectiva,

graças a deus

já a má sorte é unívoca, por azar

*

naquele ano houve certamente

acidente de toda sorte

a maior parte deles figurava

nas fotografias tiradas por roberto

que trabalhava na perícia

do estado de são paulo

amigo de arnaldo

que principiava alguma-coisa-de-acidente

na impossibilidade de palavra melhor

roberto recebeu um convite

que fotografasse o casamento de arnaldo

que não chegava a parecer uma tragédia

naquele ano

ainda

apesar do conhecimento prévio

que se tinha a respeito dos fatos

se alguém dissesse a arnaldo que ele

pouco tempo depois disso estaria

embaixo de um ônibus

pela morte de seu primeiro filho nascido

a motocicleta marcada pela dureza do asfalto

ele não acreditaria

na potência dessa alguma-coisa-de-acidente

embora esses acontecimentos não pudessem

ser organizados em causa e consequência

e lá se vão os anos

marcados pela dureza do tempo

e alguma má sorte

mas naquele ano estavam todos na festa

de casamento do arnaldo

e o fotógrafo de acidentes a procurar

o que poderia ser uma questão

de acidente ou perspectiva

ou quem sabe sorte

*

naquele ano morreu clara nunes,

após muitos dias em coma

*

o ofício de roberto se assemelha

à montagem de um anuário

capturar do acidente

o que sobra do acidente

do ano

o que sobra do ano

e lá se vão os dias

…….

o ruído da porta rangendo

ecoa vindo do fundo da mente

mesmo de olhos fechados

há o fato irreversível inegável

é preciso coragem

para encarar a entreaberta

porta seu feixe de luz

suas infinitas possibilidades

e da minha visão

metade é escuridão e

metade é amanhecer e

muito me faz falta a fé

para crer sem ver

nos contornos do invisível

*

hoje quase peguei o ônibus errado duas vezes e isso

invocou em mim as ruas labirínticas da cidade

em que o céu se desmancha

em escuridão nascente

a confusão que fiz com os nomes

não será perdoada

a memória anda ruim para coisas boas e pequenas

repentinamente a pequenez das coisas é o que importa

as pequenas ruas da cidade

penso no átimo que existe entre o acerto e o erro

em como posso entender os meandros do tempo

quem sabe pegar o ônibus errado

numa viela qualquer esbarrar no grande maléfico

entender os desígnios do invisível

compreender o que seus contornos me mostram, por fim

ah, como queria poder colocar

o coração no bolso

me desaparecer de mim

numa viela qualquer

*

o tempo constrói lentamente

um monumento entre nós

seus meandros são um mistério

tua figura solar se delineia contra o desconhecido

tua figura solar encarna por vezes o inexplorado

em que lar repousa teu pensamento

e quanto perdeu-se de ti

pelas veredas que a muito contento

teus olhos vislumbraram

de mim, quanto havia em ti

do meu amor,

quanto ficou pelo caminho

quanto ainda resta

quanto é necessário

quanto havia no teu pensar

quanto havia na tua ideia de lar

quanto havia na tua volta

tua figura solar me faz lembrar

dos pássaros, do pássaro que parte

para norte ou sul, indelével

e que nunca é o mesmo quando volta

*

lembro quando pequena

da jaqueta vermelha

ou era amarela?

tingi minha intenção

de azul anis

era apenas mais um corpo

na cidade do sol

mas minha vontade era púrpura

e meu desejo, vermelho

lembro da camada que por costume

sucessivamente depositamos

sobre a parede da memória

era amarela ou verde?

………………………….

(Na Gueto)

menina
vem aqui colocar um brinco
não é assim que se brinca de

menina
já te disse, fecha as pernas
ou sofrerá duras penas de

menina
não fala desse jeito não ou te
dou um safanão pra aprender a ser

menina

*

escuta o que digo
não sou bonita

quando estou rastejando
por vida eu não sou
quando o sol nasce,
não sou
quando se põe
não sou também

quando deixo de prestar
atenção a toda ficção,
não sou também

quando me abandono,
não sou
não espere nada de mim

*

é infeliz que não se
ensine em lugar algum
como vencer o próprio corpo
como vencer o peso do próprio corpo

……………………….

(Na revista da USP Opinaes )

crítica de UN SEÑOR ELEGANTE, de Suso de Toro, en Xerais

O COMPROMISO SOCIAL DO MELLOR CIRURXÁN

Título: Un home elegante

Autor: Suso de Toro

Editorial: Xerais

Velaquí unha nova novela de Suso de Toro, unha novela consistente, unha novela de peso, unha novela que computa 530 páxinas (incluído “Preludio”). Unha novela de non ficción, unha novela de non ficción non só no sentido de que a finalidade é rescatar da nebulosa do tempo pasado a figura de don Ramón Baltar, un moi ilustre cirurxán (chegou a ser presidente da Sociedade Española de Cirurxía) por canto no ámbito da cirurxía foi un reputado e moi recoñecido profesional tanto a nivel galego como estatal. E é tamén unha novela de non ficción no sentido que incorpora a voz do propio autor, de xeito que mesmo se pode dicir que é como unha mestura entre unha novela documentario e unha novela lírica, incluíndo nese lirismo ( e o lirismo é non ficción) as vicisitudes polas que vai pasando o discurso mentres este vai sendo escrito, con reflexión metaliterarias incluídas. Esta inclusión da voz autorial ten unha dupla repercusión no discurso. Por unha banda sérvelle ao autor para comentar partes da biografía de don Ramón que non parecen moi claras, é unha maneira de encher certos silencios que se van presentando na vida do ilustre cirurxán, e tamén é unha maneira de comentar para tratar de entender por parte de Suso de Toro mellor algunhas pasaxes da vida do cirurxán (e tamén da vida en xeral). E, por outra banda, iso ten unha repercusión no ritmo expositivo da biografía de don Ramón Baltar; é dicir, inflúe na administración da información a que vai accedendo quen le. En moitos casos, esa voz autorial resulta útil, non só porque axuda a encher silencios senón tamén porque dá entrada a reflexións autoriais que, se son necesarias para a voz autorial tamén resultan proveitosas para que quen le obteña unha meirande dimensión da figura homenaxeada na novela e do proceso de esrita desta. Porén, o que primeiro vai notar quen le, é que no comezo esa voz autorial fai que o ritmo expositivo sexa lento, entre outras cousas porque canto máis lonxe pescudamos no tempo máis lagoas e nebulosas atopamos, como é lóxico.

                     Tamén hai que dicir que Suso de Toro rescata do esquezo con que o tempo vai pesando a vida dun home, dun cirurxán, que tivo unha notábel influencia na vida compostelá en boa parte do século XX xa que sempre se preocupou moito porque os máis desfavorecidos puideran ter ao seu alcance unha medicina de calidade. Pertencendo el a unha familia de clase acomodada, unha familia burguesa, sempre foi consciente das necesidades médicas dos economicamente e socialmente menos afortunados. E tamén porque, desde unha discreción moi notábel e notoria, sempre observou un comportamento político comprometido, mesmo moi comprometido, chegando a realizar operacións no seu sanatorio compostelán a guerrilleiros antifranquistas (Foulecellas, por sinal), fuxidos e persoas desafectas. Calquera outro singulaizaría socialmente a súa posición,  a súa loita antifranquista, sobre todo despois da morte de Franco, xa sen perigo, mais el optou sempre por ficar “fóra de plano”, como se di na novela. Era máis importante facer as cousas que quen as facía, unha postura, unha modestia que o honra. Malia ser perseguido por desafecto á causa, era tan bo cirurxán que a Franco non lle quedou outra que condecoralo, non vou contar agora a “anécdota” a que deu lugar, só direi que pouco máis tarde don Ramón Baltar publicou un esmagador informe sobre a situación da sanidade española.

                     Sendo a vida de Ramón Baltar o obxectivo central da novela, é lóxico pensar que tamén o seu pai (de quen herda oficio), mesmo o seu avó, os seus fillos, e calquera que poida botar luz sobre vida de tan ilustre personaxe (desde a súa dona, á súa nai, pasando por enfermos que el operou, ou outros rianxeiros da época, como Rafael Dieste e, sobre todo o seu irmán…) ten cabida no discurso de Suso de Toro, algunhas veces non é moita información a que achegan mais permiten reflexións sobre vida do homenaxeado que si lle son útiles ao autor.

                     Como xa dixen de inicio, nunha novela reivindicativa da figura de don Ramón Baltar (ou outro calquera) cómpre preguntarse até que punto o protagonismo da voz autorial é pertinente, acertado. E a resposta só se pode ofrecer tendo en conta o anteriormente indicado. Alén diso, o título non transmite o moi salientábel compromiso social do doutor Baltar, aínda que resulte lóxico tendo en conta que foi un home que sempre quixo estar “fóra de plano” (outra volta recuperamos a expresión da novela) e sempre refugou o protagonismo do seu compromiso social.

                     E quero aínda salientar o traballo de depuración lingüística que Suso de Toro levou a cabo, non é que quen le vaia atopar solucións lingüísticas novidosas en grande cantidade, mais con moitas concordo plenamente, como o uso da palabra “romance” en lugar do seguidismo castelán “novela”.

                     Eis, en definitiva, unha novela necesaria e imprescindíbel, ao rescatar do pozo do esquezo unha persoa moi notábel tanto no seu compromiso social como no seu labor profesional, ese cirurxán extraordianriamente competente; e aínda así unha personaxe moi descoñecida para a maioría da xente. Unha homenaxe moi merecida, que tamén é unha restitución imprescindíbel.

ASDO.: Xosé M. Eyré

Lilian Rocha, a poesía gaúcha

Nestas miñas presentcións da poesía de muller brasileira, os tres grandes centros ( São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janiero) son os máis representados e iso é lóxico desde que é aí onde se desenvove máis actividade poética. Con todo, xa con Jarid Arraes excursionamos á poesía nordestina de cordel, que se aparece como unha realidade recoñecida, diferenciada e mesmo protexida aínda que puidera e debera ter máis e mellor protección. Non sucede o mesmo coa poesía do sur, coa poesía gaúcha do sur, e aínda que xa vimos a poesía de Angélica Freitas (Pelotas, Rio Grande do Sul) sentimos a necesidade de acrecentar máis nomes para ofrecer unha imaxe o máis xusta posíbel. Como o de Lilian Rocha, de quen hoxe presentamos a súa poesía, nativa de Porto Alegre, tamén no Rio Grande do Sul. Nesta entrevista fala ben claro de cal sobre cal é a situación da poesía de autoras negras no Brasil, non perdan, por sinal, a denuncia do “descoñecemento” ou ruído de silencio que quer apagar a grande obra de Carolina Maria de Jesus que serve como espello do que acontece coa poesía de muller negra brasileira. Vexan como Lilian presenta e homenaxea a poesía gaúcha de Oliveira Silveira. Este ocultamento da cultura/poesía gaúcha é denunciado nesta entrevista a Lilian Rocha. Como poeta gaúcha é presentada por Danilo Lima https e como tal quero eu presentala tamén.

Lilian tivo desde cativa acceso á cultura escrita, aos libros, e foi unha lectora bastante precoz e entusiasta. E é importante non esquecer que, tamén desde cativa, cultiva o amor pola sonoridade da lingua, declamar, cantar, falar, dotar de dimensión concreta á palabra. É na adolescencia cando toma conciencia do valor e características, do que significa ser negra e muller no Brasil.

Polo momento a súa obra por min coñecida é esta:

A vida pulsa – Poesias e reflexões. Porto Alegre: Editora Alternativa, 2013.

Negra soul. Porto Alegre: Editora Alternativa, 2016 (poesia).

Menina de tranças. Porto Alegre: Editora Taverna, 2018 (poesia).

É coautora do libro Leli da Silva – Memórias: Importância da história oral (2018) e coorganizadora da antoloxáa Sopapo Poético – Pretessências(2016), e tamén do Sarau Sopapo Poético. A importancia dos saraus para as autorías femininas negras non é nada novo nestas presentación miñas, mais convén lembralo. Ser negra xa conleva pertencer á marxinalidade nun  país tan racista como o Brasil. E ser poeta conleva a necesidade de que esa obra, esa poesía, teña recepción, sexa recibida polo@s destinatari@s, por iso os saraus e calquera evento onde desde a oralidade se pode chegar a moita xente é moi importante. De aí tamén que fagan moito uso das redes sociais e, concretamente o youtube, lles sexa unha plataforma moi útil. Tampouco será novo lembrar que a poboación negra ten un poder adquisitivo menor que a branca.

Se ser muller e poeta no Brasil non é doado, ser muller negra e poeta é aínda máis complicado. Entre otras cousas, ademais da temática propia relativa aos intereses ónticos propios do mundo interior de cada persoa, a muller negra estimo que precisa reafirmarse na súa negritude e denunciar o racismo á vez que o machismo. E esta é a temática preferente na selecta que a continuación convido a ler.

(Na Sina)

NEGRA

Negra
Palavra
Bendita
Que saiu
De tua boca
Como insulto
E que transcende
Em minha dança
Em minha história
Em minhas crenças
Em minha luta
Em minha vitória
Que corporifica
Em meu sorriso
De perplexidade
Da tua pobre
Medíocre ignorância!

CAPITÃO DO MATO

Capitão do mato
Por que matas
A tua consciência?
Com a matança
Dos teus
Eu só te pergunto
Afinal… quem morreu?
Reza a lenda
Que foi o teu EU!

PRECISO ANDAR

No primeiro instante
Uma tristeza profunda
A terra sob os meus pés
Treme
Uma incerteza
Paira no ar
Logo mais
A respiração se estabiliza
O reflexo e a memória
Se dão as mãos
Como assim resistência?
Por acaso em algum momento

Da vida
Deixei de ser resistência?

Meu corpo negro
Estereotipado, objetivado
E não será agora
Que será diferente
Olhos mais abertos
Intuição
Audição da alma
Juntos de mãos dadas
Com os meus
Eu te cuido
Tu me cuidas
Nós nos cuidamos
E seguimos
Pois a bala tem alvo
E na palheta de cores
O gato pardo
É Negro!

LÂMINA

Tua fala
Machuca mais
Do que tiro
A tira roupa
É um rombo
Sem pedir licença
Sem bater na porta
Sem aviso prévio.
Que a lâmina
Da tua língua
Não te corte

Por inteiro
Pois o veneno
Não caberia
Na Farmacolândia
Existente em cada esquina
Das podres cidades
Entorpecidas
Pela hipocrisia
Disfarçada de realidade.

GARGANTA

Na garganta
Um grito mudo
Paciência mulher…
Cansei de paciência
De inocência
Roubada
E do sorriso
Estampado no rosto
Como cartão de visita
Quero que o meu grito
Ecoe
Reverbere
E ressoe
Em todas as mulheres
Peito a peito
Olho no olho
Sororidade
De manas

Que se reconhecem
E amanhecem
Transformadas
Pela vibração
De cada voz feminina
Liberta, igual
Salve
Negra bendita.

CHOCOLATE

Chocolate
Chicote
Chocolate branco ou negro?
A mão que bate
Reverbera a história mal contada
Reativada e permitida
Escancaradamente
Branca
No doce amargo
Ao leite.

FIO DE PRATA

Sabes Negro
Hoje
Vejo-te
Percebo-te
Reconheço-te
Não pela tua cor
Tua marginalização
Tua resistência
Mas por algo que nos une

Nosso fio de prata
Ligado no plexo
De nossa Ancestralidade.

MARCAS

Na pele a marca
Do rasgo profundo
Cerzido
Pelas histórias distorcidas
De um povo
Roubado em suas memórias
Seu grito calado
Revela ira
Que reverbera em seu peito
Sufoco
Mas não morro
Sou um sobrevivente!
Fui rei, guerreiro, trabalhador
Escravizado, liberto, enganado
Desempregado, favelado, presidiário

Amaldiçoado.
Fui princesa, mãe, trabalhadora
Escravizada, ama de leite, violentada
Liberta, enganada
Prostituída, sexualizada
Rebaixada, humilhada
Chega! Meu grito não mais se cala

Agora ressoa
Respeite a minha tez
Fruto da origem da Vida
“Gen” de todos os povos
Dos meus olhos

Não sairão mais lágrimas salgadas
Mas sim o vislumbre
Da saga vencida.

………………….

(Na Acrobata)

Saudade

Na carta amarelada
Letras esfareladas
Recordações
De um tempo passado
Com cheiro
De terra molhada
Vaga-lumes
Transeuntes
De uma noite estrelada
A lambida do selo
Acabou
Os dedos
Molhados de cola
Já não tenho a destreza
Da escrita com a caneta
Agora o meu corpo

São dois polegares.

Choro

Na chuva
Miúda dos días
O choro
De vidas
Escorre
Morro abaixo
Salvando a cobertura
Prisão
Murada
Envidraçada
Sem reflexo
Sem empatia
Sem nada.

Agro

O Agro
É nosso
Agro
Tóxico
Mata-se
Pela boca
A fome
Não existe
Ilusão
Dos esfomeados
Alucinados
Pela droga
Vendida
Em cada esquina
O Agro
É pop.

Fêmea

Na boca
Ainda úmida
Da tua saliva
Meus lábios
Estalam
Prazer e libido
Quero repetir
A dose
Da embriaguez
Que me tonteia
Os sentidos
Tremo de cima
Abaixo
No soar
Do teu gemido
Sou tua fêmea
Faça agora
Todos os meus
Caprichos.

……………………….

(Na LiterAfro)

Nossos olhos

Um grito ecoa na noite
milhares de vozes
silenciadas
um tiro, dois tiros… seis tiros
um soco no estômago
um vômito que vem com raiva
com medo, com desesperança
mais uma de nós abatida
feito caça
feito bicho.
nossos olhos
estão cheios d’água
o nosso espelho
foi estilhaçado
as vozes presas
no desespero
da verdade nua e crua
se dão conta
que a carne mais barata
continua sendo a da mulher
negra, periférica, lésbica, militante.

Pixaim

meu cabelo
incomoda
causa surpresa
indignação
mostra postura
presença
negra
na sociedade
eurocentrada
do liso molejo
da escravidão
do estilo
aceito.
sem preconceitos
gosto dele assim
crespo
mirando o céu
desenhado à nanquim
viva
o meu cabelo
pixaim!

Tropas de São Benedito

A cara preta
da revolução
foi esquecida
bravos guerreiros
vencidos
em uma luta
perdida.
porongos
emboscada
maldita.
e a liberdade
sonhada
ficou na lembrança
da lança
manchada de sangue
na terra
farroupilha
um grito
na mente
ecoa no silêncio
LANCEIROS NEGROS
Presente!

Urbanismo

a senzala
urbana
expulsa
dos grandes centros
reverbera
seus ataques
nas encostas dos morros.
ao centro
a casa grande
sufocada e murada
surta!

XXVII.

e a vida pulsa
na cadência da negra soul
fruto da minha pretessência

XVIII.

no solo úmido
só sinto
as lágrimas
de uma nação

XX.

novembro,
setembro,
maio…
o que são três meses
em face de 400 anos
de escravidão?
consciência humana,
emboscada maldita,
dia da mentira…
balelas da meritocracia
fascista e racista

XXV.

frio
em um casarão vazio
operação inverno
tapa buraco
nas consciências
vazias
dos governantes
aquecidos
em suas torres
de prepotência.

(Todos de Menina de tranças)

……………………

(Na Ruido Manifesto)

A FOLIA ACABOU

A folia acabou

Olhos marejados

De saudade

Do sorriso solto

Da dança fácil

Dos pequenos flertes

Da sede inacabável.

A folia acabou

Saudade

Da verdadeira história

Retratada

Da liberdade de expressão

Das bandeiras

E gritos de alerta

Da empatia

Pela felicidade.

A folia acabou

Restou a reforma da previdência

A educação

Ladeira abaixo

O feminicídio

O genocídio dos jovens negros

O desemprego.

A folia acabou

Restou um Brasil

Que chora as suas dores

Lágrimas que tentam lavar

E curar

O massacre

Do trabalhador brasileiro.

*

Na boca

Salgada…

Ah, mareada

Sereias

Mergulham

No êxtase

Profundo

Do gozo

Da Vida.

…………………………

Aquí podedes escoitala

Mariana Botelho, a suavidade da revelación

MARIANA BOTELHO

Lin que a poesía de Mariana Botelho ( Padre Paraíso, Minas Gerais, 1983) foi/é considerada minimalista por ela se expresar con brevidade. Iso é entendíbel no contexto brasileiro, onde os poemas moi frecuentemente son máis longos. Aínda así, eu non participo para nada da denominación “minimalista” aplicada á poesía: primeiramente porque só é posíbel que se refira á poesía actual ou contemporánea, e aínda así esa denominación deixa fóra, por sinal, a quen escriba sonetos (que hai quen os escribe e moi ben), ou  é que os sonetos tamén son minimalismo?; e en segundo lugar porque o “minimalismo” sempre se entende de mans dadas coa “economía de recursos”, outra denominación que tamén non é moi feliz aplicada á poesía. Simplemente, quen escribe (sexa prosa, sexa poesía) ten que saber exactamente cal é a dimensión do que quere contar/dicir/expresar. Facelo en máis extensión da requerida difumina, desdebuxa, apaga a mensaxe principal do que se quere transmitir. Facelo en menos extensión da debida tamén leva ao fracaso, pois non se consegue exponer o tema cabalmente.

Vista a súa poesía desde este lado do Atlántico, non estraña a súa dimensión espacial.

Posibelmente o feito de que ela nacera e se criara nun núcleo urbano pequeno (Padre Paraíso anda sobre os 20.000 habitantes, máis ou menos) e fóra da influencia de centros como Belo Horizonte, São Paulo ou Rio de Janeiro, posiblemente ese feito axudara moito a que Mariana Botelho lograra unha expresión moi propia e singular dentro do  panorama poético brasileiro.

Desde a máis tenra adolescencia leu a Pessoa, Vinícius de Moraes ou Neruda, mais quen foi fundamental para ela é Ana Cecília de Sousa Bastos. Outr@s poetas importantes para ela son Carlos Drummond de Andrade, Augusto dos Anjos, Cecília Meireles, Mario Quintana, Emily Dickinson, Ezra Pound, Cummings, Lorine Niedecker, Yeats, Juan Guelman, Adília Lopes ou Adélia Prado.

Mariana Botelho concibe a poesía como unha revelación íntima. É importante entender que a revelación non ten porque ser de algo espectacular, grandioso, epatante. Ou pode que si, en todo caso a poesía revelación de Mariana Botelho pasa primeiro por  unha demorada convivencia nos seus adentros( sensibilidade, conciencia, cultura, sentimento, razón…) para despois expresarse como tal revelación mais xa na categoría de revelación íntima. Esa convivencia nos adentros da poeta ( ela sente necesidade de esmerar o poema, de dicilo para si, de controlalo totalmente), tamén pode explicar a brevidade.

En todo caso, Mariana foxe da contundencia na revelación. Non pretende deslumbrar, senón ensinar, amosar, indicar… e faino con delicadeza, cunha delicadeza que convida a quen le a partillar a mensaxe: interiorizala, reflexionala e despois partillala. Esa é unha das cousas que máis me atraen da poesía de Mariana Botelho, que sempre logra un ton confidencial no que quen le se acha á vontade.

De Mariana sei que publicou no 2010 O silêncio tange (Ateliê Edditora, un título co que logrou chamar a atención de crítica e lectores), en 2015 K (Clãdestina Cartonera), mais non coñezo o terceiro, que dedeu ver a luz hai pouco.

A crítica, polo que lin, sinala como características temáticas súas as referencias á natureza (nomeadamente á auga) e ao propio corpo. Pola miña banda, a emoción reflexiva que consegue inocular nos seus poemas, e a delicadeza coa que o fai, é o que máis me interesa

Mantén unha bitácora, o blog Suave Coisa mais é só para lectores inscritos.

De todos xeitos, eu aconsello moito seguir o seu Facebook

Imos coa súa poesía:

 ( Na Ruido Manifesto)

a distância entre nós,

amor

o sangue jorrando

avião que parte

de nossas cabeças

para o planalto central

eis aqui o tão longe

para onde venho –

magra como meu passado –

chorar a voz

do meu antigo nome

*

estou farta

de pessoas

que não vêm

esperar os filhos à mesa

esperar que tudo dê certo

esta casa está em desordem

e não há sequer um canto

para abrigar a paz

escrevo com muito medo

de que os homens saibam

que a mesa não está posta

e eu não limpei

o leite derramado

*

de novo

dia

alma de hortelã

e névoa

o silêncio perdoa

meu corpo

magro

perdoa o homem

que se foi

é setembro

basta uma oração

e é manhã de novo

*

Nascente

córrego

cachoeira

ribeirão

eu choro

pra pertencer à paisagem

(Emmanuel Mirdad)

afinação

Mariana Botelho

há que se aprender a tirar silêncio

das coisas

quando uma coisa produz silêncio

ela está

pronta

——–

cesariana

(para Pedro)

Mariana Botelho

seus pequenos olhos

cor de aurora represada

ainda que um dia se afastem

ficarão

nessa pequena cicatriz

——–

náufragos

Mariana Botelho

nossas bocas

nossas mãos

pequenos afluentes de silêncio

submersos

nem nas palavras que calamos

nos encontramos

——–

estação

Mariana Botelho

tenho um outono no corpo

de onde as

coisas

caem

vejo doçura nas roupas

espalhadas

pelo chão

——–

nascente

Mariana Botelho

córrego

cachoeira

ribeirão

eu choro

pra pertencer à paisagem

——–

“meu pai me deu esse olho de pássaro

pra mim o

tempo

voa”

“porque a palavra me pega de dois jeitos:

de um jeito que não basta sabê-la

de um jeito que me come

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem

esperando a sede

enquanto ouve a palavra água”

“no corredor o vai vem das

saias onde eu me

agarrei

(…)

no canto da sala a cadeira da minha

avó onde um dia

a dor

me esperará”

……………………

( En Poesia.net)

ABSTRATO

eu nunca beijei um poema.

no entanto ele está aqui
roçando leve minha
boca

nas horas dos
mais
doídos
silencio

ATO

um poema me deixou um sismo na carne
me arqueou o corpo
e traçou em minhas costas itinerários de espuma.

com um gosto de cor
na boca
deixei cair pulsante
um
longo beijo
morno
 



RESISTÊNCIA

um pote cheio
do furor que escorria dos teus olhos
guardei

porque gastamos todas
as nossas mãos

e restou inteiro
esse sentimento
enrugado

que não
passa




INTIMIDADE

um pequeno itinerário de passos
uma claustrofobia acariciada
gente que todo dia me bate
à porta e entrega-me os
cílios meus que encontraram
na calçada…

o dedinho de uma linda preta
com quem dividir os cílios caídos
com quem dividir o medo
de não sobreviver e de sofrer
a violência das crianças na escola.

aquela voz grave todas as manhãs
todas as manhãs
aquele cheiro só
aquele cheiro de capim chovido
os olhos negros do meu pai
e uma cidade íntima
soluçando dentro de mim.




CESARIANA

               para Pedro

seus pequenos olhos
cor de aurora represada
ainda que um dia se afastem
ficarão

nessa pequena cicatriz




[OS OLHOS DE MEU PAI]


os olhos do meu pai fincaram em mim duas colunas de óleo negro
buscando retalhos de amanhecimento

em vão

nada digo
que seja digno de claridade





 

ÁGUA

Água.

fui sentir o cheiro de
terra molhada.

ficamos ali
eu e meu corpo,
cantando a plenitude do mato
depois da chuva.

Água.

me amei.

[TUDO O QUE ME RESTA]

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem de
                                                       [ um rio
esperando a sede.

porque a palavra me pega de dois jeitos:
de um jeito que não basta sabê-la;
de um jeito que me come.

tudo o que me resta é dizer de um corpo que chora à margem
esperando a sede
enquanto ouve a palavra: água





[TANTA COISA]

tanta coisa que fala no corpo

cala

na pequenina poesia




COISA QUE ME OCORREU DE REPENTE

a poesia se derrete nas mãos do poeta
como gato que ele afaga

a poesia queima nas mãos do poeta
como um fogo que ele alimenta

a poesia afoga as mãos do poeta
é um copo do oceano que ele mesmo inventa

o poeta é um mar de si mesmo.




[O SILÊNCIO]

o silêncio tange o
sino de tão
leve ninguém
escuta




PERSONA

                    o poema
                    essa estranha máscara
                    mais verdadeira do que a própria face
                             Mario Quintana


não é isso o que somos mas é assim que resistimos
porque fingimos que fingimos

empurramos nossos barcos contra as marés da aurora
para que a noite não passe

e continuemos despidos
 



ESTAÇÃO

tenho um outono no corpo
de onde as
coisas
caem

vejo doçura nas roupas
espalhadas
pelo
chão

……………………

(En Tudo é poema)

navegar o centímetro do gesto
no mar infinito do verbo

é teu o que te for dado:
o olhar cansado preso à teia,
o medo já domado da fera,
o beijo.

tudo o mais
entrega

eu te quis em meio a essas violentas
portas enquanto
o amor se confundia em
minhas pernas se perdia
entre as frestas
inundava meus vãos

INTIMIDADE

um pequeno itinerário de passos
uma claustrofobia acariciada
gente que todo dia
me bate à porta e entrega
cílios meus que encontraram
na calçada

o dedinho de uma linda preta
com quem dividir os cílios caídos
com quem dividir o medo
de não sobreviver e de sofrer
a violência das crianças na escola

aquela voz grave todas as manhãs
todas as manhãs
aquele cheiro só
aquele cheiro de capim chovido
os olhos negros do meu pai
e uma cidade íntima
soluçando dentro de mim

os olhos do meu pai fincaram em mim duas colunas de óleo negro
buscando retalhos de amanhecer

em vão

nada digo
que seja digno de claridade

………………………

( En António Miranda)

a poesia esqueceu-se numa casa de Minas
o cheiro de manga em dezembro

há cana cortada em cubinhos
doce para o mel da lembrança

lágrimas, um pouco de sal
para o tempero da memória

a avó não abre mais os olhos

a poesia esqueceu-me numa casa de Minas

…………………..

( En A mulher e a poesia)

…………………………

(na Escamandro)

CAVALO I

intempérie
assolou o quintal

devorou alface
(sonhos
do sol
sobre as folhas
às quatro da tarde
com café novo
no bule)

– não é fácil
respirar –

rasga meu sono

põe as patas
no meu peito

me aperta entre
vida e morte:

por cima
sem cuidado

por dentro e
através

§

a força
do esvaziamento

presença
excessiva
do corpo
no corpo

– do corpo
no chão –

como que plantado
na queda

a “mói” de um trator
sabe explicar
todas as ruínas

um fio na chuva, –
se tivesse
ainda
outro lugar por
onde chorar

chorava

§

é como estar debaixo d’água

em transe
numa casa
de vários quintais:
o amor

família inteira à espera
(araras
no cerrado
às seis da tarde) –
talvez
para jantar –

à luz de um sol

(talvez dois)

dos olhos mais
bonitos
que já vi

§

um corpo cai

nem as feridas atestam a veracidade
do que parece sonho

inaugura todos os dias
uma nova vertigem
para a mesma viagem:

um trem de ferro que passa
ao largo
de nossa morte

………………….

Na Germina, hai poemas inéditos 

…………………………

(Na Linha de vida)

permanece na língua
o sabor de lima

e é doce –
como diz a memória

essa fruta
colhida
fora do tempo

……………..

(En Modo de Usar& Co.)

fotograma

ela na copa
macacão de operário

ele na sala
sentado no sofá
o  homem de Rodin

eu aguardava no
batente da porta
vestido verde de crochê
três pérolas no busto

o momento
de pedir colo
depois de quebrarem
o lindo
telefone azul

§

a manhã nos obriga
a chorar
sempre

esquecer
a tosse noturna do filho

a urgência
do amor

o verbo
nosso pai
o silêncio
nosso filho

nosso rito diário
de esquecer

§

não sei verbalizar
o abismo

sei cair
dentro dele
como dois olhos que eu avisto e temo

e o chão se demora –
amor –
a tocar meus pés

§

te amo
de bom sono

acorda
o que tenho
de melhor
entre as pernas:

o pensamento



§

é uma cidade muito pequena
para tanta distância

é preciso
ir devagar
com os cuidados, meu pai

devagar com os cuidados

é uma cidade muito pequena
para caber tanta dor

§

I.

acredite pai
como dói esse braço de mar

muito mais que sua ausência

II.

nunca foi boi
nunca te doeu
um pasto na alma

são estas coisas —
muito mais
do que seus olhos

§

aprende
a hora
das coisas

a certa altura
elas têm boca
mãos incríveis –

tu te sentes uma harpa

a certa altura
as coisas têm olhos
que tu nunca
vais esquecer

…………………….