Os exilios de Xabier Cordal

Título: Resistencia da auga

Autor: Xabier Cordal

Editorial: Chan da Pólvora

O que vou escribir a continuación son reflexións que nacen en min despois de ler o último  poemario de Xabier Cordal. Aviso isto porque non é unha crítica ao uso dun poemario, nin sequera un artigo “a propósito de”, ou “sobre” que algunhas veces fago. Non, é unha reflexión máis fonda, ou, mellor dito, máis ampla cá simple referencia ao libro de Xabier. Certamente, das seis partes en que se presenta o libro, a segunda titúlase precisamente así: “ Exilio”. Iso lévame a pensar xa non na escrita como refuxio, que tantas veces se ten dito, senón como exilio, cousa fundamental; pasamos do “acubillo” da poesía, a un sentimento de morar intelectualmente fóra da comunidade propia. Por agora manteremos esa denominación: comunidade propia. E iso fala de soidade, entendemos; de soidade e tamén de incomprensión ou mala recepción das mensaxes que como poeta (e poeta consciente política, social e lingüisticamente, moi importante) emite/emitiu. E ten que ver, naturalmente, coa “soidade do heroe sen guerra” de que tratamos en artigos anteriores. Resulta obvio que a expresión lírica se vén tendo como expresión da sentimentalidade ou pensamento individual, na maioría dos casos. Mais iso non é aplicábel a Xabier Cordal desde que participara no colectivo Ronseltz co lembrado Unicornio de cenouras que cabalgas os sábados. Existe unha clara vontade de intervención social que nace satiricamente do descontento ou refugamento dunha realidade que non consideran aceptábel, unha forma de rebeldía. Por iso este “exilio” nos parece grave, grave denuncia, se se quixer, lírica, non en van o poemario iníciase de xeito lúdico, non tan satírico (sen deixar se selo), reflexivo e demostrador da situación d@ poeta diante do público lector/receptor.

                     Ese é o primeiro “exilio” que nos vén á cabeza. Porén hai máis. Por sinal, o exilio lingüístico. A actual situación de desvalimento da lingua galega, combatida por quen a tiña que defender, relegada a un segundo plano fronte ao castelán “imperator” e vendo como o inglés lle come espazos…Non nos cabe dúbida de que de que ese é  outro “exilio”, un exilio dentro da propia comunidade, dentro do propio país. Non nos cabe dúbida diso e si debemos deternos na gravidade da denuncia de Xabier Cordal. Experimentar este sentimento dentro do propio país é dunha gravidade e dureza abraiantes, que nos deberían mover á reflexión e, por suposto, á rebelión. Non sente o poeta ser voceiro dunha sociedade que camiña ás cegas, preocupada unicamente polos bens consumistas da inmediatez. Vivir é sinxelo cos ollos pechados, que dicían os Beatles. Non o sente o poeta, non se sente parte desa sociedade. Porén, con isto, ese mesmo poeta retoma a función de voceiro da sociedade pois somos moit@s @s que nos sentimos así. A poesía, outra volta, avisando. Cómpre moi ben seleccionar a quen se lle fai caso, e a poesía non mente.

                     En todo caso, o poeta non escibe no ar. Mais como se o fixera, para o caso sente como as súas mensaxes se esborrallan cunha mínima ventada ou simplemente na soidade do ceo inmenso.

                     Da necesidade de acubillo que to@s sentimos, esgállase tamén, por sinal (outra volta), o regreso á infancia, xa non como “paraíso perdido” (ese tópico) senón como retorno a unha idade máis sincera, onde os afectos son fundamentais (e seguirano sendo) e a inocencia e alegría (case sempre) presidían os días. E que conste que, por moi tópico que se queira considerar, non deixa de ser certo. Mais, xa adultos, desa sentimentalidade tamén nos debemos sentir exiliados, non é posíbel revivila máis que como lembranza e as lembranzas precisamente está aí para facernos conscientes do que xa non temos.

                     Mais os afectos mudan co tempo, son outros, son diferentes, e tamén deles se pode sentir excluída a voz poética, excluída, exiliada. “escribes para ser amado / é o principio do exilio” (25)

                     Si. Vivir é sinxelo cos ollos pechados. Unha imposibilidade para cert@s poetas a quen lles resulta imposíbel non reparar no acontecer social ao seu redor, ou no acontecer político, porque iso non só forma parte da súa sentimentalidade senón tamén da elaboración reflexiva. Exilio, outra volta exilio, esa soidade. E, neste contexto cómpre retornar ao título “resistencia da auga”. Alguén pode considerala unha resitencia pasiva, pois a auga amóldade, adopta a forma de calquera recipiente sen deixar de ser ela mesma, a mesma auga. Unha maneira de resistir. Mais a pinga de auga, a humilde pinga de auga, coa súa insistencia é quen de furar superficies ben duras, de furalas ou de transformalas, oxidalas, refacelas destríndoas. Por iso, se alguén considerar desmotivador ou pesimista o poemario, que volva oa seu mesmo título, ao iniício .

                     Que é un poemario de cicatrices, de feridas ? Si. En cada poema. E cada poema, como cada cicatriz, formalmente, mesmo conceptualmente, adopta diversas formas, o que lle confire ao poemario unha riqueza formal moi a ter en conta e moi en consonancia co título, con esa auga que tamén adopta a forma que se precisar.

                     Mais, para reamatar, negámonos a considerar que o exilio é a derrota. Non son sinónimos. En certos casos o exilio é permanente, así o manda a caducidade da vida, mais aínda desde o exilio a mensaxe pode ser inmortal. Pode. É, sinxelamente porque a poesía é inmortal, e máis a boa poesía, a poesía consciente, a poesía que non é “espectáculo”,  para usar unha expresión do porpio Xabier Cordal, ese poeta irrepetíbel.

ASDO.: Xosé M. Eyré 

(Ben, unha vez escrito este textom parécem moi acaído rematar con este poema de Helena Zelic, de quen trataremos máis demoradamente o vindeiro domingo:

 

OUÇO COM ATENÇÃO QUANDO POETAS FALAM

algo importante pode

estar prestes a sair

da boca de poetas

ouço com atenção

mesmo quando poetas chegam

quase lá mesmo quando fingem

entregar o ouro

bruto

ouço

algo importante está na ponta

da língua que poetas estendem

para a gente agarrar ou lamber

com atenção

quando algo importante está no centro

da terra e da gente que é vivo

i ching magma espírito matéria

poetas traduzem pela meta/

de propósito

algo importante será revelado

pela câmera analógica de poetas

quando a luz avançando o sinal vermelho

poetas são carteiros

do único envelope

extraviado aquele

quando todas as versões

são possíveis

quando

poetas lavarem a roupa

suja do mundo encontrarão

no bolso da calça um bilhete

ilegível e por isso vão lê-lo

em voz alta

poetas falam

por isso sempre que posso

ouço com atenção

poetas falam

ouço com atenção até quando

sua voz é a minha

tomada de empréstimo

seguindo o dedo

que segue a linha

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   

crítica de ENTRECONTAR, de Iolanda Aldrei.

A MATERIA DA VIDA

Título: Entrecontar

Autora: Iolanda Aldrei

Editorial: Através

Non hai pregunta máis trascendente que esta: de que está feita, cal é materia que compón a vida? Porque a vida ha de ser algo máis que estar de pé, desprazarse e ir mercar ou traballar para satisfacer necesidades básicas ou perder o tempo en lecer inútil (máis consumo a conformar conciencias do pracer inmediato inmediatamente perecedeiro). Pois ben, a esta pregunta responde Iolanda Aldrei neste Entrecontar, a súa última publicación. E responde a esta pregunta sen formulala, que é o máis interesante, e que é o máis intelixente sinxelamente porque a xente non está habituada a formularse ou atender preguntas tan trascendentes e de fondas implicacións. Mais, ás boas lectora e lectores, ha de lles resultar apaixonante e atraente, ben seguro.

                     Describir a estrutura desta nova achega de Iolanda Aldrei non resulta difícil. Trátase dun libro de narrativa no que se vai “entrecontando” do seguinte xeito. Primeiro aparecen os “Contornos”, entre narrativos e reflexivos, que operan como unha presentación ou  primeira aproximación ao que ha de vir. E o que vén son diferentes voces, non imos desvelar o seu contido, simplemente indicar que “contornos” e “vozes” chegan momentos en que se imbrican moito máis do que en principio parecía que ía acontecer. A todo isto cómpre engadir que, nunhas palabras preliminares, Iolanda Aldrei sinala a vida (a vida e as persoas) como un labirinto, e no labirinto son os contornos, as marxes, a única posibilidade de guía de que dispoñemos. Estes “contornos” tamén resultan imprescindíbeis porque van seguidos dunha pluraridade de voces que non atenden nin responden a ningún eixo ou ancoraxe temporal nin espacial.

                     Ben, isto de que non responden a ningún eixo ou ancoraxe espazo-temporal, temos que aclaralo. É certo que esas voces proceden de diferentes tempos cronolóxicos e mesmo espaciais. Mais non de todo. Non se temos en conta que o espazo e tempo, no noso interior, na nosa mente e sobre todo no noso corazón, se amalgaman de tal xeito que só existe un plano espazo-temporal no que se manifestan, porque se manifestan “cando queren” (nós non sempre temos a capacidade de chamalos, de apelalos; e cando o facemos dá igual). Falamos de lembranzas, de emocións, de lendas, de realidades que foron, inclusive de posibilidades de futuro. En fin, falamos da materia que en realidade conforma a vida. Porque sen esta materia vital, o existir non pasa dun tempo baleiro e intrascendente no que non existen diferenzas substanciais entre as diferentes personalidades que somos, só unha uniformidade que varía de indumentaria ou “forma material”.

                     Tamén hai que indicar que Iolanda Aldrei non concibe o eixo espazo-temporal como unha encrucillada de liñas nun plano. Senón como unha espiral. Novidade importante. Porque ao ser así, as voces poden case tocarse, ou polo menos sentirse próximas xa que, a fin de contas, a vida é o mesmo labirinto e nós, os habitantes do labirinto somos máis que realidades ou formas materiais. E é nese “ser máis” onde radica a materia da vida, o que nos move por dentro e o que conforma as nosas personalidades, como dixemos, lendas, emocións, percpecións, soños…

                     Lendas, emocións, percepcións, contos, soños…parecen e son lugar axeitado no cal tamén se manifeste a poesía. E así é. Hai poesía, hai lirismo nestes relatos de Iolanda Aldrei, unha poesía que, sen abusar da súa presencia, chega moi dentro; resulta imposíbel ler os relatos sen experimentar a necesidade de “ensoñación” que se produce tamén cando lemos poesía, unha epifanía moi semellante. E, á vez tampouco se pode esquecer a compoñente humanística nos relatos de Iolada Aldrei, nos  relatos na mesma concepción que os materializa.

                     Por certo, se alguén acha algunha similitude entre o que vimos de escribir e o mundo literario de Álvaro Cunqueiro, que saiba que non é casualidade, do cal nos congratulamos, e que saiba tamén que o escritor de Mondoñedo é unha das personaxes destes relatos.

ASDO.: Xosé M. Eyré                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 

Natasha Félix. A poesía, o corpo, a pólvora e as magnolias

NATASHA FÉLIX: o corpo, a pólvora e  as magnólias

(Cando comecei esta serie de artigos divulgativos da poesía de muller brasileira, fíxeno coa convicción de que eran necesarios porque a poesía, a literatuta, brasileira é unha grande decoñecida na Galiza, fóra de tres ou catro persoas que sempre estiveron interesadas na lusofonía. E parecíame inxusto, por usarmos linguas irmás, porque a literatura, e poesía, brasileira do século XX ten unha calidade enorme, do mellor internacionalmente falando, outro día desenvolverei este argumento, e porque estou farto de que escritoras e escritores galegos se fixen especialmente no mundo anglófono e europeo cando o século pasado demostrou que, primordialmente, as novidades literarias máis interesantes chegan preferentemente da América non anglófona. De xeito que estes artigos pretendían reparar unha inxustiza á vez que me permitían/permiten ir tomando contacto coa poesía máis actual. A niña sorpresa foi que estes artigos tamén tiveron impacto no Brasil, o que me emociona especialmente.

Cada artigo nace dunha minuciosa escolla entre o que nos ofrece internet. Tanta lectura fíxome consciente de que a poesía brasileira de muller ten un nivel moi alto. Observo diferenzas entre a poesía de muller negra e a poesía de muller branca, outro día falarei diso, hoxe xa é suficiente para introducción)

Nestas, o nome de Natasha Félix e a súa poesía foron elixidas, primeiro pola calidade da escrita poética, despois por ser unha voz das novísimas, naceu en 1996 na cidade de Santos e hoxe mora no São Paulo. Natasha apendeu a escribir ensinada pola súa avoa materna, precisamente ver como o seu nome tomaba forma no papel en branco marabillouna. Este dato é moi importante, na niña opinión, porque eu non concibo a poesía de Natasha se non é como extensión manifesta do seu corpo, da súa propia personalidade, personalidade preocupada e atenta a todo o que a rodea denunciando inxustizas. Inxustizas hai moitas no mundo, e hai que denucialas, ser espectadores pasivos e inútiles é unha triste forma de morrer en vida. Inxustizas hai moitas no mundo, e hai moitas, moitas máis, se es muller. E hai moitas, moitas máis se es muller negra ( e no Brasil ) “vivir é perigoso”, que diría Adília Lopes, se es consciente do que iso significa, evidentemente.

Os comezo de Natasha na escrita poética foron, como cabe agardar, publicando os seus traballos en revistas en papel ou dixitais, estratexia que que non abandonará, que deu lugar, por sinal, ás “Consideracões sobre a higiene íntima”, que despois se poderá ler e escoitar. Ela naceu en 1996 (Santos, SP) e desde moi  nova foi deixando por aquí e por alá mostras da súa calidade literaria. No 2016 lanzou un cine (fanzine, na Galiza) que tamén se pode consultar en internet:  anemoníavulcánica . E tamén j. nao é un nome (2017, selo Manga, 2017) O seu primeiro poemario édito é Use o Alicate Agora (2018, Macondo) e tivo unha considerábel boa acollida, teño entendido que vai pola terceira reimpresión/edición, levando xa anos radicada en São Paulo. No 2019 lanzou 9 poemas (traducións ao español na Arxentina, tamén foi traducida a máis linguas). Tamén participou na antoloxóa Nossos poemas conjuram e gritam ( 2019, Quelônio)  organizada por Lubi Prates (dela e da súa poesía xa demos noticia), acompañada de Conceição Evaristo, Esmeralda Ribeiro, Jarid Arraes, Lívia Natália, Neide Almeida e Nina Rizzi. (de Evaristo e Jarid tamén nos ocupamos na Ferradura II). Tamén participa en 69 poemas e algums ensáios (2020, organizado por Raquel Menezes), unha oportunidade para que as mulheres se manifesten sobre o tema do erotismo, mesmo da pornografía, do sexo (tan importante no poemario de Natasha)…lonxe da misoxínia, do sexismo, das actitudes e pensamentos que penaliza as xentes tansfóbicas e e tamén unha loita contra os homofóbicos… do sexo e do erotismo que o capitalismo imperante nos transmite decote. Mais a primeira antoloxía en que figura, é de 2014, Movimento, que nós saibamos.

Use o Alicate Agora é un poemário que non foxe da polémica, que mesmo a procura, se temos en conta que o tema central é a procura do pracer, no que ten moito que ver, evidentemente, o corpo. Incomodar, palabra clave, é obxectivo da súa poesía. Porque de aí, do incomodo, nace a re-acción, que vén sendo ben parecido á “revolución” que os nosos tempos precisan. Unha revolución que só pode ser feminista, sen dúbida. Natasha é consciente de que escribe para minorías como é consciente do valor da palabra, da palabra corpórea (outra volta o corpo) que se manifesta cando poema se di en voz alta. Por iso, para chegar e entender ben a súa poesía, é necesario vela (tamén executa performances) e escoitala. Manifesta unha relación coa música (comezando polo hip-hop) primordial (e na que non afondaremos, porque o principal é divulgar a súa poesía).

Escollín para titular este artigo, parte dun título fundamental de Mëndez Ferrín ( Con pólvora e magnólias) porque acho que define moi ben a poesía de Natasha Félix. Ela ten dito: “Escrevo por muitos motivos. Um deles é pra me vingar. É disso que eu tiro coragem. Eu me nomeio, enfrento as palavras e com elas fico. As que eu escolho.”. Os seus versos son pólvora incendiaria, os seus poemas son incendios que nos ocupan a mente e se transmiten ao corpo. E transmítense mediante as magnolias, mediante a beleza verbal e poética desde a que se manifestan.

Velaquí o seu Facebook. Alí atoparán máis poesía, traducións e unha maneira moi acaída de coñecer a Natasha.

Para rematar, algunhas autorías moi presentes na poesía e na vida de Natasha. A listaxe non é exhaustiva, mais si bastante ilustradora: Stela do Patrocínio, Hilda Hist, May Ayim. Olga Savary, Drummond de Andrade, Pedro Lamebel, Angélica Freitas, Audre Lorde, Anne Sexton, Adília Lopes, ou Adélia Prado…

Restábame dicir que Natasha é tamén poeta-persoa moi interesada nas raíces africanas negras.

A seguir unha xeitosa mostra da poesía de Natasha, unha das voces póeticas máis interesantes e prometedoras do Brasil actual. Logo da (modesta) “antoloxía”, non perdan ocasión de vela e escoitala na ligazón que deixaremos

O amante sai de férias

red light em amsterdã
quatro corpos na vitrine
inofensivos

não ilustram a avenida
mas o reflexo mínimo
nas pupilas de quem passa
desviando

pego em flagrante
na solidão
o volume na calça jeans
não é um convite.

você pode pensar em
quanto dinheiro ainda tem no banco,
em jogos de azar
na eterna punheta dos 13 anos.

já em mim
você não consegue
é inviável
pensar em mim agora.


meus peitos nos teus peitos
laura assumidamente
esparramada em mim
essa visão
da tribo inteira queimando
panos e as espinhas dos peixes
as crianças e cumbucas –
&
o fogo é o fogo.


Trinta e três

se colocasse a pedra de ágata
na goela do porco
antes ele gritaria
como não pude gritar.


com a cabeça pousada
nas pernas da avó
a saia de brocado
pinica a orelha
esquerda.

cantarola salmos e vai à caça
distraída.

o pente-fino é azul.
as varizes na panturrilha dela também.
os dias e a toalha de mesa.

o pente-fino
atravessa meus cabelos de diaba
as crianças dizem diaba
eu nunca digo.

um pouco amansados
(não o suficiente)
com álcool e cravos
nada
enquanto a avó ajeita os óculos,
procura bichos em mim.

a mesma que estoura as lêndeas
as unhas imensas.

como se vingasse
suspeito
o que não caberia na casa.

………………………………….

na praça may ayim

pensando em audre lord e em marielle

porque temos medo cerramos as próprias

mãos porque temos medo arrancamos

os molares porque temos medo

martelamos os joelhos porque

temos medo botamos fogo nos nossos

cabelos porque temos medo atiramos os

ossinhos do tornozelo no canal porque

temos medo os dedos quebrados são justos

porque temos medo cortamos línguas

unhas orelhas, o caminho.

tiramos raspas de pele dos cotovelos

testamos a faca na jugular

plantamos uma granada debaixo da cama enfiamos

a arma do crime no queixo

porque temos medo.

cortamos a energia desligamos os resistores

porque temos medo o sol se deita

amanhã e depois porque temos medo

temos ferramentas  temos o que cerrar arrancar

martelar temos o que incendiar o que jogar

fora o que cortar porque temos medo

sabemos cuspir enganar trair porque temos medo

porque temos medo

dormimos tranquilas.

porque temos medo

somos também muito elegantes muito obrigada.

*

estira bem os braços só então amputa o que rodeia

*

ao homem que se levanta comigo

para l.

espero que as unhas cresçam

só depois solicitações, juras,

os números.

enquanto, isso.

qualquer justificativa.

espero que você não.

por favor.

mantenha a respiração acontecendo

beije sua mãe na testa, peça a benção a ela.

não olha a polícia nos olhos

se for preciso, esconda-se bem.

*

.


logo farei 22 anos.
me recuso a ir embora antes.
até lá enterrarei um filho. isso não será triste.

não vou embora sem cruzar a fronteira
enterrar esse filho
profundamente
não ser triste.

a faca\o amor

 daqui já é possível ouvir

pouco antes de atravessar o mar de alborão

buscando o marrocos seu cheiro no marrocos

deixar as cinzas em rabat

é o plano.

foda-se.

manter a faca amolada os pés prontos para correr

quando os militares.

daí você lambe a ponta

deixa a lâmina te conhecer.

……………………………………………………………….

craquelada 

tenho habitado muitos riscos.
o baiacu inchado na garganta insiste em
me competir o ar. como trepar em montevidéu 
e acordar no jaguaré: genealogia do deslocamento –
me abstenho de maiores explicações.  
li piva como quem toma chá de camomila com canela
assim descobri que o erro é um bacanal lotado de ex
marido. não dá pra ler piva antes do dejejum de uma
segunda-feira do mesmo jeito que não dá pra esperar
o baiacu sair da garganta por vontade divina. tenho 
ficado muito quieta & 
no silêncio a evidência me expõe: 
a memória das sereias do tejo, essa eu invejo; das
prostitutas da Mongólia tenho os mesmos dentes
vermelhos. não sei onde guardei as fotos da
ultima ida ao mercadão de são paulo. onde deixei
o molho de chave, onde foi parar aquele gozo na páscoa de 98, 
o jornal pra embalar os cacos de vidro, não sei onde. o 
baiacu espinha minha glote, me impede a distância. 
mesmo assim eu e o que restou das minhas
lembranças tombadas – nebulosas e uruguaias
como você – 
no ringue,
lutando contra o peixe, eu. 

………………………………………..

carta aberta aos homens de passagem

você com certeza vai
você com certeza vai lembrar de mim
quando topar com a salamandra azul 
no orquidário vai com certeza 
você vai com certeza
lembrar de mim.
do anel que foi parar no ralo 
cheio de cabelo e porra, 
você vai lembrar
dos filhos que não fez em mim
eu te disse 
era sério quando
o elevador quebrou no oitavo andar eu te disse
aquele era o nosso momento de glória
eu te disse 
pra botar no formol e você não entendeu
na hora mas acho que agora olhando a 
salamandra azul vai sacar 
eu chego sabendo que vou embora.
você vai lembrar 
a gente
com vinte anos sem vergonha na cara
nem pra comprar um cortador de unha
imediatista 
eu arrancava os excessos com os dentes.
tinha dez reais pra catuaba e um baseado no bolso
eu arrancava os excessos com os dentes. 
você vai lembrar disso
de hoje pra trinta anos isso vai ser uma lenda
você vai lembrar de mim
com certeza vai
encostar a testa no box no segundo banho
do dia 
enquanto tua mulher tira os
pentelhos da virilha e lê sobre o golpe na turquia
e eu vou estar 
em qualquer lugar longe da casa
que nunca tivemos.

………………………………………

possuir o impossível é afundar uma pedra na cara sorrindo 

a cona exposta sob o sol das sete e meia. 
acusam-me pederasta, acusam-me mulher da 
vida, acusam-me comunista. acuso-me 
trilho sem sequer uma partida. 
não levo em conta os desastres ferroviários do ultimo ano – estive
ocupada, muito ocupada. catava conchas distorcidas, nenhuma
concha intacta numa praia deserta do litoral norte.
até os suicidas estão de greve nessa manhã de domingo: não
avançam/ por isso não/ me tocam a coragem esponjosa. 
retaliada mas ainda assim a cona exposta sob o sol das sete e meia 
não me comove o sexo inflado dos homens de boa fé, não me ilustram
o corpo./ os russos / vestem nike nos pés / tiram férias em praga /
bebem corote e dizem o
séc. xxi não é pra todos. 
estive com hilda hilst me lambendo a virilha, estive sim
cansada e abortada dos filhos que
não vingaram. com a cona translucida, cinética, à espera. 

………………………………

EXERCÍCIOS



horas antes do voo 315, poltrona reclinável,
o céu colombiano.
j. arranca meus dedos fora um a um.
na cozinha, sequer pensávamos em despedidas.
j. pega o alicate digo pega o alicate agora na gaveta
isso é uma solução prática.
ele arranca meus dedos fora um a um
não sem antes lixar passar base nas unhas
remover cutículas, beijar as cabeças.
j. reúne meus dedos em conserva tampa em
segurança me confia o pote transparente antes do embarque.
não o levo ao aeroporto sou
uma mulher contemporânea.

…………………………………..

AS AGULHAS

andos com agulhas nos bolsos
porque tenho medo de esquecer coisas em lugares.
coisas importantes, coisas
que não me lembro porque
tava ocupada demais esquecendo.
me uno às agulhas
sou amiga delas.

……………………………………….

esse tumulto debaixo do vestido.

chego perto

a atrofia dos dedos

na culpa cristã

já não existo aqui —

desse ponto adiante

sou daniel aos leões

dentro

um coração de gueixa
fechado em si
recolhe os próprios cacos
ritual

impenetrável

não se deixa ver.

não movo uma peça

você parado no outro extremo

do quarto,

conto os dedos das mãos mais uma vez

para ter certeza.

conto sobre o poeta

enterrado no deserto do namibe

para ter certeza.

vigio a porta da frente

na espera do bote, os felinos.

aqui não tem tempo.

areia no sexo

suja

completamente suja
mais imunda a cada banho
o que fazer
agora

não explicam.

corpo não é despejo


diga corpo não é despejo
meu corpo não é teu aterro.
não sirvo pra ser tua menina.
o que eu quero é a orgia na romaria sacra
chupar sorvete no mercadinho
dizer Luanda
sem medo do homem que me come.
o que eu quero é esquecer
o dia em que rezei gritado
me explica por favor me explicase não apenas essas alternativas
a) a sina de ser desabitada.
b) simular o beijo, o suor, a afronta.
c) grifar só as vírgulas nas tragédias gregas.
me explica por favor me explicase sou eu quem liquida o corpo ou
é ele quem me trucida.

quem sabe

se não tivesse chegado perto demais
teriam passado em branco
as ogivas nucleares

instaladas pela redondeza &

não faria parte do vocabulário
o risco
nem a velha urgência em dizer
tenho tanto medo. n.

falariam sobre o menino
naquele dia enquanto ele

escancarava o peito no arpoador
como se velasse o sonho
aberto ao sol do meio-dia
sem cuidado algum

quem sabe
se não tivesse chegado de repente
a cidade não teria sumido
como sumiu sem aviso
saberiam endereços e pontos turísticos

não haveria o cego a luz o desejo agora
muito menos o tropeço no perigo
ainda teriam o menino
colado à vista
longa a fuga se faria nele.

………………………………..

antítese

o hospício instalado em cada céu da boca
posicionado na atmosfera ruge onde
renunciar salivas torrenciais
é mais desespero do que charme
[isso não é simples]
achar Homero um saco
aparenta não ser coisa de poeta.
por outro lado
gatos manchados e óculos vintage
fazem mais sentido.
munida de um alligator’s smile
havaianas pretas e um azulejo português
atrasando as costas nuas
caço num silêncio microscópico.
a musa que me habita é preguiçosa
o suficiente
pra não me lascar da própria voz
lazarenta, pomba-gira de ressaca
ela, toldo de circo recém sabido pelo fogo
se contorce se intercepta num quadro do schiele.
debaixo da minha axila esquerda a musa
pede abrigo tomada pelo êxito é anônima
sua cara suas cordas vocais seu pescoço
seu nirvana: navalha que é fenda e descanso.
quando quero olho em riste
com duas facas entre as mãos
recebo o poema de mim mesma
transviado, leproso, sanguinário:
lapso. desejável encosto.

………………………..

………………………………….

experimento número um

1. resposta ao piazza VIII de roberto piva

eu aprendi com hilda
& anaïs nin os meus
toques de inferno.

2. arrastão

me chega como quem pretende
apaziguar o rinoceronte sempre
à espreita debaixo do mesmo peito
esse meu peito lilás de gatuna
transviada, vulcânica Jocasta.
me despe sem desconfiar ser catatônica
a resposta do chifre dependurado mesmo
sobre o terremoto turco escala sete.

me retiro, cúmplice dos tramites que
a armadilha por si só ratifica.
farewell, mon amour – já está em tempo.
tratei de fechar as comportas
antigos amantes permanecem
deitados sobre o mesmo dia
[invariavelmente]
você se debate sobre o chifre vítreo,
esgarçado desespero sem idade,
arquiteta geometrias impossíveis e
com requeijão e cream cracker
engana sua fome de mim.

………………………………….

mantra

ninguém pode escrever como hilda hilst

o desejo segue sendo faca de dois gumes
com falta de amolador que preste.

quero que quando você pense
numa freira de joelhos roxos
no umbigo malcheiroso de deus
naquela couve num dente dianteiro ou
nos aplausos depois duma peça do brecht
na verdade você só passe a entender
que a parte desconhecida
do que resta dos setenta por cento de água
que a gente leva entre os ossos
é obscenidade e flagelo.

bukowski não cai bem usando saias:
para de insistir no erro.
minha voz pode ser baixa mas os
pulsos permanecem firmes
e ditam as leis do novo mundo
onde teu sexo é minha revolução,
meu apelo.

tem carga que corpo nenhum sustenta
ninguém deve escrever como hilda hilst.

…………………………………..

o diafragma trabalha pesado
nesse lance de sustentação.
ninguém mais diz gramofone
ninguém mais ouve jovem pan.
existem palavras frágeis & alguns
homens também (mas isso eles
botam em segredo, em
metástase.
um cara me fez gozar três vezes
enquanto calava a própria
boca
com um pano seco.
eu sonhei ontem o taco de sinuca
parecia viável arquitetura plausível
bem posicionado no rabo dum ex
namorado.
mas isso foi um sonho ontem eu
acordei aliviada. é verdade.
como se o diafragma não
precisasse mais trabalhar
no lugar do meu clitóris
blasfêmia absoluta
dizem
algumas palavras resistem
fraturam vias
respiratórias mas
em azul se embalsam
e vêm à tona como num
pico de heroína
ao solstício de inverno
em pleno carnaval na bahía

…………………………………………….

não fomos assim tão perigosas.

olhávamos a escadaria
muito preparadas
de cócoras diante do bote
punhos contra os ladrilhos do chão.

as vistas ofegavam.
mesmo depois de furtadas as
caras de felina
lembra

rompemos madrugadas e louças chinesas
é verdade.

tínhamos 20 anos e o mundo era nosso.
o salto era nosso.
o que não agarramos de imediato e o que víamos mesmo distante
era nosso.

as coisas que invadem a boca
até hoje
aos domingos santos.

calculamos cada detalhe
a fim de implodir a estrutura do edifício
com cuidado e eficiência
de quem entende o que veio
e o que está por vir.

confeccionamos bombas no parque central
os olhos por pouco infantis
inofensivas
como quem monta legos sem pretensão de muito
mas pensando um império nas mãos.

não vigiávamos os movimentos da cidade,

senão o ritmo das nossas panturrilhas
enquanto corríamos ou chutávamos ou nos imobilizavam
tudo dependia do ângulo de inclinação
dos objetos violados.

e de novo
muito preparadas
nos colocamos à prova de tudo que viria desabando pelos degraus.

assim mesmo
não fomos tão perigosas
como nos imaginávamos.

……………………………………………….

quatro poemas para o sr. hercovich

1.
cerrei o dedo indicador e embrulhei em papel celofane.
o sr. hercovich receberia o pacote em 3 dias úteis.
foi o que o carteiro me confiou
enquanto eu alisava o membro fantasma
com carinho calculado.


2.
sonhei que regia a orquestra sinfônica do estado de são paulo
na platéia pessoa alguma notava a ausência que eu dispunha
tão perto das mãos, aplaudiam e assobiavam
BRAVO,
BRAVO
!

na cena o sr. Hercovich
sentado na penúltima fileira esperava
a mão esquerda enfaixada.


3.
penso
ceci n’est pas um dedo
mas o nariz coça e eu esqueço.
passei a ter alguma dificuldade em amarrar os sapatos

(comprei chinelos, larguei o cigarro)

mamãe dizia
nessa vida tudo dá-se jeito
ao passo que eu duvidava.


4.
não duvido.
meu silêncio mais dócil reservei aos homens
que aqui sentaram, beberam, fumaram, foderam,
e levantaram-se comigo bem ao lado.
fui bonequinha russa
menina bem portada
abria-lhes o cu e a cona
beijava as pálpebras, ninava.
entre o protocolo e a porta dos fundos.
de novo meu silêncio mais dócil,
ria às piadas, limpava os vidros da sala.
eles amavam e partiam, amavam e partiam.
mas sou eu quem fico, então ficava.
tinha 5 dedos em cada mão
mais nada.

………………………………

A ESTRUTURA

1

o comprimento de uma cigarra varia entre 6 e 15 cm
……equivalente ao tamanho de uma lâmpada ou de um copo americano.

em algumas áreas do Brasil ela é chamada de gafanhoto
o que não significa que seja o mesmo inseto
o que não significa que não possa ser o mesmo inseto
……….ou outra coisa
como uma lâmpada ou um copo americano.
………………………………………………..[dependendo do ângulo de observação.

no sudeste asiático esse desarranjo não existe
mesmo se tratando de um local com gafanhotos e cigarras.

mas isso não implica a ocorrência de outros tipos de desarranjo
…..entre os animais.

também não é raro a cigarra chocar-se contra os baobás
em parte porque não é uma lâmpada ou um copo americano

em parte porque voa mal
mesmo com seus dois pares de asas
bem articulados.

2

o observador w nota uma cigarra e nomeia gafanhoto
o observador x nota uma cigarra e nomeia cigarra
o observador y nota uma cigarra e nomeia a fuga
o observador j olha uma cigarra e nomeia outro bicho

3

quando eu falo estou esperando o sol
voltar de novo ao sol mesmo que estou me referindo

quando eu falo estou esperando a casa
voltar de novo à casa mesma que estou me referindo
quando eu falo estou esperando o termômetro
voltar de novo ao termômetro mesmo que estou me referindo
quando eu falo você estou esperando incendiar
de novo o corpo mesmo que estou me referindo
quando eu falo você estou esperando recupar
de novo na mesma perda a queimadura de amanhã.

4

o observador j não é observador.
não como esperam que seja.
isso não é um poema
não como esperam que seja.
o tempo permanece estável durante a tarde
apesar das nuvens.

5

a gengiva sensível reclama a dificuldade em
mastigar determinados resíduos.

lembrete: o que não é estrutura é sedimento;
as pessoas precisam se agarrar em objetos fixos
………………………não há mal nenhum nisso
sobrevivência pede uma casa
………………………eu não tenho uma casa
sobrevivência pede     quite suas dívidas
………………………eu não quito minhas dívidas
sobrevivência pede pernas
………………………eu não tenho pernas

j. me olha demorado e me nomeia cigarra
enquanto simulamos o suor da linha do equador
ele me permite gritar
um pouco

6

j. me pede
……faz um filho comigo

pobre j.
……para isso você tem que cantar.
antes de mais nada você tem que cantar &
eu tenho que recuperar o que há entre a casa e as pernas.
o comprimento das asas e dos nomes.

…………………………..

esquina

dias perdidos nos bolsos.

alguém conta sobre o passeio de bicicleta
pelas ruas de buenos aires,

como se o país não desmoronasse
sem pedidos de desculpa anexados a planilhas.

pés velozes e elegantes
debaixo da noite.

alguém dança em um cubículo
do outro lado da fronteira.
..& pensa em um amor sem ruptura
enquanto olha para os lados

o quadril se move em silêncio
diante das batidas nas caixas de som.

aniquilados antes mesmo de terem sido.

cada um num canto da cidade
engalfinhados em seu próprio idioma.

os dois bolariam planos
como salvar-se do inimigo –
fiéis ao que não tocam.
perfeitamente fiéis.

enquanto desengorduram panelas de teflon
segurando firme nos sonhos
entre o detergente e os dedos enrugados
….calos brotam como pássaros.

*

o abalo dos joelhos,
ossatura da construção,
entre o sétimo e o nono andar
não existe nada
além do anúncio breve de uma escada
nenhuma parede.
você escolhe não pensar
no país deixado atrás de si
moribundos e felizes eles
longos
os que se fecham ao vazio
pulso que tomba.
você escolhe mordiscar as cutículas
não regar as plantas ou
desengordurar panelas
no entanto,
olhar o guindaste
o que está por ser erguido,
o que pressupõe a queda-livre
de outra coisa dentro dele mesmo –
não.
isso você não pode ver.

*

na cozinha ruídos de louça
estardalhaço de vidros
agora nenhum barulho
porque no quarto
acorda mal humorado
e é preciso que se faça silêncio
mas isso não termina bem
como nunca terminam
as coisas escondidas
muito quietos sim
os segredos se comportando feito bicho preso pela pata
se debatendo
em azul no escuro

…………………………….

CONTÁGIO

o corpo sujo é barrado no ___
mercadinho municipal na farmácia no
enterro do sobrinho na missa do galo na
reunião de moradores do bairro. no hospício o
corpo sujo é bem vindo. o meu corpo
sujo é hospício
enquanto no banho lugar de onde
saio cada vez mais imunda
porca sem rabo preso azul no entanto
a língua suja de mulher suja não se aguenta
tem nome de urubu quando fala urubu
tem nome de tesão quando fala tesão
tem nome de socorro quando fala
é suja também imunda muito a língua
quando ousa o sistema linguístico

deixa água de lastro por ele inteiro
o sistema contaminado pelo chorume
o sistema linguístico agora extraviado
do cômodo bem instalado onde habita e o
corpo sujo ainda treme e vacila os joelhos
como um fungo uma doença como
árvore de joão bolão o corpo desavisado
permanece assim mesmo
incomodando, atraso ao contrário.

…………………………………………..

Dous  poemas de 2014

Clandestina

Morrem mais quatro na favela do Jacarezinho
um fazedor de pães
uma professora sem magistrado
uma criança mirando pro alto
um cachorro desavisado
Se perguntarem, foi confronto e pronto.
Metonímia crua de um todo mais que largo.
contra fatos não há retratos
há maltrato, desamparo, caco
pingo de bala no chão, silêncio na multidão
(sem um pio, eles ouvirão)
Uma flor nasce no cantinho
entre um beco e um suspiro
Drummond bem que avisou:
tenho apenas duas mãos.

Anestesia

Dois corpos nus no divã
Nus suados
suados e exasperados
Exaltados
Eufóricos
Descontrolados

Preenche-se a vasilha
que antes, vazia, não se distinguia
diante da multidão
de vasilhas tão secas
tão ”só vasilhas”

Mas já no lençol amassado
voa sutiã, bermuda, camisa
voa alma
voa o tempo
tempo tanto que já nem se sabe
o que o tempo de fato é

Fica a inconstância
fica o desapego do mundo
O aconchego da pele
Os sussurros cantados
A valsa do desejo mútuo

Fica a anestesia da vida.

…………………………….

De 2019

Clandestina

Morrem mais quatro na favela do Jacarezinho
um fazedor de pães
uma professora sem magistrado
uma criança mirando pro alto
um cachorro desavisado
Se perguntarem, foi confronto e pronto.
Metonímia crua de um todo mais que largo.
contra fatos não há retratos
há maltrato, desamparo, caco
pingo de bala no chão, silêncio na multidão
(sem um pio, eles ouvirão)
Uma flor nasce no cantinho
entre um beco e um suspiro
Drummond bem que avisou:
tenho apenas duas mãos.

Anestesia

Dois corpos nus no divã
Nus suados
suados e exasperados
Exaltados
Eufóricos
Descontrolados

Preenche-se a vasilha
que antes, vazia, não se distinguia
diante da multidão
de vasilhas tão secas
tão ”só vasilhas”

Mas já no lençol amassado
voa sutiã, bermuda, camisa
voa alma
voa o tempo
tempo tanto que já nem se sabe
o que o tempo de fato é

Fica a inconstância
fica o desapego do mundo
O aconchego da pele
Os sussurros cantados
A valsa do desejo mútuo

Fica a anestesia da vida.

…………………………

Considerações sobre a Higiene Íntima

nunca conheci quem tivesse cabeça limpa
aliás os poucos que conheci
e talvez tivessem cabeça limpa
prestavam menos do que suspeitavam

sempre preferi aqueles cheios de bichos
escândalos baldeando de orelha a orelha

quem quebra copos
quem sabe o erro
toma para si o erro
segura escova gargareja
não cospe

testemunha perfeita do crime perfeito
quem sabe o erro assim
me inspira muita confiança mesmo

(reconhecer quem não tem cabeça limpa
alimentá-los, ser boa para eles)

olhei o tapete do banheiro sem medo dessa vez
todo um ecossistema lá
quem acreditaria?

ácaros mofo manchas de vinho
os meus joelhos nele
lembra?

os cotovelos no vaso sanitário a sua
língua entre as bandas da minha bunda
a gente ria feito duas cabras
era feriado ou algo assim
você atrasado pra uma festa ou algo assim
o azulejo português ou algo assim
quem acreditaria?
o fim do mundo ali vivendo entre
animaizinhos minúsculos lembretes
manchas impossíveis
lá bem ali

ácaro, mofo, manchas de vinho
eu nunca conheci quem tivesse cabeça limpa (x2)

eu saio do banheiro cada vez mais suja
cada vez mais suja (x4)

penso que esquecer é fácil, então eu esqueço.

ácaro, mofo, manchas de vinho
os meus joelhos nele
azulejos, o vazo sanitário, a sua língua
ácaro, mofo, eu nunca conheci
eu nunca conheci quem tivesse cabeça limpa
ácaro, mofo, manchas de vinho

olha, você pode até ser um homem piedoso
só eu não sou piedosa.

……………………………..

E, agora, a súa poesía, na súa voz, emanado do seu corpo, nestas ligazóns.

Considerações sobre higiene íntima

apneia

desossa

trama

surtir, surtida, surto…

Onte Xurxo Souto reclamaba unha actualización do dicionario da RAG nas páxinas de Nós Diario.

Hoxe, Marta Dacosta faise eco desa urxente necesidade e recunca no tema.

Hoxe tamén, Carlos Garrido escribe tamén en Nós Diario sobre surto e a invención de gromo, para utilizar no lugar de brote. Ben, a min gromo sempre me pareceu unha pura tradución de brote. Unha mala tradución porque está fóra de lugar. Segundo Carlos Garrido, Manuel González seica foi quen inventou o invento e deu dúas razóns para iso. 1) que surto non se documenta nos falares galegos nin nas obras neles baseadas. Sendo surto un neoloxismo, esa afirmación non se ten de pé. E 2) en segundo lugar bota man de xurdir, como resultado popular de surgire (así o entendín eu).

Pois ben, nestas eu teño que dicir que SURTIR existe na fala como verbo co significado de saír ao encontro de alguén. Usábao a miña avoa, úsao miña nai e úsoo eu. Á vez tamén existe na fala o participio usado como substantivo: SURTIDA. Dálle unha surtida a teu pai, que vén da chousa, por sinal ( xa vou cansando do “exemplo”).

Partindo disto, e se necesitamos crear un neoloxismo, O LÓXICO é acudir a surtir, sen necesidade de traducir o castelán brote. Alén de que surto xa existe en portugués coa acepción a que nos estamos referindo…

Ah, vaia, mais (óllese que eu sempre trato de evitar pero) é que no dicionario da RAG, polo menos no dicionario en liña, nin aparece surtir nin tampouco surtida… Curiosamente si aparece no Estraviz como sortir

Porque, como temos denunciado ben veces, o dicionario en liña da RAG só é útil para cuestións ortográficas, para pouco máis serve alén de comprobar algún significado de palabra descoñecida. Poucas, porque é moi limitado. Polo que eu sei contén a redor dun terzo só do dicionario completo da RAG. É urxente amplialo, revisalo, actualizalo…porque se imos e miramos cuestións gramaticais (por exemplo verbais) xa a mesma nomenclatura avisa dunha desactualización abraiante, mesmo vergoñenta a estas alturas, e absolutamente desaconsellábel, por sinal, no eido do ensino…

E o peor é que hai moit@s alumn@s que botan man del por ser unha ferramenta que está moi a man é é de doado uso. E tamén moit@s escritoras e escritores. Non é de estrañar o empobrecemento léxico, o dicionario en liña da RAG contribúe grandemente. Por non falar do mantemento da nomenclatura castelanizante das formas verbais…

Por certo, e xa par acabar. Antes falei de surgire como étimo de xurdir. Pois ben, surtir ten etimoloxía en sortire, que eu saiba.

Cómpre dicilo máis ALTO?

unha lectura de ROMPE (Manuel López Rodríguez)

Título: Rompe  

Autor: Manuel López Rodríguez

Editorial: Urutau

Desde hai anos, e eu duría que é unha retrospectiva ampliábel bestantemente, paiara sobre a literatura galega en conxunto, mais sobre todo sobre a poesía, algo parecido ao que eu teño denominado “soidade do heroe sen guerra/loita”. Especialmente é visíbel na poesía, e especialmente este ano, no que xa lemos A guerra era contra nós (Xerais) onde aobservamos algo asimilábel ao que vimos de dicir, e tamén imos escribir. Este tipo de “soidade” é a propia dunha conciencia socialmente preocupada e que non atopa nesa sociedade canles que lle permitan expresar e vivir de forma produtiva as súas angueiras conducentes a unha sociedade diferente, máis xusta, que, se falamos da sociedade galega, inclúe a “cuestión da lingua” e tamén o problema político derivado de sermos unha periférica colonia desprovista do poder de decidir por ela mesma o seu futuro e presente (a actualidade política, na cal o presidente da Xunta delega en Madrid a loita conta a covid-19, teima en ofrecernos acaído exemplo).

                     Ben, esta “soidade” caracteriza, na nosa opinión, un novo tipo de existencialismo. As preguntas típicas, “quen son eu?, “que fago aquí?, “para que serve a miña vida”, “cara a aonde vai o meu futuro”, expresadas como foron en primeira persoa deben entenderse nun “nós” inclusivo que apunta á sociedade (galega) en xeral, e mesmo a un deterninado tipo de persoas que comparten unha ideoloxía social común ou ideoloxías asimilábeis. Son as preguntas típicas do existencialismo do século XX, porén o existencialismo como preocupación literaria non se esgota recorrendo aos títulos típicos (tamén) dun Camus, por exemplo; e é unha angueira que se vén ollando intemporalmente na poesía (porque a poesía, tantas veces, nace desas mesmas preguntas) e, de querermos un exemplo evidente velaí está Shakespeare co seu “to be, or no to be”. Falamos de existencialismo e é inxusto se non mentamos ao seu carón o humanismo, porque hai unha compoñente humanística moi clara nesas angueiras. Existe unha preocupación individual, si, evidentemente, e vese na voz poética, mais tamén é unha preocupación que abrangue a sociedade, porque a voz poética só é unha parte e esa parte entende e sabe que a súa loita ou preocupación non se esgota na individualidade porque morrería axiña, ten que atinxir a sociedade enteira (ou polo menos unha parte significativa) para que esa loita sexa realmente produtiva.

                     Nestas, non é de estrañar que Manuel López Rodríguez comece este seu novo poemario, Rompe, recuperando a verticalidade, e con ela a capacidade para observar de redor. Nin que contemple destrución, ou desoloación (termo moi importante que despois aparecerá), e silencio, e bote en falta a “necesidade do ti”, de alguén que acompañe, mesmo desde o amor. Porén o mundo en ruínas, segue aí, coa conseguinte quebra dos soños (outro concepto de extrema importancia) que produce unha melancólica ansiedade, ao contemplar unha paisaxe de “terra seca”, de “voz roubada”, de “asfalto sepultando as flores” e xeriátrico como espectativa, esa é a realidade. Ese é o silencio. Ese tamén é o futuro, o óxido, que esixe un “cambio de derrota”, “non imos escribir sempre do mesmo xeito (despois tratarei o tema formal)”. Escribir como resistencia, como arma (tamén moi importante), fronte á erosión que sufrimos como colectividade ( o tempo destrúe todo, e non só fisicamente, materialmente) e á erosión que precisamos como alicerce dun futuro alternativo  a esa “selva” na que vivimos (concepto que hai que entender ao carón do mundo en ruínas, da soidade, da terra seca, do asfalto asasino). Neste contexto, a simple presencia do “ti”, como reforzo, mesmo como camaradaxe alén da pel con pel, pode non ser suficiente e que a voz poética continúe a sentir inseguranza, desolación, frustración, contra as que hai que loitar e que se sente como un mundo “que xa  non nos pertence”, non que non se quere sentir incluída , é necearia unha revolución, mais esta nunca é produtiva se é individual, porque sobre o acadado vén a auga do mar ( é un poemario tamén bastante mariñeiro) e dilúe todo, deixando as feridas, as feridas e o delirio ( outros dous conceptos moi importantes). Por iso tampouco é de estrañar que esta primeira parte remate cun poema acusatorio.

                     Esta foi a primeira parte, e máis extensa e diría que máis importante, das catro do poemario, que continúa cunha segunda na que retorna “o concreto desacougante”, a insatisfacción…e, visto o visto, a imperiosa necesidade de loitar, mesmo indo contracorrente  entre toda a desolación que nos rodea. Só hai nesta parte, dous poemas, e o segundo recolle a “cuestión da lingua”, que non deixa de ser unha problemática  importantísma, xa non só desde o eido político ou social senón tamén da lingua como conformadora dunha forma de pensar.

                     A terceira parte comeza con alusións á vellez (o futuro, o pasado?) e á mocidade, a camaradaxe e mesmo o amor, mais sempre desde o precipicio do cotián. Si, pódese sentir pracer, e compartilo, mais a desolación continuará aí fóra, rodeándonos, afogándonos. De aí a dolor do desprezo polos que viven a vida inútil, esa unanimidade que só pensa no individualismo e na satisfacción inmedita e consumista. É moi difícil, é imposíbel non sentir, outra volta, a soidade, a frustración, a tristura (non perdan a alusión ao “lugar do incenso”), que nin a lembranza “das palabras esquecidas” salva, de xeito que a voz poética remata por se considerar como un labirinto, é máis, engadimos nós, como a cegeuria dun labirinto. Nestas, tampouco é de estrañar que o poemario conclúa, na cuarta parte, con alusións a un corazón esnaquizado, a delirios ( a soidade outra volta, os delirios adoitan ser sintomatoloxía súa), ou a necesidade de “incendio” nun contexto  no que “nos prohibiron as cadencias”, no que nos engaiolaron individualmente.

                     Nomes importantes (tanto desde o  punto de vista do contido como da expresión) que figuran no poemario, son os do multifacético Guy Debord, Raimabud, Calderón de la Barca, Kavafis ou Pavese. Alen diso tamén atopamos ecos manuelantonianos e a noción de “desolación” está moi próxima da “devastación” (por exemplo en Chus Pato).

                     Formalmente, no poemario de Manuel López Rodríguez percíbese a obsesión do ourive da palabra, o ourive do verso, resultando cada palabra, cada verso, cada estrofa, cada poema da loita intransixente en procura da beleza, unha loita que vai desde a sílaba precisa, desde a palabra xusta, ao verso que ten que quedar redondo, pleno, porque só así se concibe a totalidade do poema. Un formalismo dos nosos días, que é consciente da dimensión sonora, rítmica, e física do verso e do poema na folla en branco. E, como tal bota man dos recursos precisos que cada instante  poético demanda, desde o verso partido ( e usamos esta palabra moi conscientemente, en lugar doutra máis clásica), ao verso pleno sen máis mesura que o seu  propio contido, de xeito que o poema sempre é un produto escofinado que brilla e salienta o que ten que ser destaque, ou inclusive o xogo perspectivesco que demanda a escisión da propia voz poética para contemplar(se).

                     A poesía, o poema, esa alfaia verbal.

                     A poesía, o poema, esa patada nos fuciños da razón.

                     A poesía, o poema, esa procura, esa loita.

ASDO.: Xosé M. Eyré                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                    

sobre VIAXE Á ILLA DAS MULLERES LOUCAS, de Alfonso Pexegueiro

HOMENAXE A ALFONSO PEXEGUEIRO

Título: Viaxe á illa das mulleres loucas

Autor:  Alfonso Pexegueiro e VV.AA:

Edita: Concello de Ponteareas

Se a min me encargaran idear unha homenaxe a Alfonso Pexegeuiro partindo dunha das súas obras como foco central, tería que pensalo moito. Pexegeuiro é un autor, un poeta fundamental na historia da literatura galega, non só pola revelación-revolución que significou Seraogna, hai outras obras, outros títulos que tamén son importantísimos nesa súa procura da beleza verbal poética. Por exemplo este escollido polo Concello de Ponteareas para homenaxear un veciño seu, humilde creador poético que, partindo do mesmo Concello de Ponteareas (Seraogna é a nativa Angoares) acadou as máis altas cotas literarias, e, con iso, elevou o nome de Ponteareas á inmortalidade. Precisamente iso é algo no que non reparan a inmensa maioría dos concellos galegos e si entendeu moi ben Ponteareas. Oxalá homenaxes así se reproduciran exponencialmente por toda a nosa xeografía. É xusto e é necesario.

                     Primeiramente déixenme que lles explique a autoría deste volume. Partindo da obra (e autoría) centrral de Alfonso Pexegueiro, a esta homenaxe centralizada en A illa das mulleres loucas (mais que contén referencias a outras obras súas e á escirta en xeral) contribúen un significativo número de autores que coa súa voz/palabra se suman e protagonizan a homenaxe a Alfonso Pexegueiro. Entre eles Fernando Groba (Concelleiro de Cultura e Lingua de Ponteareas), o chinés Son Yong (tradutor), Isolina Fernández (lembranzas dun Pexeguiro cando cativo), Clodio González Pérez, o suplemento “Los domingos de La Voz, dedicado ao autor, 7 de marzo de 199, Mario Regueira, Mercedes Pascual, Helen Lane, Darío Xohán Cabana, modestamente quen escribe isto, Antón F. Escuredo, Jorge Lamas, Manuel Villar Villaverde, Camilo Franco, Freixanes, al-Kufi e Zuahir Kelkaghi, al-Diwani e  Waad Merhei, al-Nasj, un anónimo do blog “Fragmentos del Apocalipsis”, Vanesa Oliveira, Roi Vidal Ponte e Antón Patiño (Agardamos ter lido correctamente os nomes, que na reprodución fotográfica non son doados de descifrar a alguén cos meus déficits visuais). Isto só referido a autorías que empregan a palabra, que actúan como un coro grego a redor da figura de Alfonso Pexegueiro. E ademais da escrita do propio Pexegueiro, centrada en A illa da mulleres loucas, mais que tamén percorre outros vieiros.

                     Na parte gráfica, moi importante no libro, ademais de fotografías achegadas polo propio Alfonso Pexegueiro, atopamos xa a Antón Lamazares como autor da ilustración da cuberta, a Xaime Asensi, a Guillermo Alonso Monroy, Ana Corbillón, Pablo González, Lois López Rico, Carlos Crego, Amando González, Antón Patiño, Xavier Costa, Carlos Crego e José Freixanes  entre as autorías gráficas identificadas. Pois parte delas non identifican autoría. Porén, isto non quita para que os aspecto visual sexa de tremenda importancia. Éo, no referido a fotografías ou ilustracións, porque estas permiten e provocan a ensoñación de quen le (e antes leu a poesía de Pexegueiro, sobre todo), e este non é un dato menor cando estamos a falar dun autor que, na súa poesía, xoga moito coa capacidade lectora para trascender o significado denotativo e inducirnos en conotacións  que indubidabelmente arriquecen o texto. Isto, hoxe é bastante común na poesía actual e tamén o foi (dunha ou doutra maneira) no pasado, mais hai que ter en conta que estamos a falar dun “precursor”. A fin de contas, Seraogna, veu significar isto na nosa historia literaria, non se esquezxa que viñamos dunha poesía, a poesía cívica, que propoñía todo o contrario. Evidentemente hai máis títulos nesta ruptura, e máis autores; porén imos deixalo aí, todos sabemos quen son e nada debe desviarnos a atención do homenaxeado nesta ocasión.

                     Ben, intimamente ligadada á parte gráfica, irrompe con moitísima forza a audiovisual. Porque o libro vai acompñado dun DVD onde, ademais de diversas entrevistas a Alfonso Pexegueiro ( que teñen un interese propio indiscutíbel) tamén se inclúe o espectáculo teatral a que deu lugar A illa das mulleres loucas. Un espectáculo único, permítasenos dicir, toda vez que este tipo de espectáculos poético-teatrais, non son precisamente habituais, nin son nin foron. Un espectáculo que, sobre todo para os que non tivemos a fortuna de velo ao vivo, é unha auténtica regalía. Unha auténtica regalía que nos permite á vez seguir o desenvolvemento teatral e a lectura dos textos seleccionados a tal efecto -e, por se fora pouco, no libro inclúense tamén os non seleccionados e presentes no poemario de referencia.

                     Neste espectáculo, ademais do mesmo Alfonso Pexegueiro, participan as actrices Vanesa Soutelo e María Caparrini, que están espléndidas na escenificación dos textos de Pexegueiro, todo un desafío interpretativo do cal saen con matrícula ambas. Quico Comesana e Anxo Pintos poñen a música, outro pear de extrema importancia no espectáculo; Quico e Anxo, dous nomes que non cómpre presentar porque o seu traballo é de sobra coñecido e admirado. Finalmente, Baltasar Patiño obsequiou a Pexegueiro e obséquianos a nós como espectadores, cun deseño de luces que pon o colmo a un espectáculo poético teatral absolutamente marabilloso.

                     E, evidentemente, no libro pódese ler o guión poético, pódese ler a poesía de Alfonso Pexegueiro, que, para quen ame a poesía resulta un regalo dos deuses. Para os que xa coñeciamos A illa das mulleres loucas, e tamén para os que a partir desta publicación accedan a ela. Nin que dicir ten que esta publicación resulta tamén de moito interese para coñecer a intrahistoria de como se elaborou o texto poético que no seu día apareceu publicado en edición bilingüe, galego e catalán, en 1984 ( e en castelán en 1986) e que Galaxia recuperou en galego no 2004.

                     Viaxe á illa das mulleres loucas, deste xeito convértese nunha publicación que ten un interese poliédrico. Ten interese desde o punto de vista literario, estritamente literario, ao permitirnos revisitar un poemario extraordinario, non só o  texto senón que tamén vai acompañado do espectáculo poético teatral, un espectáculo magnífico, ademais. Ten interese, por razóns obvias, para os amantes do audiovisual. Ten interese, xa foi dito, tamén para a crítica e historiografía da nosa poesía. Ten interese tamén como libro obxecto porque visualmente resulta dunha beleza moi grande e está impreso con moita calidade ademais de contar con ilustracións (xa foi tratado) belísimas. E ten interese tamén por constituír unha merecedísima homenaxe a un autor trascendental na historia da nosa poesía -por ficar no eido literario, que o seu labor foi máis alá da poesía, sendo membro fundador da AELG, verbi gratia.

                     Só nos resta desexar que cunda o exemplo desta Viaxe á illa das muleres loucas.

ASDO.: Xosé M. Eyré                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         

Ana Paula Simonaci: o voo da xenialidade poética

Ana Paula Simonaci é poeta brasileira vinculada, polo que eu sei, ao mundo cultural do Río de Janeiro, aínda que creo que lin por algures que era orixinaria de Niterói. En todo caso, estes pormenorers biográficos adoitan ser bastante irrelevantes, case todos. Agás un, que quero salvar: está casada co poeta, editor e activista cultural Sérgio Cohn. E quero facelo porque un estudo comparativo da poesía do Sérgio e a da Ana Paula sería moi interesante e posiblemente achegaría datos significativos para a a obra de ambos.

Ben, Ana Paula Simonaci, é poeta que podemos adscribir á xeración dos 90, en canto a que ela nace nese ano.

Ben, levo tempo diciendo que Ana Paula é poeta. E é unha poeta inmensa, xa verán. Mais tamén teño que dicir que tamén é editora, investigadora e especializada en BIbliotecomanía, e precisamente é na coordinación das Bibliotecas  Sesc do Rïo de Janeiro, onde ela se desempeñou laboralmente, por exemplo. Mais, sobre todo, e aínda por riba da formación técnica e mesmo científica (se se quixer, poise ela non se formou academicamente en letras propiamente ditas), o que é Ana Paula Simonaci é unha grande poeta, unha poeta inmensa. Porque vive sendo poeta, ve e sente sendo poeta, e iso é algo que non se pode dicir de tod@s @s poetas aínda que se pense o contrario.

E Ana Paula só publicou un título. Voo, no 2017. Que conste, non se necesita máis para acadar as máis altas cotas literarias

Mais antes de escribirmos sobre a súa poesía é nesario dicir que é, desde sempre, unha grande lectora, desde Agatha Christie nos comezos, a Cecília Meireles, Florbela Espanca e, antes que ninguén, Clarice Lispector, de quen lía polo menos un libro ao ano.  Clarice Lispector , palabras maiores. Despois chegarían Rimbaud, García Lorca, Roberto Piva, Orides Fontela, Herberto Helder, Hilda Hilst, Jorge de Lima, Saramago e máis….

E, si, volvamos ao Voo, e o primeiro a salientar é que se trata dun poemario que deixa a imaxe dunha grandísima poeta que, polo que puiden averiguar, aínda non foi ben asimilada nas letras brasileiras. O segundo que quero indicar é que Ana Paula concibe o poema non como un texto lírico sen máis, concíbeo de forma integral, tal e como as vangardas do s. XX comenzaron a interpretar o texto como imaxe nunha folla en branco. Mesmo, a pesar da seriedade da temática do libro, hai aí, creo adiviñar, certo ludismo, a xulgar polo que se pode ler nesta entrevista. Óllese que digo certo ludismo, o cal implica tamén certa esperanza, nun poemario de tipoloxía existencialista. Onde a preocupación pòlo ser resulta absolutamente central. Por suposto sen chegar a unha conclusión única nesa pregunta que é un labirinto como toda persoa é un labirinto. Un labirinto no que chega dicirse “eu sou tudo o que está perdido”, onde queremos ver unha referencia ao mundo cultural/ ao mundo das lecturas desde o cal naceu o poemario. É para ela, seguindo esta liña, máis fácil identificarse no pasado lido, que no presente onde dubida. Por iso precisa transgredir, revirar todos os libros, sentirse salvaxe e a medias seducida e asustada. Por iso tanta soidade como no poemario se respira, o apelo aos deuses ou o recurso aos animais (peixes, paxaros), ou a clásica metáfora do barco no mar.

Porque Voo é un poemario impactante. Quen o lea, difícilmente pode resistirse á beleza dos poemas de Ana Paula en calquera dos cantos que componen o libro. Unha beleza que se expresa desde todos os recursos que a poeta ten a man ao plasmar o texto sobre a folla en branco.

Agardamos que este título sexa o primeiro, dunha obra que promete moito, moito. E mais se temos en conta a súa xuventude. Agardamos que a súa actividade como activista cultural non esconda a grande poeta que é. Un activisno cultural que a leva a preocuparse, por exemplo, polo pensamento indíxena nas Revistas de Cultura  (lean a Ailton de Krenak, unha leitura moi proveitosa sobre todo para os que somos estranxeiros e non coñecemos ben o pensamento indíxena). Afortunadamente tamén atopamos poesía posterior a Voo, tamén extremadamente interesante, len o derradeiro poema desta breve antoloxía….

Ou esa súa outra “obsesión” como son os quadrinhos e que nós chamamos banda deseñada.

Son proxectos moi interesantes e Ana Paula séntese seducida por todo o que é cultura, máis por unhas cousas que por otras, mais nada lle é alleo. Por exemplo, outro exemplo, a música. De aí a concepción do libro en cantos, que xa comentamos.

Velaquí un “aperitivo” da súa poesía, que copiamos como puidemos, mais que non dá a imaxe da súa poesía, para iso, despois, se se senten seducidos por esta granda poeta, poderán ler o poemario enteiro coa forma poética orixinal.

Como sempre, deixo o seu Facebook, por se lles apetece seguila aí atoparán poesía máis actual da Ana Paula, unha poeta tecnicamente brillante e sempre comprometida coa causa dos máis desfavorecidos, desde a comunidade negra á loita LGTBI+.

…………………………………………………………..

sou os dias sem chão dos pássaros

eu grito pelas montanhas e ninguém ouve
eu uivo pela selva e nada se move


o agora
entre o sim e o não
que deriva no vento


de quatro
sou ele sou ela
sou falo sou fenda

………………………………………………..

CANTO I

esta é a realidade.

eu sou porque meu gato me vê.

dentro de seus olhos o mundo já não existe mais.

com sua face felina ele me vê, um corpo, ele me vê, uma alma,
ele me vê, uma dança.

nômade de mim, vazio, expurgo, êxtase.

rejeitar certas formas de viver me fizeram livre
e meio desesperada.

se eu fosse eu, seria muitas.

tem corpos com medo de ser.
eles têm medo porque não estão autorizados a ser.

eu não sou ninguém. eu não sou daqui.

[os loucos não sabem. não sabem quem são e por isso existem.]

eu sou porque Deus não é.

seria a escuridão o que faz os raios de sol existirem?

voa, voa, meu pequeno pássaro. leva minha canção.
me traga olhos de borboletas, de mariposas, olhos de rapina.
rapte olhos para que eu possa ver um novo mundo.

miro no céu, vejo os dias que passam.
as aves voam. a lua reflete as sombras sobre o mar.
as ondas quebram sobre outras ondas. eu morro e nasço.

eu sou a futura sombra dos pássaros passados
que revezavam as guias da vida.

eu sou todos os deuses que fazem morada nas nuvens.

eu sou todas as chuvas, todos os raios!

[e todos eles não existem]

e eu não existo quando Deus é.

[meu gato pula em meu colo e me torno eu sem metafísica.]


CANTO IX

o sangue corre
todo mês
todo mês
o rio corre
todo mês
todo mês
o sangue o rio o sangue
e o tempo
refaz
o tempo
e o rio
as ruínas
em que me deito
casa em que habito

o tempo
refaz
o tempo

só entende de ruínas
quem já teve um coração partido

quem perdeu
quem só se encontrou

quem entende de tempo
entende de ruínas

tempo

………………………………………………………

todos os dias os pássaros. todos os dias voam

da janela vejo os que voam em bando. planando.

os que voam sozinhos batem suas asas muito mais vezes.
da alvorada ao crepúsculo.

onde os pássaros pousam é onde eu queria estar.

para o rio del prata eles voam e se misturam com o cinza do rio azul.

[quando fui para o uruguai, deixei seu nome em todas as ruas. pouco a pouco me desfiz
das suas letras. está tudo lá. nada mais em mim.]

……………..só entende de jornadas quem acredita.
……………tudo ia mudar, tudo. tudo vai mudar.

em colônia, as ruínas e o mar.

……..os que voam sozinhos batem suas asas muito mais vezes.

todas as cidades desabam, a grama cresce por sobre as
pedras, os pássaros se alimentam de passado e depois voam
em direção a outros passados.

eu encontrei você e todo o seu passado.
você encontrou em mim ruínas e mar.

na cafeteria da livraria pedi uma xícara de prata. vi nela meu rosto e pelo vidro das janelas
vi os pássaros e os seus peixes no fundo do rio.

tudo ia mudar, tudo. os bandos em revoada. os peixes no cardume.

e os que voam, nadam, e andam sozinhos
em busca de liberdade.

§

a cobra come o próprio rabo

mergulhar dentro de si. ali estava de novo a imagem que vi em transe: um templo,
quartzos verdes, a gota de orvalho.

foi nesse dia que entendi que a busca era no labirinto dentro de mim mesma.

o avesso da vida seria virar-me de dentro pra fora?

e eu achava que todos os caminhos levavam aos outros.

o caminho em direção a si mesmo, uma tentativa, rastro, sopro que leva ao outro em si.

o telefone toca. minha mãe me diz que fez uma bolsa de crochê. achou um nó no meio da tecelagem. desfez toda a bolsa. desfez o nó. refez todo o caminho.

§

precisamos ir à índia caçar os tigres azuis.

[a distância e o tempo são uma coisa só]

eu andei três desertos até ver um oasis. eu andei três casas no xadrez. eu perdi minha rainha para um cavalo feroz que veio de dentro do mar. o bispo se ergueu para ouvir as orações que eu fazia quando menina dentro da igreja onde morei nos dias da minha puberdade. o tabuleiro não é apenas um quadrado, ali existe uma montanha. todas as casas da cidade com seus bispos, reis, rainhas e torres um dia caem no chão. minha casa de infância foi demolida. a casa dentro da igreja. isso foi quando comecei a buscar os tigres azuis. chorei quando demoliram deus. me deu esperança e me deu loucura. temi ao olhar diante da cara desse tigre que não é azul, pois está por todos os lados. e não são poucos os relatos selvagens. busquei os tigres azuis. andei quarenta quilômetros até o rio, em nome do amor. e me ergui com asas para caçar a paz, mas a porra da paz não habita no meu coração feroz. são poucos os relatos sobre liberdade. os tigres azuis estão extintos.

mas alguns caçadores ainda os vêem, mesmo que em sonho.

mel e perdição.

§

todo dia me sinto um pouco menos eu mesma.

as horas deveriam ser curadoras, mas são grandes assassinas.
cada minuto mata o minuto anterior.
a pressa, a ansiedade de viver, de acertar os erros do passado,
já não tenho mais.
a necessidade de ser outra que não eu,
já não tenho mais.

a arte de perder não é nenhum mistério, sabemos.

a grande lição da vida se desfaz no desenrolar do tempo.
não há o que aprender, pois a vida não é um aprendizado.
a vida é latente. a vida é um coração vivo que bate para circular
todos os sangues.

………..eu sou o meu reinado. coroada por mim mesma,
………..decreto todos os dias
………..o fim de quem eu fui.

o que tanto há para se fazer nesse mundo?

eu busco nas palavras um caminho, como um lasco de sobrevivência,
como uma lamparina para saber onde pôr os pés no mundo.

o mistério de perder não é algum senão tudo o que parece ser.

hoje montei um quebra-cabeça e sobrou uma peça. dei a ela meu nome.

………………………………………………

um poema suspende o mundo

 um poema cresce

 selvagem

um poema não industrial

cresce no mato livre

na boca

tátil

um poema

suspende

o mundo aumenta

quando uma imagem

cresce em um poema

franceses em 1830

atiram pedras em um relógio

o homo sapiens

olha o sol e a sombra

e salomão

como repetição mecânica

diz que tudo

é vaidade

debaixo do sol

um relógio digital

 apita quando

 os calendários

rebeldes

desdenham da história

os olhos se viram

ao contrário

do mundo

o tempo linear

foi suspenso

ditou um coelho

uma criança

tomou um reino

 e montou castelos

 com pequenas

pedras na beira do rio

do poema

se espera um mundo

no corpo do poeta

o tempo não age

a velhice, a juventude

o corpo do poeta

se fixa em um não

revolucionário

contra as rotações

do universo

 o corpo do poeta

brinca

e ri com os castelos

porque sabe

que os deuses não sonham

e a realidade é relativa

porque sabe

que dança

frente aos dias

que pulam nos calendários

sem dizer para onde vão

(Este é o seu contributo á antoloxía Uma pausa na luta, organizada por Manoel Ricardo de Lima)

…………………………………………………….

ÚLTIMO POEMA DOS ANOS 10

me escute, isto não é

um poema político

seus ecos, nos becos,

suas vozes

isto não é

 uma crítica a arte contemporânea

 em um poema crítico

contemporâneo

animal-poema

partitura

verbal de

caixas torácicas

secas, cheias de flores

e fome

de descobertas

sonoras

atenção: isto não é um poema

sobre medo da morte e

do esquecimento

cordas vocais

instrumento-ferramenta

harpa, arpão

reverberar

a vibração, o eco

ver a vida

rebentar

no arpoador

vamos, não é um poema político

tomador

de espaços

de luta

é um animal

selvagem

rugindo

elefantes

dançando

no rio

onça pintada

de sonhos

de liberdade

 esses dias te vi

sorrindo e disse

vamos junts, companheir

este poema-morde

me dê a mão

tenho medo

da morte,

do silenciamento,

tenho medo do esquecimento

faça comigo

um poema

para esquecer

o medo

um poema

de luta, de dor,

de espaço

de vida

um poema

para imprimir os

dias

nos dedos

nos lábios

faça comigo

um poema político

( Na revista Terceira margem, 2020)

E agora, se gustaron da poesía da Ana Paula, velaquí a ligazón ao seu libro que prometera.

crítica de NON VENAL, de Alberte Momán Noval, en Urutatu

PROCURANDO AS MARXES DA LITERATURA

Título: Non venal

Autor: Alberte Momán Noval

Editorial: Urutau

Levan xa un tempo en activo, no Brasil e na Galiza, a xente Urutau, realizando un labor de achegamento de culturas que me parece moi meritorio. Non é a solución definitiva, mais si unha palla máis no palleiro que cómpre agarimar. Vaia iso por diante.

                     E digamos despois, que, como se desprende do título, Alberte Momán déxanos outra volta un título que pretende explorar nas marxes da expresión literaria, como xa vén facendo habitualmente mais con máis convicción. Ben, eu sempre saúdo estas tentativas con moita ilusión porque é unha maneira de anovar o campo literario, de impedir o enquilosamento que levaría á morte da literatura. O  que acontece é que, despois de ler a Francesca Cricelli xa non estou tan seguro de que o camiño para a anovación estea exclusivamente nas marxes, como demostra a poeta brasileira, ás veces cómpre aceptar os límites precisamente para non ter límites. Pode parecer contraditorio, mais si é posíbel.

                     Non venal, o novo título de Alberte Momán preséntase editorialmente como un libro de poemas, cando en realidade son prosas, moi breves, mais prosas. Certamente que nesas prosas eu acho poesía, en cantidade variábel dependendo da prosa que sexa e tamén dependendo da sensibilidade de quen lea, mais, sobre todo, o que quero salientar é que me parecen máis fronteirizas coa filosofía. Pode parecer anticuado o requisito de esixir que na poesía os versos non superen (polo menos non sempre) o espazo dunha liña: Mais, de momento, é o que nos queda, toda vez que rima e métrica son moi pouco usados e o ritmo tamén se atopa na prosa. Hai que facer unha salvedade, hai prosas aquí dunha soa liña que ben poderían ser versos, tamén é verdade. E tamén hai que recoñecer que esa viaxe trascendendo as marxes da literatura canonicamente tradicional, xa a fixo/fai a Literatura Hiperbreve ou Literatura Mínima (como nos gusta chamarlle a nós), o  meu Nin che conto pretendeu demostralo (está próxima unha revisión da teoría da hiperbrevidade, á luz das últimas achegas, que non fai senón resafirmarme nas ideas alí expostas. Precisamente a Literatura Mínima esvae todas as fronteiras xenéricas que herdamos).

                     O tema central, ou a experiencia de partida para a elaboración do libro, é o encontro amoroso, incluíndo tamén o encontro sexual, que é fundamental; e isto, en si, xa é unha imaxe a ter en conta, a imaxe de dous corpos pel con pel, que xogan (o senso lúdico nunca deixa de estar aí, nunca mellor utilizada esta expresión) a se confundir e se complementar, a dar pracer e procurar pracer (tamén moi propio, inexcusábel, da literatura). O libro componse de 12 capítulos e un epílogo, e resulta significativo que no inicio se fale/escriba sobre a culpa, as máscaras, a ira, a frustración, a orientación da emoción. Se a isto engadimos que despois virá a “construción social do sexo”, a proximidade coa filosofía parece innegábel. Despois tocará temas como a lubricidade, a alquimia do amor, o sexo e os fluxos ou o concepto de “eróxeno”, no que é un afondamento na experiencia da relación sexual que se mantén nos seguintes capítulos (“Concavidades” e “Proporción e medida”).Nesta última atopamos xa  “o desexo”, e a procura de resposta da parella, para despois reflexionar sobre a proximidade, a memoria e e o reencontro. E, a seguir, outro concepto clave na relación amorosa, “o instinto”, que vai xusto antes da necesidade “aproveitar o momento” (“Carpe diem”), un tema universal e perennne que nunca pasa de moda, mais debe constar que a relación amorosa, a relación coa parella tamén se considera unha forma de percibir o mundo ou a vida ( co que voltamos plenamente ao eido da filosofía). E despois da corporalidade tamén hai lugar para que chegue “a moral” (outra volta tan cerca da filosofía). En conexión co “carpe diem” antedito está o “amar por amar”, a reaparición do desexo e o camiño para acceder á “liberdade”. Paremos un pouco aquí. Pode semellar que estamos diante de prosas eminentemente eróticas ou sexuais, mais a conexión que desde aí se establece coa filosofía é un bocado demasiado apetecíbel e orixinal para non reparar nel. E, xa que nos detemos, de paso hai que sinalar que  “a lingua” é un concepto moi aludido, moi repetido no libro; evidentemente é unha parte do corpo eroxenamente moi activa, mais tamén podemos a partir de aí pensar na linguaxe, pois ese apéndice bucal non deixa de ser método/instrumento de comunicación. Precisamente hai un capítulo (“Palabras”) dedicado a reflexionar sobre elas, as palabras.

                     Deica agora procuramos ver a proximidade destas prosas (eróticas ou sexuais) coa filosofía, e, sen abandonar o propósito merece unha mención moi especial, a necesidade de “desaprender” (así se chama outro capítulo) para reiventarse, redefinirse, e derrubar as estruturas de poder, con vontade e determinación -unha mensaxe na que se pode albiscar o movemento hippie de “fai o amor e non a guerra”, que nunca está demais lembrar porque implica toda unha filosofía de vida, quizá a única política que paga realmente a pena. Que vai haber obstáculos é claro, hainos, o que reafirma a imperiosidade da comunicación, o cal é outrra proposta ben achegada á filosofía. Finalmente, porque non queremos comentar nada do “Epílogo”, cadaquén que imaxine o porto a que se pode chegar despois do contido comentado, non lles imos aforrar ese pracer; finalmente tamén se reflexiona/volve reflexionar sobre a construción social do sexo, chegando á conclusión de que o sexo é unha porta aberta á comunicación, e volvemos chamar a atención cara á filosofía, moi intencionadamente porque nos parece un camiño no que aínda hai moito por percorrer.

                     En definitiva, estas reflexións sobre o sexo teñan boa vinda. Non hai moitos títulos así, realmente atopou Alberte Momán unha froma de achegamento á experiencia, e reflexión, pouco habitual, de salientábel “aprofundamento”, que esixe á voz narradora o efecto de ver/narrar desde a distancia o que precisamente son aproximacións, físicas e algo máis que físicas, e nese algo é onde reside o mérito e a cualidade máis interesantes do libro. Un libro no que tamén existe sensualidade, por certo, porén son máis importantes os aspectos que vimos de sinalar.

ASDO.: Xosé M. Eyré

Francesca Cricelli: aceptando os límites para non ter límites

Esta semana andei con moi pouco tempo dispoñíbel para procurar poetas novas brasileiras a divulgar. Efecto diso é que escolla a Francesca Cricelli. A súa poesía xa me era coñecida desde cando participou, en 2017, nun obradoiro de poesía na illa de San Simón. Encontro poético dirixido por Yolanda Castaño (moito ten feito pola poesía galega a Yolanda, e que pouco se lle recoñece, a meu ver) e no que participaron, ademais de Francesca, Rita Dhal, Estevo Creus, Antón García, Hu Xudong e Tomica Bajsic. Dores Tembrás creo que tamén andou por alí. Sabedor dese evento, esa foi a primeira vez que me acheguei á poesía de Francesca. Ben, ese é un dos motivos. Outro é a súa innegábel calidade poética. E, aínda se queren, o feito de que escribira sobre Galiza (ela emprega Galicia, poderán ler dous poemas despois), que sempre é algo que chega moi fondo.

Na verdade, FRancesca Cricelli é unha poeta que xa ten un nome, internacionalmente falando. O poemario Repátria publicouno no Brasil e en Italia (2015,2017), 16 poemas +1 publicouno nos USA (edición da autora, 2017) e en Reykiavik (2017, ambos). No 2019 deu ao prelo a plaquette As curvas negras da terra , en ediciñon bilingue (portugués e castelán). E en Errância reuniu as súas crónicas de viaxe, tamén de 2019.

Tamén é tradutora, e como tal traduciu á italiana Elena Ferrante, a tamén italiana Igiabá Scego ou a gañadora do Pulitze Jhumpa Lahiri (nortemaericana de orixe bengalí).

Dito sexa isto para dar unha idea da súa actividade, nunca pretendemos exhaustividade.

Compre sinalar tamén que se ocupou da correspondencia amorosa entre Giusseppe Ungaretti e Bruna Bianco. E é de todas as poetas que levo divulgado, a que máis conexión ten coa Galiza, ademais de a Yolanda Castaño sei que coñece a Antía Otero, Maribel Longueira, Marta Rodrígues Marcuño, Manel Monteagudo ou Amauta Castro.

Este artigo divulgativo quere ser plataforma desde a cal ese número reducido de coñecid@s se amplíe, debería sernos unha utora moito máis familiar ao público poético galego.

Hei dicir tamén, que o título deste artigo suxeriumo a mesma Francesca nesta entrevista, na cal “acepta os seus límites” e é esta, a meu ver, unha maneira de trascendelos mediante a beleza do que escribe, porque aí si que non ten límites. Velaquí unha postura radicalmente diferente a outra que precisamente pretende trascender límites eliminándoos para deste xeito chegar a un totum revolutum que ten menos de literario do que eles/elas pensan.

Fica por dicir que é unha viaxeira incansábel, esta que medrou entre Brasil, Italia e Malasia. Naceu en Ribeiraão Preto, 1982, e ademais de poeta e investigadora é tamén tradutora, como xa se viu. Por riba, compartimos unha paixón ( que eu non podo practicar como quixera, as costas protestan!), cociñar.

Son moitas as influencias/referencias que se atopan na súa poesía. Non imos gastar tanto tempo/espazo nesa tarefa, ficará para outro día. A min, en concreto atráeme a facilidade coa que Francesca me remove sentimentos, partindo tanto de xeografías-imaxes do cotián, da vida diaria, como é capaz de achegarse desde aí ao pensamento trascendente. Francesca escribe como descubrindo mundos que están ao noso redor ou mesmo dentro de nós.

Agora, fican vostedes coa súa poesía:

É UMA LONGA ESTRADA REPATRIAR A ALMA

Há que se fazer o silêncio

para ouvir os dedos

sobre o velho piano da ferrovia

é uma longa estrada repatriar a alma

a rota é na medula

descida íngreme

ou subida sem estanque –

demolir para construir

e não fugir do terror sem nome

de não ser contido

apanhado, compreendido

é preciso seguir adiante

no fogo e sem ar

e se a dor perdurar

é preciso ser destemido

para espelhar o rosto

em outros olhos

distantes como num espelho.

…………………………………………..

AZUL

Há algo triste no azul dos teus olhos,

algo perdido e infinito neste azul dos teus olhos,

algo de azul

                   no triste dos teus olhos.

Há algo de teus olhos neste triste azul, algo perdido

                   no infinito do azul dos teus olhos,

algo infinito no azul perdido dos teus olhos.

Há algo azul

no infinito triste

dos teus olhos

perdidos.

……………………………………………..

CAMINHA INVISÍVEL

Caminha invisível o amor

na multidão doída e apressada

entre olhares dispersos.

O amor caminha só,

anjo atravessado por passos rápidos.

É menos do que um mendigo o amor

na hora do rush, na plataforma dos trens

e a cidade incandesce

minutos antes do pôr do sol.

…………………………………………………………….

REMOVER DO CORPO AS CROSTAS DO SILÊNCIO

No se puede contemplar sin pasión.

Borges

Remover do corpo as crostas do silêncio

tudo que é vivo e exposto grita

e gira, pela avenida

a dor se junta ao rumor.

Para chegar à clarividência

procura-se um ritmo, qualquer um,

que descompasse as artérias –

a vida enverga sobre a avenida

no peito só a voragem do eterno,

a fração do abalo sísmico,

desenha na mão cataclismos.

………………………………………………………

A ESQUINA

Como los dardos en el aire

ávidos de su herida

Borges

A vida é uma esquina,

no cruzamento bate uma bola

sobre a corda bamba uma menina.

A rodovia opaca respinga no rosa dos ipês.

Há novembros em que só

jacarandás nos salvam,

deve ser por isso

que o coração do céu

tem nome de furacão.

…………………………………………………

QUANDO A PRIMAVERA ATRASA

Quando a primavera atrasa

e pode não mais chegar

à cidade, o céu se acinzenta sobre ela –

levanto os olhos e perco a amplitude.

O infinito está nas ruas,

há cores nos guarda-chuvas,

nas lanternas, nos semáforos.

Há que se iluminar a cromatura das vias

para refazer a primavera.

.

…………………………………………….

CATEDRAIS

Força sutil e estrondosa
a nossa, catedral
erguida no peito vazio –

no silêncio dos olhos,
sós e incessantes
construímos um penhasco,
ponte de uma dor a outra.

Como todo ser vivo,
hoje estamos
cada um com seu vício

……………………………………

RISCO

O tempo se arrisca
no mistério
da prece.
O resto é mar.

……………………………………………………….

À MINHA CAIXA TORÁCICA

What will endure here the longest
must be thoughtfully provided for
[Zbigniew Herbert, To my bones]
Agora ficou fácil
Salvamo-nos da carne
[Vasko Popa, Osso a Osso]
 

Expande no meu sono quando respiro
sob a pele selada pela noite
e oculta os cortes invisíveis da carne
o que nesta cavidade permanece desenraiza o quarto
duas caixas torácicas em paralelo, algo incompleto

se o peito é pródigo
mas cala a fala e seca lágrimas
o que perdura é esta moldura
gaiola de ar e batimento

esta ossada não estará
no Museu Nacional, não,
estes ossos nossos não serão encontrados por arqueólogos
não foram feitos para vitrines
porque quando vivos abrigaram o pássaro

à esquerda de cada um no desencontro do abraço frontal
um canto da serra do mar, um canto de outro lugar

debaixo da terra ou sob o sol dos nossos nada sabemos
só existem aqui no agora e no silêncio os ossos
esta caixa que tudo cinge no escuro
tudo que hoje arde e descompassa
já contém os vermes da terra
contém o pedaço da vértebra de nascença
passado e futuro

nem entalar a garganta dos cães
nem ser o hiato dos séculos

enquanto há seiva e sangue
estar eretos
roçar as costelas celestes
já que nada mais sei.

§


MURMÚRIO DO BRANCO
[sobre um desenho da cidade de Krumau de Egon Schiele]

Chove sobre as cores,
é um auto-retrato
o amaranhado do ocre e do laranja
uma lança que perfura o olho divino a falta.
Colore a densidade populacional nos mapas, o ocre,
mas as casas andam vazias
e no interior das coisas cantamos nus como Sophia.

Está no murmúrio do branco
o caminho do carvão
e eu o persigo pelas linhas, com os dedos
firmes sobre as janelas e as tuas costelas
as casas andam desabitadas de ti
da desordem vital
que confere têmpera à luz oblíqua da tarde.

Não há sismo
e os jardins são todos internos
os desertos todos interiores e anteriores,
eles resistem ao regar das horas
resistem
ao esmiuçar com os dedos os pastéis a óleo sobre a folha de papel.

Arden las pérdidas
como na praia as labaredas vulcânicas sob a lua cheia de Reykjavík
e aporta
aporta
aporta também o esquecimento
esta casa velha.

§

PRELÚDIO

Entro nos teus olhos como num bosque/ cheio de sol
[Nazim Hikmet]

É na ausência do pássaro
que se compõe o canto,

ou na recusa da fruta
de vir à rama quando não estás?

A orquídea do quarto
represa em suas raízes
toda a água para varar a noite;
eu caminho deslocando ponteiros.

Não há hora que falte
nem tempo de sobra;
o silêncio é a tua medida
e mantém-me o passo.

O resto é voo.

§

ENSEADA

Afora/ o teu olhar/ nenhuma lâmina me atrai com seu brilho
[Vladimir Maiakovski, Lílitchka!]

Trovoa ao longe
e um lampejo filtra o pano violáceo do céu
iluminando o quarto.

É um prenúncio,
sussurro de gotas sobre as costelas de Adão.

Na pele e na rua
deslizam os carros
deslizam teus dedos
deslizam sanguíneos
nas úmidas superfícies e cavidades —
n’algum lugar em mim e na cidade
chove torrencialmente;

mas para além
do recosto oblíquo dos olhos
para além da rotação dos planetas
no ponto em que não se vê e está
há a música
regência cósmica das esferas
ali por trás da curva do globo.

Ir ao fim do mundo
para apanhar a concha da vida,
e colocá-la aqui
no arco infinito dos teus lábios.

Na enseada da Costa da Morte
a vida quebra mais viva

…………………………………………

Caminha invisível o amor

na multidão doída e apressada

entre olhares dispersos.

O amor caminha só,

anjo atravessado por passos rápidos.

É menos do que um mendigo o amor

na hora do rush, na plataforma dos trens

e a cidade incandesce

minutos antes do pôr do sol.

……………………………..

Nature boy

I never have the courage to speak of you

vast sky of my neighborhood

Never of you, Zbigniew Herbert

Não tenho sob as pálpebras da memória

uma casa mítica para a qual retornar.

Tenho perdido o cheiro dos contornos

os nomes dos objetos, as cores do jardim.

É um corpo de atritos o retorno.

Só me detenho sobre as sombras das pernas

sobre o rosto do sagui emudecido,

olhamo-nos

por trás da parede de vidro em movimento.

Converso com os mudos e os insensatos.

Suporto dilúvios entre os túmulos.

Você me diz

é difícil ser historiador da própria história

e diz que um aceno de futuro é mais forte

que a antologia de motivos para não vivê-lo.

O poeta também me diz

não se surpreenda por não poder descrever o mundo

e só abordá-lo com ternura pelo nome.

Mas chove e não posso falar

do vasto céu desse bairro.

Leio Zbigniew Herbert para não dormir

so many feelings fit between two heartbeats

so many objects can be held in our two hands

Mas você fala dos recortes do passado,

das fotografias, das matrioscas.

Desacelera.

Tudo se fez bairro nesta cama

desde que minha alma salva

esbarrou no seu futuro

…………………………………………

Cabra-cega dos corações miseráveis

Para Ana C.

Em outubro, pela primeira vez, acordo imersa em meu próprio mar.

Ainda que turva e em desalinho, há a vista.

De tanta vida liquefeita, crescem inteiriços, ao redor dos olhos, óculos, algum anteparo.

O corpo nu.

A cabeça escafandro.

Os peixes, fabulosas iscas do futuro, escondem-se entre as anêmonas,

nos cantos, entre as paredes.

E há escombros, relíquias, destroços.

Coral vermelho no centro do quarto.

A morte nos absorve inteiramente.

Choramos com a facilidade da nascente.

E consumida pela água, pelo tempo, sou vestígio de uma nave.

Um timão atravessava-me o ventre.

Mas quanto tempo

tarda a morte

a morrer?

Lençol freático

Epppure resta

che qualcosa è accaduto, forse un niente

che è tutto

………………………………………………

 Eugenio Montale

nada mais do que

uma

linha imaginária

divide da reserva a superfície

o silêncio caudaloso

alimenta as cisternas

tudo que o céu devolve

corpo recolhido

entre as margens

O que resta incrustado

no côncavo da memória?

luz refletida sobre o Arno?

som de córrego?

lua cheia colorindo as artérias da Amazônia

ou o Tietê putrefato?

o hipnótico

incessante movimento

diz:

‘nem tudo termina por aqui’

há tanto curso

até o mar,

nossa existência aquática

há sempre um rio

para medir a sede

do mundo

levo sob os pés

o lençol freático da ausência

[do 16 poemas +1, 2017]

………………………………………

Botão

Minha mãe insistia que pregasse o botão solto à camisa de linho.

Que removesse o fio que já não o prendia,

que refizesse o alinhavado entre as fissuras.

Que o mesmo se segurasse bem sobre o tecido,

para não ter de pregá-lo quando enfim caísse,

poderia perdê-lo pelas ruas, sem notar.

Mãe que ensina ver o frágil antes da quebradura.

Antes das coisas se perderem pelas ruas.

Antes do peito se expor à intempérie do tempo e do olhar.

Muito mais do que costura,

mãe, olhar atento às coisas por um fio.

Tê-las nos dedos com cuidado e paciência.

Refazer o caminho do fio entre os furos.

[do 16 ljóð + 1, 2017]

……………………………………..

Ser o sal que tira do mundo a cegueira do branco

As torres desta cidade elevam-se como declarações de amor

diz Zagajewski num poema póstumo para Herbert

admiro a altivez régia dos teus poemas

e eu adentro os tácitos fios desta conversa entre poetas

peço licença pela lembrança

na Avenida Paulista não eram as torres

mas as antenas sobre elas

e as confusas elevações

que se refletiam nos olhos da Gualtieri

que comigo caminhava e dizia

o que são estes braços metálicos que apontam para o céu?

seriam estas as catedrais de São Paulo?

onde não há horizonte faz-se no céu uma saída

e que saída se faz quando tudo é céu e tudo é mar

onde só há horizonte

como represar a paisagem por trás dos olhos?

retroceder no espaço como as geleiras

rasurar fiordes sobre a pele

nos esgarçamos aos poucos quando não nos perdemos

deveríamos autorizar o tempo, o longínquo, as quedas d’água

o sonho que ronda o nosso sono

paira sobre os olhos

sobre as pálpebras fechadas

há tanto vento em ti e tanta estrada à frente

as nuvens não estarão sobre nós para sempre

no equilíbrio entre a melancolia e o riso

traçar o risco

enraizar as declarações de amor

plantá-las como tempero

fazer com que cresçam feito tomilho numa estufa geotérmica

ser o sal que tira do mundo a cegueira do branco

[São Paulo, 14 de março de 2018]

…………………………….

As curvas negras da terra

Nesta madrugada arderam

como a muralha chinesa incendiada de lume

as montanhas da Galícia;

o dorso do dragão em chamas

esteve à espera de um São Jorge aquático que nunca chegou.

Era uma serpente de lava a subir e descer

as curvas negras da terra entre Allariz e Redondela.

Daqui, da ilha de São Simão, ainda

envolvida na bruma tóxica,

sonho a fecundidade do nosso futuro.

A novidade da morte percorre-te

a espinha, brasa gélida

converte-se em pranto mudo o medo

às margens do porto azul dos teus olhos.

Desfaz-se a memória, água adentro.

Tememos a falta do que habitaria o porvir

e então traduzes o que quase sei numa língua desconhecida.

Chove e não posso caminhar à beira-mar

para colher-te o olhar daquela margarida,

cristo branco, erguida sobre as pedras centenárias,

flor dilatada ao vento com olhar de súplica ao céu:

igual os meus pulsos quando, em meu sono, os sorves.

[São Simão, Galícia, outubro de 2017]

………………………………..

Do you know god?

protege toda uma cidade o Esja

como ninguém

como mais nada

protege

dizes

anteparo para o mais cortante dos ventos

mas há algo de contorno ou travessia no dia

salta além da parede rochosa

vem do mar

vem e corta o rosto

vem e traz o sal aos lábios

um degelo demorado pode nunca se avistar ao horizonte

o céu leitoso acachapado cresce como capim sobre as nossas cabeças

eu não alcanço suas raízes aéreas

não desfaço com os dedos o branco

pesa-me sobre o peito o incolor

e os meus olhos anzóis

e os olhos dele

poços de sal e mel

por trás das jabuticabeiras

poços de sal e mel

ele ama o seu amor e a ausência dela como ama-se Deus

diz

do you know God?

mas se não creio como sabê-lo?

crês?

sei que a dor não se desfaz

não há Penélope possível

nem novelo ao revés

e se destituíssemos os anteparos

e fôssemos de novo intempérie?

crescem-me, por dentro, as asas

como aquelas que carregam os pássaros da Islândia

plumas azuladas que brotam escápulas adentro

e dizem

é no voo que se refaz a crença

[12 de junho de 2018]

[do Errância, 2018]

………………………………………………………

É O NASCER DO DIA
QUE RASGA O PEITO DOS AMANTES

É o nascer do dia que rasga o peito dos amantes,
como o verde que colore os olhos,
na mesma diagonal, o desenho de um milagre.

Plantar na terra
pés com o coração
e não ir mais embora
agora que colocaste o mar no céu.

Enquanto na garganta brota-me
a língua dos antepassados navegadores
meu olhar permanece no horizonte.

(Repátria)

………………………………………..

não há de ser
só escuro o lado
de dentro do muro
o avesso do viço esse pesar

é a retina
que rege o furor das coisas

sob o descompasso da neblina
há terra úmida que germina —
o coração do ventre
mora no olhar

há de se descortinar o céu de si
vento estrela aurora boreal
arrancar da própria costela a mulher que ali habita
morrer-se a cada dia um tanto
concha
semente
pranto
navegar além do canto (e do silêncio)
das sereias do pensamento

Ribeirão Preto, maio 2019.

…………………………………………………….

Açafrão

Os gatos quando nascem

têm os olhos cerrados à luz

movem-se lentamente no espaço

tacto

pelugem avermelhada

e olfato

deslocam-se tímidos

as patas imensas o corpo macio

cheiram a leite

vivem no sonoro e no escuro

miam silenciosamente para a cegueira do mundo.

É a memória, não o amor, um cão do inferno

unrequited love, I’d say

mas há uma canção de William Carlos Williams que diz mais e melhor:

“Deitado aqui, eu penso em ti: –

A mancha do amor

Domina o mundo!

Amarelo, amarelo, amarelo

o amor devora as folhas,

espalha o açafrão

os ramos feito chifres se dobram

pesam

sobre o suave céu lilás!

Não há luz

só há uma mancha densa feito mel

que cai de uma folha à outra

de um galho ao outro

arrancando do mundo inteiro

as cores —

Tu lá ao longe sob

a orla vermelho-vinho do oeste!”

Outona

e as folhas se dobram sobre o chão

cada coisa se recolhe sobre sua raiz

nas entranhas da terra

os olhos dos gatos

aguardam a primavera

(inédito, 2018)

……………………………………………..

Ipês

Nos ramos secos

as últimas três flores amarelas

apontam para o alto,

ainda não é agosto,

mas já definharam,

como meus punhos,

contra a maciça

cancela da vida.

Pedir à lisa superfície

uma resposta.

Esperar que chegue

um clarão

que não cegue.

E se tudo se apagasse agora,

no ruído diurno do aço

de um trem na periferia?

(Repátria, 2015)

A vinganza de Bolosonaro: máis armas, menos libros.

Sempre me preocupou moito o bolsonarismo. Estamos cun oceano de por medio, mais as ideas ultraconservadoras non se deteñen en fronteiras e teñen sempre a mesma vítima: a poboación máis pobre, a xente máis exposta socialmente e con menos medios. E ver o que pasa cos demais é unha menira de prever o que nos pode pasar a nós.

Hai uns meses, nestas páxinas divulgamos unha parte da poesía contra Bolsonaro, non toda, unha parte significativa. Ficou desde o inicio, ben claro que a poesía negra, a poesía preta, as mulleres pretas e poetas, tiveron un papel moi salientábel na resposta antibolsonarista. Son consciente de que o movimento antibolsonarista non é unicamente cuestión da xente preta, ou d@s artistas negros. Nin sequera é cousa de poetas e artistas, senón que atinxiu á sociedade en xeral. Porén teño motivos para comezar falando da poesía de muller negra, xa verán.

Certamente, aquí levamos tempo afeitos á combatividade da ultradereita contra a cultura. Todos lembramos o “Viva la muerte; abajo la inteligencia” de Millán Astray. E somos perfectamente conscientes de como a ultardereita pretende que as touradas sexan cultura, as touradas ou a caza. E que o libro, a verdadeira cultura, prefiren que sexa obstaculizado canto máis mellor porque a cultura é un axente uniformizador socialmente falando e eles queren seguir amosándose como clase social privilexiada e intocábel, de xeito que o común dos mortais non teñamos acceso á promoción social mediante a cultura.

Na miña opinión, desa envexa clasista nace a loita anticultural que caracteriza a ultradereita en todo o mundo. Mais no caso do bolsonarismo é fácil ver, nesa taxa do 12%, unha actitude de vinganza contra o mundo da cultura que se posicionou contra as súas ideas, e que foi un movimento socialmente amplo. A fin de contas, máis balas e menos libros vén sendo a mesma cantilena de Millán Astray. Mais, nun Brasil onde o 44% non ten relación co libro nunca ( e o 30% nunca comprou un libro) e os índices de leitura son moi baixos, esta vinganza bolsonarista é unha condena para as clases sociais máis necesitadas, para que non lles sexa acccesíbel a cultura como factor de corrección das desigualdades. E tamén unha vinganza contra @s creadores e creadoras, para que a súa obra non se difunda ou que o faga o menos posíbel.

Ben, pois eses índices de leitura son aínda menores entre a poboación negra e particularmente entre as mulleres negras. Hai un feito revelador, as poetas máis novas, para difundir mellor as súas mensaxes acoden á manifestación literaria oral (canles no youtude, por exemplo) para asegurarse unha recepción o máis ampla posíbel. De xeito que a medida bolsonarista precariza aínda máis a leitura entre a poboación negra.

Xa ven, esta medida non só é un ataque á cultura, tamén ten boa parte de racismo.

Remataremos con Elisa Lucinda e o seu emblemáico “Só de sacanagem”

Meu coração está aos pulos!
Quantas vezes minha esperança será posta à prova?
Por quantas provas terá ela que passar? Tudo isso que está aí no ar, malas, cuecas que voam entupidas de d
inheiro, do meu, do nosso dinheiro que reservamos duramente para educar os meninos mais pobres que nós, para cuidar gratuitamente da saúde deles e dos seus pais, esse dinheiro viaja na bagagem da impunidade e eu não posso mais.
Quantas vezes, meu amigo, meu rapaz, minha confiança vai ser posta à prova?
Quantas vezes minha esperança vai esperar no cais?
É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam: “Não roubarás”, “Devolva o lápis do coleguinha”, “Esse apontador não é seu, minha filha”. Ao invés disso, tanta coisa nojenta e torpe tenho tido que escutar.
Até hábeas corpus preventivo, coisa da qual nunca tinha visto falar e sobre a qual minha pobre lógica ainda insiste: esse é o tipo de benefício que só ao culpado interessará. Pois bem, se mexeram comigo, com a velha e fiel fé do meu povo sofrido, então agora eu vou sacanear: mais honesta ainda vou ficar.
Só de sacanagem! Dirão: “Deixa de ser boba, desde Cabral que aqui todo mundo rouba” e vou dizer: “Não importa, será esse o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Eu, meu irmão, meu filho e meus amigos, vamos pagar limpo a quem a gente deve e receber limpo do nosso freguês. Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau.”
Dirão: “É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal”. Eu direi: Não admito, minha esperança é imortal.
Eu repito, ouviram? Imortal! Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente quiser, vai dar para mudar o final!

E é que a ultradereita e as súas ideas culturais demostran que non son xente, non pasan de mentes precarias, coas neuronas xustas para non mexar por si ( que di o Alfonso Piñeiro, político chantadino agora “na reserva”)